PESQUISANDO COM O ELEITOR

Solta a sua imaginação e responda a pergunta de Mauro Mendes

Publicados

em

Aqui nada e aí? Também nada? Então vamos interagir. Amigos internautas o Blog do Valdemir é para falar do dia a dia dos acontecimentos e o que poderá acontecer na política mato-grossense.

Além da informação, temos umas pitadas nas entrelinhas. Olhar diferente os bastidores não significam ser diferente. O nosso objetivo é deixar seu dia mais agradável e bem informado. Sejam bem-vindos, e ótima quarta-feira, e hoje vamos de Mauro Mendes Ferreira, o nosso “Homem de Ferro”, do Partido União Brasil (UB).

Vamos interagir um pouco e saber o que vocês pensam do pleito eleitoral em Mato Grosso 2022.

Estamos no dia 11 de maio, na última segunda-feira, o senhor Mauro Mendes Ferreira disse no interior de Mato Grosso que, no MÁXIMO em 30 dias dará a resposta e, como palavra de um líder, quem vem da escola de Blairo Borges Maggi do Partido Progressista (PP), e Jayme Veríssimo de Campos do União Brasil (UB), tem muita credibilidade, e estaremos esperando no dia 9 de junho. Ou o senhor está a cantar a música “Sonhador”, interpretada por Leonardo eu não sei pra onde vou.… pode até não dar em nada.

Em 2006, Blairo Borges Maggi respondeu para a equipe de reportagem do Blog do Valdemir e disse: eu sei.

Continuando…, o Homem de Ferro, o governador Mauro Mendes Ferreira, questionado está semana se vai tentar um segundo turno, o chefe do Executivo Estadual saiu com essa: essa pergunta vale um milhão.

Muito bem senhor Governador do Estado de Mato Grosso, então os nossos amigos internautas irão nos ajudar à responder. Lembrando que algumas dessas perguntas, já foram feitas para o governador Mauro Mendes.

Vamos as perguntas amigos internautas:

Leia Também:  Apoiadores de Bolsonaro realizam ato na Praça 8 de abril

1- Mauro quer continuar no cargo, porém vai disputar a reeleição se conseguir construir as condições de:

a) apoio da família
b) apoio político
c) apoio de Nenel

2- Você acha que Mauro está preocupado com adversário

a) sim
b) não
c) ele se acha o último refrigerante do deserto

3- Mauro não confirmou sua candidatura antes do dia 2 de abril, porque:

a) ficou com medo de Nenel renunciar disputar o Governo
b) devido problemas políticos
c) está esperando o busão do BRT

4- Mauro morre de medo de enfrentar

a) Wellington Fagundes
b) Antônio Galvan
c) quem Nenel Pinheiro indicar

5- Mauro terá apoio de Blairo Maggi?

a) sim
b) não
c) só se Mauro Mendes apoiar Neri Geller

Muito obrigado amigo internauta pela sua participação, se não quiser participar também obrigado.

Para encerrar: Mauro Mendes é candidato à reeleição. O Senador da chapa será Wellington Antônio Fagundes do Partido Liberal (PL), e Jayme Veríssimo de Campos do União Brasil (UB), e oHomem de Gelo, Blairo Borges Maggi do Partido Progressista (PP) também: não há nenhum impedimento para que o governador Mauro Mendes reúna no seu palanque os dois candidatos.

Senhores navegantes: Otaviano Olavo Pivetta será o vice de Mauro Mendes, o primeiro suplente de Wellton Fagundes ao Senado será o ex-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho Junior.

Querem mais?

O presidente da Aprosoja do Brasil, Antônio Galvan vem conversando com Tião da Zaeli que está filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e com o empresário Flávio Frical, atualmente no PRÓS para bater chapa contra o governador e candidato a reeleição Mauro Mendes.

Não podemos deixar Mauro disputar sozinho. A pretensão é sempre ter um nome próprio da gente, né”?

Então, “tirrim-tirrim fechou o balaio” e quem desistir vai levar cobrinha na anca, pois lugar de gente feia é da onde veio.

Leia Também:  Mesmo em crise de "Pandemia", reajustes para servidores públicos acontece em 9 Estados

Hoje vamos de Mauro Mendes.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Mesmo cassado, Bezerra poderá disputar as eleições de 2022

Publicados

em

Em novembro de 2021, o Ministério Público Eleitoral (MPE), pediu a cassação do mandato do deputado federal e presidente estadual do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), em Mato Grosso, Carlos Gomes Bezerra, por supostos gastos ilícitos nas Eleições de 2018.

Conforme denuncia do Ministério Público Eleitoral (MPE), diz que o deputado federal Carlos Bezerra montou um gabinete paralelo ao comitê de campanha, o que o beneficiou na disputa. O argumento está no parecer final, assinado pelo procurador regional eleitoral, Eric Raphael Masson, ao processo que investigava Carlos Gomes Bezerra por crimes eleitorais.

Conforme o procurador, o gabinete foi vinculado ao MDB, partido do qual Bezerra é presidente em Mato Grosso, e o parlamentar teria se valido desse cargo para omitir declaração de gastos.

Masson cita dois casos em que as despesas reais de campanha não teriam sido informadas. O dinheiro considerado com origem em Caixa 2 soma R$ 183,7 mil.

A despesa com material gráfico informada à Justiça Eleitoral foi de R$ 142 mil, porém o gasto real teria ficado em R$ 262 mil. Com combustíveis, foram informados R$ 48 mil. O valor real, contudo, teria ficado R$ 134 mil.

Os valores a mais foram identificados em apuração dos documentos de campanha.

Não se ignora que o investimento, pelo partido, até poderia vir a ser legítimo, se não fosse o fato de que absolutamente nada foi declarado à Justiça Eleitoral! Esse ponto é de suma importância, porque decorrem os contornos de caixa dois”, diz o parecer.

Fora do cargo

Por unanimidade, o deputado federal Carlos Bezerra (MDB), teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT), por crimes eleitorais na campanha de 2018. O MPE afirmou em documento que, apesar da quebra de sigilo bancário não ter sido deferida pela Justiça, as provas colhidas na investigação demonstram que o deputado montou um “gabinete paralelo”.

Nova derrota

Mauro Campbell Marques, ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sua decisão nessa quarta (25), acabou negando medida liminar e manteve a cassação do deputado federal Carlos Bezerra.

O acórdão regional acolheu a tese da Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal (MPF), de que houve omissão contábil do candidato Carlos Bezerra em relação a recursos estimáveis em dinheiro provenientes do Diretório Regional do MDB.

Leia Também:  Barranco: “È hora de empunhar as nossas bandeiras porque o PT tem historia”

Apontou ainda, omissões de despesas e receitas de campanha e realização de gastos irregulares pagos com recursos públicos e privados.

No Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Bezerra e o MDB Nacional interpuseram, isoladamente, recursos ordinários contra o acórdão regional. Em seu apelo, o MDB pleiteou a concessão de tutela de urgência para o fim de atribuir efeito suspensivo ao respectivo recurso, considerando a proximidade do Pleito Eleitoral de 2022, contexto no qual o deputado Carlos Bezerra deve ser considerado um potencial candidato do partido.

Contudo, ao negar o pedido e manter a ação, bem como a cassação do mandato, o ministro destacou não vislumbrar, neste momento processual, a probabilidade do direito invocado, já que, segundo o ministro, o recurso ordinário manejado pelo MDB já possui o efeito desejado, sendo certo que “o efeito suspensivo cessa com o julgamento do feito pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Conforme o ministro, o registro da ocorrência no cadastro eleitoral não implica declaração de inelegibilidade nem impede a obtenção da certidão de quitação eleitoral, ou seja, o deputado federal Carlos Bezerra poderá disputar as eleições de 2022, mas na condição de sub judice.

Registro, ainda, que, conforme o art. 16-A da Lei das Eleições, ao candidato é garantido concorrer ao pleito na condição de sub judice, mesmo nos casos em que o pedido de registro de candidatura tiver sido negado”.

Por fim, o ministro enfatizou que o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT) julgou procedente representação fundamentada no art. 30-A da Lei nº 9.504/1997, de modo que, como cediço,uma vez julgada procedente a representação, a única sanção aplicável é a negativa ou a cassação do diploma”.

Portanto, sendo certo que, no caso, não houve, e nem poderia haver a imposição da sanção de inelegibilidade, não prospera a afirmação do MDB de que “[…] a imposição imediata da sanção de inelegibilidade revela-se uma restrição desproporcional ao direito fundamental do candidato concorrer nas eleições que se avizinham […]” (ID 157500469), haja vista que não condiz com a realidade jurídica extraída do acórdão regional”, ressaltou. – (Com VG Noticias)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA