ELEIÇÃO 2020 EM VÁRZEA GRANDE

Kalil amplia vantagem com 54% das intenções de voto

Publicados

em

As pesquisas de opinião pública relativas às Eleições 2020 ou aos seus pretensos candidatos devem ser previamente registradas na Justiça Eleitoral até cinco dias antes de sua divulgação, por meio do Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesqEle). A regra, que começou a valer no dia 1º de janeiro, é disciplinada pela Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.600/2019, que regulamenta os procedimentos relativos ao registro e à divulgação de pesquisas.

Pesquisa eleitoral é a indagação feita ao eleitor, em um determinado momento, sobre a sua opção a respeito dos candidatos que concorrem em uma eleição. De acordo com a resolução, o concorrente cujo registro de candidatura tenha sido indeferido, cancelado ou não conhecido somente poderá ser excluído da pesquisa quando cessada a condição sub judice, ou seja, quando houver um julgamento definitivo sobre o seu pedido de registro.

Nesta eleição de 15 de novembro que acontece no município vizinho Cuiabá, as pesquisas estão a todo vapor, e nesta sexta-feira (16), Instituto Gazeta Dados divulgou no Jornal A Gazeta, pesquisa que aponta o candidato a prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat (MDB), com 54,24% das intenções de voto válidos na estimulada. O emedebista também possui a menor rejeição entre quatro postulantes.

O emebista aparece na pesquisa Gazeta Dados com uma diferença de 27% da preferência do eleitorado várzea-grandense em relação ao segundo colocado. Além disso, possui a menor taxa de rejeição entre todos os candidatos.

O segundo colocado com maior número de votos é o candidato do PSB, que aparece com 27,12%. Em terceiro lugar está o candidato do PTB, com 16,95%. E em quarto, o candidato do PSOL com 1,69%. O candidato do PTB é o mais rejeitado com 41% dos eleitores entrevistados. Em segundo lugar no ranking de rejeição aparece o candidato do PSOL 35%. Em terceiro, o candidato do PSB tem 29%. E Kalil Baracat é o que possui menor rejeição do eleitorado várzea-grandense, com 21%.

Foram desconsiderados os índices de brancos e nulos e os de não sabe e/ou não responderam. Se forem considerados esses índices, Kalil surge também na liderança com 32%, à frente de segundo colocado que tem 16%, o terceiro 10% e o último com 1%. Votos brancos e nulos somaram 8% e quem não soube ou não quis responder, 33%.

Na modalidade espontânea, Kalil continua na frente com 25% das intenções de votos. O segundo colocado fica com 13%, o terceiro com 7% e o último nem pontuou. Brancos e nulos somam 6% e não sabe e/ou não respondeu 49%.

Já os que afirmam que poderiam votar somam 14% e quem não o conhece 5%. Já quem votaria com certeza no petebista foram 7%. Não responderam ou não souberam responder 33%.

A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral com o número MT-06855/2020.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Eleições 2020: Cuiabá sofre com a falta de "memoriol" e "óleo de peroba"
Propaganda

Política

Pinheiro e Pátio na mira de Medeiros

Publicados

em

Enquanto ocorrem as primeiras eleições no governo Bolsonaro, é possível perceber que em grande medida as questões nacionais estão presentes e se misturam com o debate local, seja por conta da Pandemia que mata centenas de milhares, do desemprego de milhões, da Saúde, da volta da inflação e da fome que cresce, e não é só o destino das cidades que estão em jogo, o futuro da classe trabalhadora é uma questão central. E isso nós não estamos vendo acontecer entre os postulantes a cadeira numero 1 de Cuiabá.

Seja nos blocos do horário eleitoral, veiculados de manhã e à tarde, ou nos comerciais que entram na programação, as campanhas aumentam o tom dos ataques em propagandas no rádio. O mesmo acontece nas publicações na internet. Na comparação com a televisão, que tem o maior alcance e audiência entre o eleitorado, há mais citações aos rivais, críticas e até ironia.

José Antônio Medeiros, deputado federal e candidato ao Senado da Republica pelo Podemos, anunciou que vai pedir, por meio do Diretório Estadual da sigla em Mato Grosso, a cassação dos prefeitos Emanuel Pinheiro (MDB) de Cuiabá, e de Rondonópolis, José Carlos do Pátio (SD), por improbidade administrativa durante o período mais crítico da Pandemia do novo Coronavírus em Cuiabá.

O pedido deve ser protocolado nos próximos dias na Câmara Municipal de Vereadores.

Nesta sexta-feira (23), em live, com o candidato a Prefeito de Cuiabá, vereador Abílio Júnior (Podemos), José Medeiros afirma que existem elementos suficientes para pedir o afastamento de Emanuel Pinheiro da Prefeitura de Cuiabá.

Abílio e Medeiros apontam alguns motivos que podem levar a cassação do prefeito cuiabano, entre eles, o decreto municipal que reduziu em 30% da frota do transporte coletivo para evitar aglomeração. No entanto, a redução aumentou os riscos de contaminação, pois as pessoas se aglomeraram dentro dos poucos ônibus que estavam disponíveis na cidade.

Outro fator seria a diminuição do horário de funcionamento do comércio. De acordo com Abílio, as pessoas foram obrigadas a aglomerar nos horários reduzidos. O vereador também cita o fracassado rodízio de placas de carros pelo CPF implantado pela prefeitura.

As medidas que o prefeito de Cuiabá tomou ajudaram muito mais ao Covid do que a população, lamenta Abílio.

O candidato a prefeito ainda comenta que Emanuel Pinheiro pode ser responsabilizado pela contaminação das pessoas, por promover aglomeração em horários específicos, pelo fechamento de empresas, aumento do desemprego e por medidas que prejudicaram a economia de Cuiabá.

Ele [Emanuel Pinheiro] errou, não agiu tecnicamente e sim politicamente. Muitos prefeitos agiram assim com objetivo de buscarem mais recursos federais“, critica o vereador.

Para o deputado federal José Medeiros, que é vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara Federal, a negligência de alguns gestores públicos durante a pandemia foi levantada pelo presidente da República, que enviou milhões de reais para os municípios e muitos não abriram nenhum leito novo de UTI como foi o caso de Cuiabá.

Alguns prefeitos, como o prefeito Pátio, pegaram os recursos enviados pelo Governo Federal para combater o Covid-19 e fizeram asfalto pensando em faturar eleitoralmente. Eu chamo isso de asfalto de sangue. Enquanto eles faziam asfalto, as pessoas morriam por falta de atendimento. Qual o pai de família vai arrumar a calçada de sua casa enquanto o filho está precisando de saúde? Ele pega o dinheiro e aplica na calçada? Não! Ele aplica o dinheiro na saúde. Aqui foi diferente. Desde o início da pandemia entrou R$ 500 milhões no cofre da Prefeitura de Cuiabá e quase R$ 80 milhões enviados pelo Governo Federal e não fizeram nenhum leito de UTI, enquanto tem cidade que fez seis leitos com menos de um milhão. Diante de tudo isso, se faz necessário pedir o afastamento dos dois prefeitos pelo bem da população, comenta Medeiros.

O vice-líder de Bolsonaro lembra que a gestão de Emanuel Pinheiro foi marcada por escândalos, entre eles o do Paletó e o afastamento e até a prisão de secretários. O mais recente foi o afastamento do ex-secretário de Saúde, Luiz Antônio Pôssas de Carvalho por suspeita de ter superfaturado a compra de remédios para o tratamento da Covid-19. Já em Rondonópolis, Medeiros cita a compra de respiradores falsos e o pedido de Pátio para utilizar os recursos federais da Covid para fazer asfalto.

Pátio e Emanuel deviam estar presos por negligência no atendimento das vítimas do Coronavírus“.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Em palanque eleitoral, deputado xinga adversário de bandido
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA