OS DONOS DA TERRA

Governo entrega 4.830 títulos registrados em cartório para a população

Publicados

em

O Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat) entregou 4.830 títulos entre beneficiários urbanos e rurais durante os dois últimos anos. Os títulos entregues por esta gestão são definitivos, o que significa que já são registrados em cartório sem custo ao beneficiário que se enquadra no perfil social, explica o presidente do Instituto, Francisco Serafim de Barros.

Ao assumir a presidência do Intermat, Francisco Serafim se deparou com o retrabalho que acontecia por conta do não registro dos imóveis regularizados junto aos cartórios. Com a parceria com a Associação dos Notários e Registradores do Estado de Mato Grosso (Anoreg-MT), foi possível resolver este problema e garantir a posse definitiva.

A entrega de títulos de interesse social já registrados é um avanço muito grande, e garante a segurança jurídica para o beneficiado. Com o registro o proprietário tem autonomia sobre seu imóvel, pode fazer financiamentos, fazer investimentos no imóvel, dar em garantia, vender ou deixar de herança. Além disso, há o recolhimento de impostos que retorna ao cidadão em forma de serviços públicos”, explica o presidente.

Foram entregues 2.318 títulos em 2019, entre urbanos e rurais, para 15 cidades.

Os municípios contemplados foram: Alto Araguaia, Alta Floresta, Nova Guarita, Figueirópolis D’Oeste, Paranaíta, Nova Santa Helena, Juína, Guiratinga, Nova Xavantina, Peixoto de Azevedo, Campo Verde, Cuiabá, Nova Canaã do Norte, Vera e União do Sul.

Já em 2020, o número chegou a 2.512 entre urbanos e rurais, mesmo diante de um ano atípico, com a pandemia do novo Coronavírus.

Foram contemplados os municípios: Alta Floresta, Cáceres, Confresa, Itiquira, Jaciara, Juína, Marcelândia Peixoto de Azevedo, Nova Xavantina, Nortelâncida, Porto Alegre do Norte, São Félix do Araguaia, Tabaporã, União do Sul e Várzea Grande.

A maioria dos processos de regularização fundiária foram concluídos por meio de uma cooperação com os municípios, que disponibilizam funcionários para auxiliar nos trâmites técnicos dos processos. Isso possibilita uma análise mais ágil, e beneficia a população.

Melhoria dos processos e gestão

O andamento moroso de processos de regularização era um problema antigo do órgão, que está implantando medidas de modernização para trazer mais rapidez no atendimento. Atualmente, a análise prévia dos processos regularização demora apenas cindo dias úteis. As notificações são enviadas em até dois dias, por e-mail, o que reduziu o tempo e os custos com os Avisos de Recebimento (AR) enviados pelos Correios.

Investimentos do Terra a Limpo

Com recursos do Programa Terra a Limpo, o Intermat está capacitando 110 servidores técnicos para atuarem na regularização fundiária, em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). São três turmas de especialização, e uma capacitação com cinco módulos. São oferecidas especializações em Regularização Fundiária e Geoprocessamento, Georreferenciamento de imóveis, e Gerenciamento de Programas e Projetos, com 360 horas de duração cada um, com a formatura prevista para 2021.

Foram também adquiridos 77 computadores e estabilizadores para uso do Intermat e do Incra. Os equipamentos são essenciais para melhorar as condições de trabalho dos dois órgãos.

Já foi licitado o serviço de georreferenciamento para demarcação das glebas e assentamentos, com investimento previsto de R$ 34 milhões. Também com recursos do Programa o Intermat realizou a contratação para a organização, tratamento e digitalização do acervo. Também com recursos do Programa o Intermat está em fase de análise para contratar empresa especializada para organizar, tratar e digitalizar o acervo.

O Programa também entregou, no ano passado, cinco novos veículos, sendo quatro do modelo Amarock, e um Chevrolet S10. Serão utilizados em trabalho de campo nas ações de regularização das áreas públicas sejam elas estaduais ou federais, tanto pelo Intermat, quanto pelo Incra.

O programa prevê um investimento de R$ 72,9 milhões em Mato Grosso, com o objetivo central de promover a resolução de conflitos, e a segurança jurídica pela posse da terra, beneficiando famílias de agricultores de 88 municípios que estão no bioma amazônico. Os recursos são do Fundo Amazônia, por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Nova regulamentação de Terra

Durante a gestão, o Código de Terras de Mato Grosso passou pela sua primeira mudança dos últimos 40 anos, que desburocratizou a regularização de terras, com a aprovação da Lei nº 10.863/2019. Entre as principais mudanças, está a possibilidade de o ocupante da terra adquirir o imóvel do Estado por compra direta, com a possibilidade de desconto de 20% no pagamento à vista.

No novo texto, há a definição clara dos requisitos para a gratuidade do título, o que auxilia o Intermat a conceder o benefício para quem realmente possui o perfil. É preciso que seja o único imóvel, haja posse há mais de cinco anos, não deve ser beneficiado por programa de regularização, e a renda de atividade não agrária não deve ultrapassar três salários mínimos ou um salário mínimo por pessoa.

A nova Lei também favorece o cumprimento da legislação ambiental, possibilitando a regularização de áreas nas modalidades vigentes e definidas como de cultura efetiva.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Resgates superam compras do Tesouro Direito em fevereiro
Propaganda

ECONOMIA

Inadimplência em MT fecha 2020 abaixo que no ano anterior

Publicados

em

O total de inadimplentes registrado em dezembro de 2020, diminuiu em relação ao ano anterior. O levantamento feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) aponta que o número em Mato Grosso caiu ‐2,49% em dezembro de 2020, em relação a dezembro de 2019. O dado ficou acima da média da região Centro‐Oeste (‐4,71%) e acima da média nacional (‐4,31%).

A sequência de redução de inadimplentes foi mantida na passagem de novembro para dezembro, o número de devedores caiu -0,99%. A abertura por faixa etária do devedor mostra que o número de devedores com participação mais expressiva em dezembro foi o da faixa de 30 a 39 anos (26,39%), seguida pela faixa de 40 a 49 anos (21,50%).

Já o número de dívidas em atraso de moradores de Mato Grosso caiu ‐5,25% em dezembro de 2020, em relação a dezembro de 2019. O dado ficou acima da média da região Centro‐Oeste (‐7,01%) e acima da média nacional (‐7,14%). Na passagem de novembro para dezembro, o número de dívidas caiu -1,62%. Os setores com participações mais expressivas do número de dívidas em dezembro no estado foram os Bancos, com 31,40% e o comércio com 31,30% do total de dívidas.

Com relação ao número médio de dívidas por devedores, em dezembro de 2020, cada consumidor inadimplente tinha em média 1,904 dívidas em atraso.

O número ficou acima da média da região Centro‐Oeste (1,858 dívidas por pessoa inadimplente) e acima da média nacional registrada no mês (1,789 dívidas para cada pessoa inadimplente).

Segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL), Mato Grosso encerrou o ano com aproximadamente 1,081 milhão de inadimplentes. São quase -28 mil consumidores quando comparado com o fechamento de 2019. Já referente ao número de dívidas o fechamento ficou próximo a 2,97 milhões.

Se compararmos com o período mais elevado da inadimplência durante 2020, que foi em abril, já são mais de 162 mil mato-grossenses que conseguiram quitar suas dívidas“, avaliou o superintendente da entidade, Fábio Granja.

Para Granja é importante ter a inadimplência reduzida, pois trata-se de um mal que pode levar uma empresa à falência.

Apesar da melhora gradativa de alguns indicadores econômicos destes últimos meses, o primeiro trimestre de 2021 será um termômetro importante para tentarmos prever como será a continuidade desse processo de recuperação da economia, por isso é importante ficarmos com um sinal amarelo, pois a pandemia ainda está presente e sabemos o quanto ela tem interferido no comportamento e na confiança do consumidor. A consistência desse processo de retomada passa pela continuidade, em especial, daquilo que toca diretamente o bolso do consumidor: emprego e renda. Mesmo com a inadimplência caindo aos poucos, as famílias ainda enfrentam dificuldades para honrar seus compromissos em dia, tanto é que há um estoque elevado de pessoas com contas a pagar, disse.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Município de Santo Antonio de Leverger adota novas medidas para combater a "Covid-19"
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA