CORONAVAC PODE PROTEGER POPULAÇÃO

Butantan aposta na plataforma da CoronaVac contra nova variante Ômicron

Publicados

em

Variante Ômicron tem mutações na proteína que é usada como alvo em boa parte dos imunizantes disponíveis hoje no mercado. Mas vacinação continua sendo fundamental para prevenir casos graves da Covid-19. Uma nova versão do Coronavírus foi encontrada e os cientistas a consideram de “grande preocupação“.

Diante do elevado número de mutações dessa nova variante, surge uma questão urgente: as vacinas ainda serão eficazes contra ela?

Existem milhares de diferentes tipos, ou variantes de Covid circulando em todo o mundo. Isso é esperado porque os vírus sofrem mutações o tempo todo. Mas esta nova variante, chamada B.1.1.529 ou Ômicron, tem deixado os especialistas particularmente preocupados porque é muito diferente da Covid original, que foi usada como base para o desenvolvimento das atuais vacinas disponíveis.

A expectativa do Instituto Butantan é que a CoronaVac mostre boa eficácia para proteger as pessoas contra a variante Ômicron. Isso se deve à plataforma usada pelo imunizante, de vírus inativado. A diferença da Ômicron para outras cepas já conhecidas é justamente a proteína S, usado para fazer as vacinas da RNA, como Pfizer e Moderna.

Eu diria que a eficácia da Coronavac é a que tem menos chance de ser burlada”, avaliou a vice-diretora do Butantan, Maria Carolina Sabbaga, em recente entrevista ao Estadão. Serão feitos estudos para confirmar essa hipótese.

Vacinas de vírus inativado são desenvolvidas com base na composição completa do vírus, não apenas na proteína S. Anderson F. Brito, virologista e pesquisador científico do Instituto Todos pela Saúde (ITpS), explica que a Ômicron tem um padrão de mutações que afeta principalmente a proteína Spike, ou proteína S. Esse é o mecanismo usado pelo vírus para entrar nas nossas células.

As mudanças na Spike afetam principalmente uma região específica da proteína usada para interagir com os nossos receptores celulares. É como se a chave que o vírus usa para entrar nas células tivesse mudado de forma drástica”, afirma.

Pfizer, AstraZeneca e Janssen, todas usadas no Brasil, além da Moderna, já estudam a eficácia da versão atual das vacinas, além de já terem começado a produzir uma nova possibilidade, dedicada à prevenção da Ômicron.
O Instituto Butantan, por sua vez, ainda não iniciou os estudos para verificar a eficácia do imunizante contra a Ômicron. Na China, a Sinovac anunciou que já começou o processo para averiguar se há, ou não, necessidade de desenvolver uma nova vacina. Mas, caso seja confirmado que é preciso fazer uma nova versão da CoronaVac, a Sinovac acredita que o processo seria rápido.

Ainda sobre a Ômicron, Maria Carolina Sabbaga acredita ser cedo para avaliar os efeitos da nova variante. Ela lembrou do caso da Delta, que afetou diversos países, mas não o Brasil intensamente.

Não é porque é forte na África que vai ser forte aqui. As variantes mudam muito geograficamente”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Regimento Interno da ALMT não permite instalar CPIs, tendo outras três
Propaganda

Geral

Veículos serão removidos se estacionar em local prioritário

Publicados

em

Estacionar o veículo em local proibido, não usar cinto de segurança ou até usar o celular conduzindo um automóvel, mesmo que seja só por um minutinho, pode resultar em multa e alguns pontos na carteira. O Comando de Polícia Polícia Militar (PM/MT), assim como a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) tem alertado a população quanto a estas infrações do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o que têm sido registradas com frequência o desrespeito. Além da aplicação das sanções previstas, o veículo pode ser guinchado ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e ao pátio da SEMOB.

Nesta semana, a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) retoma a “Operação Tolerância Zero” contra motoristas e motociclistas que estacionam em vagas reservadas para idosos, pessoas com deficiência (PCD) ou com mobilidade reduzida. De acordo com o secretário de Mobilidade Urbana (Semob), Juares Samaniego, as primeiras operações serão orientativas, mas, no mês de fevereiro os agentes de trânsito começam a aplicação do auto de infração.

Os agentes também orientarão os motoristas quanto ao não uso das calçadas e a entrada e saída de veículos como estacionamento.

Aos que que não respeitarem a Lei de Trânsito, os veículos poderão ser autuados e removidos. Para o secretário de Mobilidade Urbana, Juares Samaniego, alguns motoristas ainda insistem em “errar” e praticar a infração que é também uma “falta de educação” no trânsito.

Infelizmente, a falta de bom senso ou falta de educação continuam sendo praticadas por alguns motoristas/motociclistas. Todos os dias há alguns motoristas usando vagas prioritárias. Recebemos muitas reclamações dos cidadãos com deficiência ou idosos que se veem impedidos de utilizarem essas vagas porque estão sendo usadas por aqueles que não necessitam delas. Infelizmente, esses cidadãos são os que mais reclamam dos agentes, mas não olham para os próprios erros cometidos no dia-a-dia no trânsito. Para esses motoristas eu peço, tenham consciência“, lamentou o secretário.

Estacionar em vagas reservadas aos deficientes e idosos sem credencial pode resultar na remoção do veículo, 7 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e R$ 293,47 de multa.

Os agentes também orientarão os motoristas quanto ao não uso das calçadas e a entrada e saída de veículos como estacionamento. A fiscalização ocorrerá também dentro dos shoppings e supermercados da capital. A fiscalização nestes locais é legal e consta no artigo 21 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), e nos estatutos dos idosos e PCD.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Abertura da Temporada Turística de Mato Grosso 2015 começa hoje
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA