NÃO VAI VOTAR

TSE suspendeu o cancelamento de quase 170 mil eleitores em MT

Publicados

em

De acordo com dados do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TER/MT), 168.022 eleitores pertencentes a 34 municípios do estado tiveram o título eleitoral cancelado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O motivo é que uma considerável parcela do eleitorado mato-grossense não realizou o cadastro biométrico a tempo e não poderá votar nas eleições municipal e suplementar neste domingo.

O eleitor pode consultar sua situação eleitoral neste link.

Conforme dados do Tribunal Regional Eleitoral, 2.317.102 eleitores poderão votar nas eleições deste ano no Estado de Mato Grosso. Destes, 1.898.989 realizaram a coleta de dados biométricos e terão a digital verificada na hora da votação. Apenas 418.113, cerca de 18,04% dos eleitores mato-grossenses aptos, votaram sem biometria.

O Tribunal Regional Eleitoral também divulgou dados do perfil do eleitorado do Estado. Este ano, o 50,7% é composto por eleitoras, e 49,3% por eleitores. Eleitores que usarão nome social somam 205 e eleitores com algum tipo de deficiência somam 8.877.

Os dados ainda mostram que a faixa etária que mais concentra eleitores em Mato Grosso é a de 35 a 39 anos e que o grau de instrução predominante é Ensino Médio Completo (23,81%), seguido do Ensino Fundamental Incompleto (23.44%).

Caso venha acontecer um segundo turno na Capital de todos os mato-grossenses, o que segundo as pesquisas deverão acontecer, os mais de 85 mil eleitores impedidos de votar por falta de biometria seriam suficientes para levar um candidato à Prefeitura de Cuiabá para o segundo turno.

A Capital é o município de Mato Grosso com mais títulos de eleitor cancelados pela não realização da biometria conforme o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), e apenas 378.097 eleitores estão aptos a votar neste pleito em Cuiabá.

Na cidade vizinha, Várzea Grande, 35.617 eleitores não poderão escolher o seu representante neste domingo. Caso as pessoas com títulos cancelados pudessem votar, o número de eleitores teria um aumento de 22%, o suficiente para mudar os rumos do pleito.

Por causa da Pandemia da Covid-19, 53 cidade que estava em fase de implantação da biometria acabou sendo suspenso o processo. Nestas zonas eleitorais quem não realizou a biometria poderá votar.

Os municípios com títulos cancelados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Mato Grosso (TRE/MT):

Cuiabá – 85.432; Várzea Grande – 35.617; Rondonópolis – 11.037; Sinop – 10.382; Primavera do Leste – 3.462; Pontes e Lacerda – 2.604; Poconé – 2.060; Nova Mutum – 1.630; Lucas do Rio Verde – 1.455; Jaciara – 1.411; Rosário Oeste – 1.249; Santo Antônio do Leverger – 1.003; Campo Verde – 964; Nobres – 770; Nossa Senhora do Livramento – 705; Barão de Melgaço – 703; Chapada dos Guimarães – 701; Jangada – 619; Nortelândia – 408; Nova Santa Helena – 404; Cocalinho – 343; Nova Brasilândia – 292; Campos de Júlio – 250; Acorizal – 227; Araguaiana – 225; Torixoréu – 213; Indiavaí – 135; Luciara – 134; Ribeirãozinho – 134; Planalto da Serra – 127; Vale de São Domingos – 126; Serra Nova Dourada – 113; Araguainha – 49; Ponte Branca – 36.

Os municípios contemplados em Mato Grosso foram:

Água Boa, Alta Floresta, Alto Araguaia, Araputanga, Arenápolis, Barra do Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Campo Novo do Parecis, Canarana, Cláudia, Colíder, Diamantino, Guarantã do Norte, Guiratinga, Mirassol D’Oeste, Nova Xavantina, Pedra Preta, Peixoto de Azevedo, Poxoréu, São José do Rio Claro, São José dos Quatro Marcos, Sapezal, Sorriso, Tangará da Serra, Vera, Cotriguaçu, Porto Alegre do Norte, Vila Rica, Alto Garças, Dom Aquino, Alto Taquari, Paranaíta, Tapurah, Matupá, Nova Olímpia, Juscimeira, Itiquira, Santa Rita do Trivelato, Glória do Oeste, Itanhangá, Itaúba, Santa Carmem, Pontal do Araguaia, Lambari D’Oeste, Santo Antonio do Leste, Figueirópolis D’Oeste, Denise, Curvelândia, Tesouro, Ipiranga do Norte, Nova Monte Verde e Alto Boa Vista.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputado propõe emendas de R$ 10 milhões para recuperar Pantanal e prevenir incêndios
Propaganda

Destaques

Covid-19: Gostaram prefeitos de Mato Grosso? Afrouxaram o isolamento agora vem as consequências

Publicados

em

Apesar de configurar na classificação de risco baixo de infecção pelo Coronavírus, conforme mostra o documento a partir da página 12, do Boletim Informativo com o panorama epidemiológico da situação em Mato Grosso.

Apesar de esse status por trinta dias, 2 de novembro, Ribeiraozinho foi a última cidade classificada com risco “moderado“.

Apesar da “média móvel de 7 dias” demonstrar tendência de queda, dos casos de Covid-19.

Apesar de que nunca tenha existido de fato um isolamento da população, o que temíamos aconteceu: os cuidados essenciais para prevenção da Pandemia da Covid-19, foi deixado de lado por uma grande parcela da população.

Os mato-grossenses vivem um clima de “acabou a pandemia”, os registros de aglomerações em eventos sociais e familiares tem sido frequentes, além das atividades comerciais e indústrias.

Os frutos desse comportamento têm refletido diretamente no número de pessoas diagnosticadas com Coronavírus e consequentemente na taxa de ocupação de leitos hospitalares. A situação vem preocupando autoridades, entidades médicas e órgãos de saúde pública.

A população mato-grossense começa a ficar angustiada. É preciso que cada um tenha consciência, entretanto, é de suma importância que seja feita uma Lei ou Decreto. Assim com a consciência de cada um e medidas por parte dos prefeitos, será possível aguardamos o mês de março, quando a população brasileira começará a ser vacinado contra a Covid-19.

PS: só para registrar aí na sua memória, os casos  estão aumentando não é por culpa do Flamengo que foi eliminado da Copa Libertadores da América 2020, mas sim, do relaxamento da população e principalmente dos prefeitos dos municípios do Estado de Mato Grosso que,  por causa das eleições municipais, abriram, liberaram tudo, menos aglomerações em suas casas.

O índice do distanciamento está de 37,2%, segundo levantamento da empresa do Software InLoco.

O número está abaixo do verificado no dia 23 de março (52,4%), quando foram estabelecidas as primeiras medidas restritivas em Cuiabá. Bem inferior ao considerado ideal pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que é 70%.

O distanciamento social é apontado como uma das medidas mais importantes e eficazes para reduzir o avanço da Pandemia da Covid-19, que ainda não acabou.

Nesta semana inclusive um grupo de pesquisadores brasileiros alertou para o que eles identificaram como o começo da segunda onda da Pandemia no país.

De acordo com informações do Jornal Nacional, o estudo traz assinatura de seis especialistas, de cinco universidades e institutos de pesquisas do país.

Dados

Foram notificados 744 novas confirmações de casos de Coronavírus e 10 mortes nas últimas 24 horas. Dos 159.726 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 2.698 estão em isolamento domiciliar e 152.392 estão recuperados.

A taxa de ocupação está em 34,99% para UTIs adulto e em 15% para enfermaria adulto. Em oito meses de Pandemia foram registrados 4.142 óbitos.

Teste em Mato Grosso

Cerca de 500 mil pessoas em Mato Grosso já passaram por algum teste para diagnóstico da Covid-19, desde o início da Pandemia. Os resultados positivos representam 30% dos testados. Os números na Pnad Covid-19, foram divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As mulheres são o público mais frequente com 240 mil testes e os homens com 236 mil exames. As pessoas que receberam resultado positivo para o contágio passou de 119 mil em setembro, para 132 em outubro.

Elas eram até outubro 3,9% da população de Mato Grosso.

Se considerados os dados de julho, o grupo que já adoeceu quase dobrou. No mês de aceleração para o pico havia 79 mil com resultado positivo.

Os casos de Covid-19, em menores de idade tiveram  um aumento na capital entre 22 e 28 de novembro. O Boletim da Prefeitura de Cuiabá aponta um crescimento de 534% nos casos em crianças e 751% em adolescentes. Apesar do aumento da incidência, felizmente, as mortes estão em queda.

Toque de recolher

O Estado de Santa Catarina anunciou toque de recolher para todas as cidades do Estado. A decisão, que vai valer durante a madrugada, foi tomada no final da tarde desta quarta-feira (2), em reunião entre o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) e representantes da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), e no mesmo dia em que 15 das 16 regiões foram classificadas com risco gravíssimo para Coronavírus.

A decisão tem como objetivo frear o avanço da doença ao mesmo tempo em que mantém as atividades econômicas do Estado. 

A velocidade de ação das autoridades é fundamental no combate ao novo coronavírus.

Vacinação? Só em março de 2021.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Várzea Grande define Comissão de Transmissão de Mandato
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA