NO POLO DE VACINAÇÃO UNIC BEIRA RIO

Vacinação para crianças de 5 a 11 anos começa nesta quinta-feira (20)

Publicados

em

Quem não se vacina não coloca apenas a própria saúde em risco, mas também a de seus familiares e outras pessoas com quem tem contato, além de contribuir para aumentar a circulação de doenças. Vacinar-se é a melhor maneira de se proteger de uma variedade de doenças graves e de suas complicações, que podem até levar à morte.

Apesar de estar em debate no Brasil, evidências científicas já apontam a vacinação para crianças como essencial no combate contra a Pandemia de Covid-19. Os cientistas acreditam que para conter essa estagnação é preciso ampliar as faixas etárias elegíveis à vacinação, não só com a imunização das crianças, mas criando também novas estratégias para levar a primeira dose a locais remotos do país.

Os pesquisadores ressaltam que existem imunizantes com comprovada eficácia para crianças e que vacinar as crianças pode ajudar a atenuar o problema.

É essencial obter celeridade no processo de aquisição das vacinas que tenham comprovada segurança para crianças de 5 a 11 anos, para que este grupo fique protegido e permita uma maior cobertura vacinal total no país”, afirma Raphael Guimarações, um dos autores do estudo.

Neta terça-feira (18), o Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) anunciou, por meio de live que crianças com idade entre 5 a 11 anos serão imunizadas a partir do dia 20 de janeiro (quinta-feira), no aniversário de um ano da aplicação da primeira dose de vacina contra o Coronavírus em Cuiabá. Pais ou responsáveis deverão entrar no site www.vacina.cuiaba.mt.gov.br, escolher o grupo no qual a criança se encaixa e preencher os dados com atenção.

Leia Também:  Carlos Siqueira é reeleito presidente nacional do PSB

Do dia 20 ao dia 22, apenas o polo da Unic Beira Rio realizará a vacinação deste público, devido ao baixo quantitativo de doses recebidas. Foram 3.580 doses exclusivas para crianças e, conforme dados do Ministério da Saúde, a estimativa é de 60.659 crianças de 5 a 11 anos que residem na Capital.

Trago aqui uma boa notícia ao nosso povo cuiabano. A partir de quinta-feira, 20, começamos a imunizar os nossos cuiabaninhos e cuiabaninhas. Para acabarmos com esse vírus e esse momento terrível em que o mundo vive, só vacinando para conseguirmos sair dessa e voltarmos à nossa rotina. Peço aos pais ou responsáveis por essas crianças que cadastrem-as para que elas sejam imunizadas. Pelos amor de Deus, pai, mãe, avó ou tia que cuidam das nossas crianças, eu faço um apelo, vacinem as nossas crianças“, pediu o gestor.

Conforme o cronograma do Ministério da Saúde, crianças com morbidades ou com deficiência permanente devem ser os primeiros imunizados, seguidos pelas crianças quilombolas. Posteriormente, aquelas crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19 (por exemplo: lares com pessoas com HIV positivo, pacientes oncológicos, pacientes que realizam hemodiálise rotineiramente e pessoas imunossuprimidas).

Leia Também:  Descumprimento de decisões Judiciais prejudicam Nenel Pinheiro

Só poderão vacinar crianças que tenham até 11 anos completos.

Conforme o prefeito, a partir da próxima semana, mediante a chegada de maior quantitativo de doses, os polos de vacinação Unic Beira Rio (Região Leste), USF Paiaguás (Região Norte), USF Quilombo (Região Oeste), USF do Pedra 90 I e II e ainda USF Parque Cuiabá (Região Sul) aplicarão a vacina nas crianças. Já nas zonas rurais, a USF Guia, o Programa Amor I e Amor II atenderão essas demandas.

Já as crianças acamadas serão atendidas por uma equipe do Consultório na Rua.

A Prefeitura de Cuiabá divulgará o começo de cada faixa etária nos seus canais de comunicação – (site e redes sociais).

Até a última segunda-feira (17), a Prefeitura de Cuiabá aplicou mais de 400 mil primeiras doses para a população acima de 18 anos, o que corresponde a cerca de 90% da cobertura vacinal. Já com a segunda dose ou dose única foram aplicadas mais de 374 mil vacinas, que correspondem a 81,5% da população acima de 18 anos totalmente imunizada. Em relação às doses de reforço e doses adicionais (para imunossuprimidos), foram cerca de 100 mil aplicações, o que corresponde a 14,4% da população adulta.

Mais de 42 mil adolescentes de 12 a 17 anos tomaram a primeira dose, o que corresponde a 70% desse público imunizado. Com a segunda dose foram vacinadas cerca de 4100 adolescentes, ou 31% deste grupo com o esquema vacinal completo.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Mesmo cassado, Bezerra poderá disputar as eleições de 2022

Publicados

em

Em novembro de 2021, o Ministério Público Eleitoral (MPE), pediu a cassação do mandato do deputado federal e presidente estadual do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), em Mato Grosso, Carlos Gomes Bezerra, por supostos gastos ilícitos nas Eleições de 2018.

Conforme denuncia do Ministério Público Eleitoral (MPE), diz que o deputado federal Carlos Bezerra montou um gabinete paralelo ao comitê de campanha, o que o beneficiou na disputa. O argumento está no parecer final, assinado pelo procurador regional eleitoral, Eric Raphael Masson, ao processo que investigava Carlos Gomes Bezerra por crimes eleitorais.

Conforme o procurador, o gabinete foi vinculado ao MDB, partido do qual Bezerra é presidente em Mato Grosso, e o parlamentar teria se valido desse cargo para omitir declaração de gastos.

Masson cita dois casos em que as despesas reais de campanha não teriam sido informadas. O dinheiro considerado com origem em Caixa 2 soma R$ 183,7 mil.

A despesa com material gráfico informada à Justiça Eleitoral foi de R$ 142 mil, porém o gasto real teria ficado em R$ 262 mil. Com combustíveis, foram informados R$ 48 mil. O valor real, contudo, teria ficado R$ 134 mil.

Os valores a mais foram identificados em apuração dos documentos de campanha.

Não se ignora que o investimento, pelo partido, até poderia vir a ser legítimo, se não fosse o fato de que absolutamente nada foi declarado à Justiça Eleitoral! Esse ponto é de suma importância, porque decorrem os contornos de caixa dois”, diz o parecer.

Fora do cargo

Por unanimidade, o deputado federal Carlos Bezerra (MDB), teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT), por crimes eleitorais na campanha de 2018. O MPE afirmou em documento que, apesar da quebra de sigilo bancário não ter sido deferida pela Justiça, as provas colhidas na investigação demonstram que o deputado montou um “gabinete paralelo”.

Nova derrota

Mauro Campbell Marques, ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sua decisão nessa quarta (25), acabou negando medida liminar e manteve a cassação do deputado federal Carlos Bezerra.

O acórdão regional acolheu a tese da Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal (MPF), de que houve omissão contábil do candidato Carlos Bezerra em relação a recursos estimáveis em dinheiro provenientes do Diretório Regional do MDB.

Leia Também:  Visando eleição de 2020, PDT de Várzea Grande elege novo diretório

Apontou ainda, omissões de despesas e receitas de campanha e realização de gastos irregulares pagos com recursos públicos e privados.

No Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Bezerra e o MDB Nacional interpuseram, isoladamente, recursos ordinários contra o acórdão regional. Em seu apelo, o MDB pleiteou a concessão de tutela de urgência para o fim de atribuir efeito suspensivo ao respectivo recurso, considerando a proximidade do Pleito Eleitoral de 2022, contexto no qual o deputado Carlos Bezerra deve ser considerado um potencial candidato do partido.

Contudo, ao negar o pedido e manter a ação, bem como a cassação do mandato, o ministro destacou não vislumbrar, neste momento processual, a probabilidade do direito invocado, já que, segundo o ministro, o recurso ordinário manejado pelo MDB já possui o efeito desejado, sendo certo que “o efeito suspensivo cessa com o julgamento do feito pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Conforme o ministro, o registro da ocorrência no cadastro eleitoral não implica declaração de inelegibilidade nem impede a obtenção da certidão de quitação eleitoral, ou seja, o deputado federal Carlos Bezerra poderá disputar as eleições de 2022, mas na condição de sub judice.

Registro, ainda, que, conforme o art. 16-A da Lei das Eleições, ao candidato é garantido concorrer ao pleito na condição de sub judice, mesmo nos casos em que o pedido de registro de candidatura tiver sido negado”.

Por fim, o ministro enfatizou que o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT) julgou procedente representação fundamentada no art. 30-A da Lei nº 9.504/1997, de modo que, como cediço,uma vez julgada procedente a representação, a única sanção aplicável é a negativa ou a cassação do diploma”.

Portanto, sendo certo que, no caso, não houve, e nem poderia haver a imposição da sanção de inelegibilidade, não prospera a afirmação do MDB de que “[…] a imposição imediata da sanção de inelegibilidade revela-se uma restrição desproporcional ao direito fundamental do candidato concorrer nas eleições que se avizinham […]” (ID 157500469), haja vista que não condiz com a realidade jurídica extraída do acórdão regional”, ressaltou. – (Com VG Noticias)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA