Política

Um acordo dos “sonhos” que pode virar “pesadelo”

Publicados

em

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) definiu no seu encontro estadual, o nome do vice-governador Otaviano Olavo Pivetta ao Senado da Republica nesta eleição suplementar de 26 abril, para ocupar a vaga de Selma Rosane santos Arruda do partido Podemos, cassada pelo Tribunal regional Eleitoral do Estado de Mato Grosso (TER/MT), e referendado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Otaviano Pivetta definiu que buscará ser o parlamentar guiado pelo sentimento popular.

Temos que tirar o Brasil do lombo do cidadão”.

O pedetista se referiu a respeito da receita do setor público e o custo dos políticos e acrescentou que os brasileiros estão cansados das injustiças e desigualdades sociais.

Hoje, o Partido Democrático Trabalhista (PDT) conta com 6 prefeitos nas administrações no Estado; em Nova Mutum, Adriano Pivetta; Diamantino, Eduardo Capistrano; Rubens Roberto Rosa, Nova Canaã do Norte; Nelson Paim, Poxoréu; Daniel do Lago, Porto Alegre do Norte e Euclésio Ferretto, Santa Terezinha, além de 81 vereadores.

É nítido e notório, que a formação do grupo para apoiar a candidatura do vice-governador, Otaviano Pivetta ganha musculatura a todo instante, já que as projeções são referentes às disputas de três pleitos, a do Senado da República, Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), e logo seguida, as eleições municipais para prefeitos e vereadores.

Quem pode mais, chora menos

É uma no atípico, com eleições diferenciadas, com composições que vão fazer toda diferença entre a vitória e derrota, já que o grupo que se sagrar vencedor nesta primeira etapa, poderá comandar ou no mínimo influenciar as outras duas eleições.

Hoje, a maioria dos partidos já está no grupo que apoia a candidatura do pedetista Otaviano Pivetta, as barganhas não resultam única e exclusivamente em apoio a eleição do Senado, já que lá vai beneficiar apenas uma pessoa, o jogo é pesado na questão das estruturações das costuras para eleger o Presidente, Vice e Primeiro Secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Segundo informações de bastidores, a grande “cereja do bolo” ficou por conta da Prefeitura de Cuiabá, vaga que está sendo tão cobiçada, quanto a presidência da Casa de Leis.

O grupo de Pivetta já mostrou astúcia no quesito manobra política, porém com as lideranças, mas nem tudo são flores, já que o candidato pedetista é conhecido no mundo dos reles mortais, como aquele que não tem empatia popular.

Pivetta é visto como um milionário, um dos maiores produtores do agronegócio, que já tem poder financeiro e político como vice-governador, não é uma pessoa popular com ações populistas, já que a sua vida é empresarial, isso o distância do cotidiano das necessidades povo“.

Seria utopia não acreditar no poder, que o poder de Pivetta exercer nos menos afortunados, que precisam de estrutura para montar seus grupos para enfrentar uma eleição.

Até então, os supostos acordos estão sendo realizados com as lideranças políticas, que diz representar uma massa popular, porém o voto desta massa é secreto, o que pode surgir surpresas, já que nem tudo nesta vida está a venda.

Um dos grandes apoiadores do momento ao candidato do PDT, Otaviano Pivetta, e o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) que decidiu que apoiará a candidatura do vice-governador na eleição suplementar ao Senado.

Rachado” ou “Trincado

Apesar da definição, ao que parece a sigla deve caminhar rachada, já que alguns membros do partido pediram uma espécie de carta branca para caminhar com outros candidatos.

O presidente da sigla em Mato Grosso, o cacique Carlos Gomes Bezerra, já avisou que não existe nenhum tipo de liberação de correligionário do MDB para apoiar outro candidato na eleição suplementar.

A “DURA” resposta foi para o Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, e também para o deputado federal, Juarez Costa que querem apoiar outros nomes nesta eleição suplementar.

Não existe liberação nenhuma no momento, a nossa posição é de apoiar Otaviano Pivetta, mas nos podemos analisar caso a caso somente depois, mas esse negócio deles apoiarem outros candidatos é apenas hipótese”. Afirmou o cacique do MDB, Carlos Bezerra.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Pesquisa IBOPE aponta vitória de Abílio no segundo turno

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Política

115,5 mil eleitores estão impedidos de votar no 2º turno

Publicados

em

A Justiça Eleitoral de Mato Grosso reforça que os eleitores de Cuiabá que não cadastraram a biometria estão impedidos de votar neste segundo turno das eleições, que ocorrerá no dia 29 de novembro.

Pelo levantamento do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), na capital 85,4 mil eleitores estão com os títulos cancelados devido à ausência a revisão com coleta biométrica. Ao todo, somando eleitores que tiveram seus títulos cancelados por ausência às urnas em três pleitos consecutivos, decisões judiciais de perdas de direitos políticos, além de falecimentos recentes, são 115 mil eleitores impedidos de participar da Eleição.

O eleitor em situação regular, mesmo não tendo comparecido ao primeiro turno, poderá votar no domingo (29). A exemplo do registrado no dia 15 de novembro, 378 mil eleitores estão aptos a votar na capital.

O principal motivo do cancelamento, o cadastramento biométrico dos eleitores de Cuiabá, começou a ser realizado em agosto de 2015.

A Justiça Eleitoral ofertou todos os meios possíveis para a população efetuar o cadastro biométrico. Foram montados guichês de atendimento em órgãos públicos, na Assembleia Legislativa, nos shoppings da capital, ações itinerantes, além do atendimento diferenciado na Casa da Democracia. Fizemos atendimento por agendamento para evitar filas, tivemos situações com fila também, enfim, foram quatro anos para que o eleitor se cadastrasse biometricamente. Só após esse período é que se realizou o cancelamento, destacou o diretor geral do TRE/MT, Mauro Diogo.

Para ele, a grande maioria dos eleitores já sabe se pode ou não votar, se está ou não em situação regular, porém, a orientação é sempre instalar o aplicativo e-Título no smartphone para ter acesso às informações e serviços importantes da Justiça Eleitoral.

Foi uma ferramenta muito útil aos eleitores, mesmo com momentos de lentidão devido ao grande número de acessos. Neste segundo turno a quantidade de pessoas buscando informações será muito menor”.

Além do aplicativo, o eleitor pode verificar a situação eleitoral pelo telefone via 0800-647-8191, ou acessar o site do TRE-MT (www.tre-mt.jus.br).

Comparecimento

A taxa de abstenção no primeiro turno foi de 22,01%, número considerado próximo ao registrado nas últimas eleições: Em 2018 a abstenção foi de 19.09%, em 2016 foi de 19.91% e em 2014 foi de 18,13%. No último domingo 15, 294.861 eleitores de Cuiabá compareceram às urnas.

Mesários

Para realizar a eleição neste segundo turno, foram convocados 4,15 mil mesários, sendo 64% deles do sexo feminino. Quanto a faixa etária, aproximadamente 63% tem entre 21 e 49 anos. A grande maioria são solteiros ou divorciados, 65,8%, sendo que 50% possui nível superior de escolaridade.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  115,5 mil eleitores estão impedidos de votar no 2º turno
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA