ELEIÇÃO 2020 EM MATO GROSSO

PSB terá candidatos a vereador em 89 municípios e 39 à prefeito

Publicados

em

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) se apresenta para as eleições municipais de 2020, com 39 candidatos à prefeito, 34 à vice-prefeitos e candidatos a Câmara Municipal em 100 municípios.

Entretanto é bom ressaltar que os candidatos só estarão 100% confirmado, após o pedido de registro na Justiça Eleitoral, que pode ser feito até o dia 26 de setembro.

A Emenda Constitucional (EC) nº 107/2020, promulgada pelo Congresso Nacional no dia 2 de julho, adiou o primeiro e o segundo turno das Eleições Municipais deste ano, respectivamente, para os dias 15 e 29 de novembro, em razão da “Pandemia” provocada pelo novo Coronavírus.

Com a prorrogação do pleito, também foram fixadas novas datas para outras fases do processo eleitoral de 2020, entre elas a de registro dos candidatos escolhidos em convenções partidárias. O prazo final para a apresentação do pedido de registro de candidatura na Justiça Eleitoral, inicialmente definido para 15 de agosto, passou para o dia 26 de setembro.

Para ser candidato, a Constituição Federal exige do cidadão a nacionalidade brasileira, o pleno exercício dos direitos políticos, o alistamento eleitoral, o domicílio eleitoral na respectiva circunscrição, a filiação partidária, portanto, as candidaturas avulsas estão proibidas e a idade mínima fixada para o cargo eletivo almejado.

Até lá alguns arranjos, ainda podem mudar. Até o mesmo os partidos que decidiram lançar candidatura própria a prefeito podem desistir para fazer coligações, com outras chapas. Algumas legendas que não terão nome ao Executivo e ainda não definiram qual candidato a prefeito, vão apoiar, também vão bater o martelo até o dia 26.

Uma demonstração de como as costuras estão sujeitas a alterações até o último minuto, é que, neste final de semana, o PSB, foi procurada por quatro partidos, com objetivo de apoiar candidatura da sigla.

O PSB neste pleito eleitoral, surge na política mato-grossense, como uma excelente opção para os políticos sérios e para o cidadão do bem, disse o presidente do regional da sigla em Mato Grosso, Max Joel Russi.

O PSB deve eleger cerca de 230 vereadores no estado e bom número de prefeitos.

Vamos mostrar o potencial da legenda. Temos 72 anos de história, sem comprometimento em escândalos e crises políticos, muito pelo contrário, temos uma trajetória de luta pela consolidação da democracia“, alfinetou Max Russi.

Segundo o presidente da sigla, deputado estadual Max Russi, estes números de candidaturas é reflexo do trabalho desenvolvido nos últimos anos.

Nós percorremos todo o Estado e conseguimos, construir um time forte, com nomes importantes em diversos segmentos. Com certeza teremos um PSB, muito mais fortalecido e representativo após as eleições“, pontuou Max Russi.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Prestações de contas parciais de partidos e candidatos estão disponíveis no site divulgacandcontas 
Propaganda

Política

Caramuru a Emanuel serão investigados pela DEFAZ e GAECO

Publicados

em

Já fiz o que tinha que fazer, fiz a denúncia. Li que a delegada disse que as prisões não tem nada a ver com a denúncia. Depois li que a denúncia que fizemos está merecendo toda uma investigação. São duas correntes de investigação. Não sei o que virá disso”.

Foi o que disse o deputado estadual do PSDB, Wilson Pereira dos Santos sobre uma verdadeira “farra” na política de concessão de Incentivos Fiscais do Estado de Mato Grosso.

Na época, o parlamentar estadual tucano lembrou que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal, realizada pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), apontou desvios milionários aos cofres públicos nos últimos anos.

A questão Caramuru é um pingo d’água num oceano de corrupção na política de incentivos fiscais do Estado”.

O relatório da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal diz que, no período de 2011 a 2014, houve um desvio de R$ 1,7 bilhão da política de incentivos em Mato Grosso. Foi uma farra. Todo mundo deitou e rolou, tirou pedaço da viúva. Caramuru é apenas um caso, teria afirmado o parlamentar estadual do PSDB, Wilson Santos.

O tucano lembrou que a denúncia feita por ele durante a campanha eleitoral para Prefeito de Cuiabá na época, dando conta de um esquema de corrupção envolvendo a empresa Caramuru.

À época, o tucano também divulgou uma gravação de áudio em que Bárbara Pinheiro, cunhada de Emanuel Pinheiro (MDB), admitiria que recebeu dinheiro para ajudar a Caramuru a obter os Incentivos Fiscais.

A Delegacia Fazendária (Defaz), após quatro anos pediu apoio ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) para dar continuidade às investigações acerca do suposto esquema de cobrança de propina envolvendo o hoje Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB). No último mês, enviou a investigação que foi iniciada em outubro de 2016 ao órgão.

Após provocação do Ministério Público, o inquérito relativo à demanda apresentada foi instaurado em 24 de outubro de 2016 pela Delegacia Fazendária. Em setembro deste ano, a Delegacia Fazendária solicitou o apoio do Gaeco e encaminhou o inquérito ao grupo para continuidade das investigações”, informou o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT).

O Ministério Público também pontua que não é possível passar detalhes sobre o andamento da investigação, pois a mesma está sob sigilo.

Conforme a denúncia de Wilson Santos, o pagamento dos valores teria sido feito por meio das empresas do irmão de Emanuel Pinheiro, Marco Polo Pinheiro, o Popó, da esposa dele, Bárbara Noronha Pinheiro, e da irmã de Bárbara, Fabiola Noronha.

O parlamentar tucano disse que o pedido de enquadramento da Caramuru no Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic), para obter o inventivo fiscal, só teve andamento após Emanuel Pinheiro intervir junto à secretaria de Indústria e Comércio, à época comandada por Allan Zanatta, que estaria no cargo por indicação de Emanuel.

Allan Zanatta foi alvo da Operação Sodoma, que investigou esquema de fraude na concessão de incentivos fiscais em troca de propina. Ele negou participação.

Ainda de acordo com a denúncia do deputado, após o requerimento ser deferido, as empresas do irmão e cunhada de Emanuel teriam emitido R$ 4 milhões em notas em favor da Caramuru, como forma de “lavar” a propina.

Wilson Santos apresentou uma gravação contra Popó e sua esposa como elementos de prova para robustecer a denúncia. De acordo com o parlamentar, eles estariam desesperados e com medo de que o caso atingisse Emanuel.

Os pagamentos teriam sido feitos em 2014, durante a gestão do então governador Silval da Cunha Barbosa, conforme o processo da Caramuru ia caminhando dentro do governo.

À época em que o caso foi denunciado, Emanuel Pinheiro emitiu nota afirmando que nunca teve qualquer negócio ou relação empresarial com as empresas do irmão, da cunhada e da irmã dela, e que cabia a eles prestar explicações sobre os honorários recebidos da empresa Caramuru. Emanuel defendeu a apuração dos fatos, mas classificou a denúncia como “factóide”. (Com Leiagora)

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Pelo poder vale tudo, até colocar em dúvida a inteligência de uma população
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA