MUDAR PARA SOBREVIVER

Pensando na sobrevivência política, Euclides muda de partido

Publicados

em

O jeito de fazer campanha política mudou nas eleições municipais de 2020 e nas estaduais e para presidente em 2022 também não será diferente. O desempenho de alguns candidatos no atual pleito mostra que posicionamentos quase diários e manifestações nas redes sociais a longo prazo asseguraram maior consolidação em relação a postulantes que apostaram em candidaturas a curto prazo no modelo tradicional.

Para especialistas em marketing político, não restam dúvidas de que somente nome, experiência na política, minutos de televisão no horário eleitoral gratuito e até mesmo estrutura partidária não bastam mais.

A aposta nas redes sociais para se expor e dialogar com os eleitores ao longo dos últimos quatro anos permeou os diferentes espectros políticos.

O maior expoente do novo jeito de construir uma candidatura é o presidenciável Jair Messias Bolsonaro (sem partido). Com retórica conservadora mesclada a discursos antipetistas, aglutinou em torno de si a promessa de soluções para diferentes insatisfações da sociedade. Nos últimos anos, usou as redes sociais como canais para dialogar com os eleitores e, assim, consolidar uma campanha orgânica. Ou seja, colocar as pessoas para fazerem o; boca a boca; por ele.

Os candidatos nas próximas eleições devem entender, no entanto, que não basta estar nas redes sociais. Mais do que se posicionar diuturnamente, o candidato deverá ser enfático e não fugir de temas polêmicos.

Nestes últimos dias, quem vem usando muito de estratégia política e de Marketing é o atual presidente do Avante e ex-candidato ao Senado da Republica nas ultimas eleições, Euclides Ribeiro, que na última eleição teve mais de 58 mil votos em todo o Mato Grosso.

Hoje sem partido definido e sem rumo político no momento, o vice-governador Otaviano Olavo Pivetta, recebeu Euclides Ribeiro para discutir sobre sua possível candidatura para deputado federal.

Pivetta e Euclides falaram de propostas para Mato Grosso e de como o cenário pode mudar conforme as alianças vão sendo construídas, e claro de um possível apoio do vice-governador ao caminho de Ribeiro à Câmara Federal.

Sai bastante animado da conversa, tenho muita afinidade com as ideias do Pivetta, gosto do seu estilo de fazer política que sempre deixa um legado, um aprendizado”, disse Euclides.

Mas a noticia é de que o advogado Euclides Ribeiro esta mesmo de malas prontas para mudar de sigla partidária. Até então, todos pensavam que ele iria para o PSB, a convite do deputado estadual e presidente da sigla em Mato Grosso, Max Joel Russi, mas as últimas informações é que ele irá se filiar no MDB, sob as bênçãos do ex-presidente da República, Michel Temer.

Em meio a encontros e conversas sobre o cenário para as Eleições de 2022, o presidente do Avante e ex-candidato ao Senado, Euclides Ribeiro, foi surpreendido positivamente ao ser convidado pelo presidente do MDB em Mato Grosso, Carlos Gomes Bezerra a se filiar à sigla para a disputa do próximo pleito eleitoral.

Fico honrado por receber o convite do Bezerra, mas precisamos ter cautela, ainda estamos no início de uma nova caminhada, será preciso estudar bem a formação dos grupos da próxima eleição”, pontua Euclides.

Euclides Ribeiro fez sua estreia na política na eleição suplementar ao Senado realizada em 2020. Agora tenta viabilizar uma possível nova disputa à Câmara Federal. Com a possível vinda de Euclides Ribeiro, o MDB de Mato Grosso projeta eleger três deputados federais e até 5 deputados estaduais.

Fontes nos confirmam, que a filiação no MDB, se dá ao fato do partido estar buscando espaço nas candidaturas majoritárias.

O AVANTE não tem base nos municípios, é um partido morto em Mato Grosso, e isso impede a permanência do advogado na sigla. – (Com informações MT Alerta)

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Janaína critica Taques e diz: Cadê as ambulâncias?
Propaganda

Política

Bezerra pressiona Mendes publicamente para emplacar aliado

Publicados

em

Uma possível sinalização do MDB, comandada pelo cacique Carlos Gomes Bezerra para o palanque eleitoral de 2022 do governador do Partido Democrata (DEM), Mauro Mendes Ferreira tem apoio de outros membros da cúpula regional, inclusive de toda bancada na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), que é composta pelos deputados Romoaldo Júnior, Thiago Silva, João José e Janaína Greyce Riva parece que está balançando, sem uma estrutura firma e está prestes a cair.

Mesmo não demonstrando a mínima preocupação com o que pensa o prefeito cuiabano Nenel Emanuel. Embora recorram ao discurso de que é preciso construir a unidade interna e ponderem que o Democrata do Executivo Estadual não se decidiu ainda sobre o projeto de reeleição, o bloco majoritário e bezerrista já está com aliança fechada com o Paiaguás para 2022.

Bom…,será mesmo que já está fechado?

Recentemente, o cacique do MDB, Carlos Bezerra, considerado um experiente nas negociações eleitorais, deixou claro que a sigla partidária é fiel ao governo de Mauro Mendes, e vem valorizando o “passe” do MDB, de olho no palanque de 2022. Dizem que o Palácio Paiaguás já entendeu o recado de Bezerra, já que o MDB continua cobrando mais espaço no governo estadual.

Bom…, o clima parece tenso, nuvens escuras rondam o Palácio Paiaguas todas as vezes em que o cacique do MDB, Carlos Gomes Bezerra, e o governador Mauro Mendes se encontram.

Carlos Bezerra, voltou a ameaçar rompimento da sigla com o governador Mauro Mendes (MDB). A motivação seria, mais uma vez, a tentativa de ganhar mais espaço para a legenda na administração estadual.

Hoje, durante evento do Governo do Estado na Arena Pantanal, o clima ficou tenso entre Mauro Mendes e Carlos Bezerra, o motivo foi o mesmo de outros encontros, cargos no Governo do Estado.

O líder do MDB chegou de fazer duras ameaças ao líder do Executivo Estadual, e o desentendimento ganhou ares de bate-boca em pleno evento de entrega de maquinários para obras de infraestrutura no interior do Estado, organizado pela Secretaria de Infraestrutura.

Bezerra cobrou de Mauro Mendes a nomeação dos indicados pelo MDB para uma vaga do governo no município de Confresa, cidade localizada cerca de 1.173 Km da Capital Cuiabá. Diante da negativa, o cacique emedebista ameaçou tirar o MDB da base do governo.

Carlos Bezerra: O seu chefe da Casa Civil me deu a palavra.

Mauro Mendes: Por causa de um carguinho lá em Confresa você quer romper com a gente? Para, Bezerra; você já foi governador”.

Este tipo de discussão tem se tornado cada vez mais comum. Semana passada, Bezerra deixou o Paiaguás sem conseguir negociar mais espaço. Na ocasião, disse não ter sido recebido pelo governador.

Isso não é verdade. Toda vez que ele esteve no governo foi recebido”.

Questionado ao final do evento se estaria na iminência de romper com o MDB por conta de atritos políticos, o governador Mauro Mendes minimizou.

Não é briga, não. Isso é normal, faz parte. Ele nunca deixou de ser atendido. Não vamos ficar com rame-rame”.

O partido comanda, desde o início do mandato de Mauro Mendes (2018), a Secretaria de Agricultura Familiar, com o ex-deputado Silvano Amaral.

Em 2020, brigas internas levaram o próprio Carlos Bezerra a sugerir a saída do ex-parlamentar da pasta. Ele queria Thiago Silva, atual deputado estadual. A mudança abriria vaga para o ex-deputado estadual Romoaldo Júnior, atualmente suplente de deputado na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), dando mais força para o MDB, já que manteria uma vaga parlamentar e uma secretaria de governo. Silvano Amaral não disputou às últimas eleições, portanto, não poderia voltar ao parlamento.

A briga de hoje mostra mais uma vez a desorganização do MDB que, para piorar, continua sem comando na Capital desde a destituição, pelo próprio Bezerra, do advogado Francisco Faiad. O político foi o grande articulador da campanha vitoriosa do Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, à reeleição em 2020. Sabe-se que boa parte do MBD quer ver Emanuel Pinheiro pelas costas, exatamente o grupo de Bezerra que apoia Mauro Mendes, o inimigo político número 1 de Pinheiro.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Wilson diz que deputados não fazem defesa do Estado de MT
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA