Política

“Nossa preocupação é com a população mato-grossense, não com A, B ou C”

Publicados

em

Escalado pelo Governo do Estado para dar maiores esclarecimentos sobre o documento enviado pelo governador Mauro Mendes (DEM), para o Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Mato Grosso (TRE/MT), e posteriormente para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ficou na responsabilidade de Mauro Carvalho, secretario Chefe da Casa Civil, e caiu como uma bomba no dia de ontem no Palácio Paiaguas.

Mauro Carvalho negou que esteja havendo interferência do Governo do Estado no pedido administrativo que foi encaminhado junto ao Tribunal Regional Eleitoral para que seja feito o adiamento da eleição suplementar ao Senado, marcada para acontecer no dia 26 de abril no processo eleitoral.

Na defesa do Governo do Estado, Carvalho explicou que os custos para a realização do pleito são elevados e que seria mais sensato unir as eleições suplementar e proporcional em outubro.

O Governo do Estado encaminhou ao Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT) um pedido administrativo para o adiamento da eleição suplementar, marcada para 26 de abril, o que também é um anseio da população. O pedido foi feito nesta quarta-feira (04) sob o princípio da economicidade.

Somente para a eleição suplementar, o Tribunal regional Eleitoral (TRE) prevê gastos no montante de R$ 8 milhões. Além disso, o Estado deverá arcar com despesas para garantir a segurança pública no dia do pleito eleitoral e com a manutenção das escolas estaduais, utilizadas como locais de votação.

Teremos eleições municipais em outubro e seria muito mais sensato, inclusive financeiramente, aproveitar essa mobilização e realizar a escolha tanto para vereadores e prefeitos, como para senador. A decisão cabe, logicamente, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas o Governo argumentou que o pleito custa caro e esses recursos poderiam ser utilizados em investimentos para outras áreas, como Saúde e Educação”.

Ainda conforme o secretario Chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, o Governo do Estado também terá seu custo, suas despesas nessa campanha como segurança dos eleitores que é de responsabilidade da nossa administração, diárias dos policiais que estarão trabalhando nesse dia, algumas repartições publicas tanto do Estado como do Município terão que ser fechadas para a realização da eleição suplementar, e toda essa logística e responsabilidade fica por conta do Estado.

O Estado também argumentou que submeter a população a novo pleito eleitoral sem data para que o escolhido assuma o cargo acaba por violar a própria soberania dos detentores originais do poder, o povo, uma vez que a Senadora cassada do Podemos, Selma Arruda permanece no cargo. Dessa forma, não seria lógico a realização de uma eleição para a escolha de um cargo ao Senador que ainda permanece ocupado.

O Governo entende não se justificar uma eleição neste momento, uma vez que o cargo não está vago e não há previsão em curto prazo para esta vacância. Apesar da Justiça Eleitoral determinar a cassação da Senadora Selma Arruda, ela permanece no exercício de suas funções e não há data prevista para deixa-las”, explicou o chefe da Casa Civil.

Por último, o Governo apontou ainda existir a proliferação do novo Coronavírus, que no Brasil já alcançou mais de 400 casos suspeitos da doença. Evitar locais com grandes fluxos de pessoas é uma das determinações das autoridades de saúde para a prevenção à proliferação do vírus.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Eleições Municipais 2020 são adiadas para novembro

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Política

Bezerra garante que Pinheiro será o candidato do MDB

Publicados

em

Ainda é cedo para pensar nas eleições, você deve imaginar enquanto está mais preocupado em fugir para a praia mais próxima. Pois, para partidos e lideranças políticas, este já é o momento de começar a pensar nas estratégias para a disputa das Prefeituras e Câmaras de Vereadores, marcada para o fim do ano.

A Emenda Constitucional 97/2017 acabou com as coligações partidárias a partir das eleições de 2020.

Se na Eleição de 2020 os votos válidos forem próximos aos números apresentados na eleição de 2016, o quociente eleitoral ficará alto demais para muitos vereadores, em virtude do aumento do número de vagas, ou seja, para que um partido eleja um candidato, ele terá que obter no mínimo o dobro de votos da eleição passada.

Com essa nova situação apresentada para as Eleições de 2020, nos últimos dias surge uma correria por parte dos vereadores, na busca de um partido que venha a lhe dar sobrevivência política, e com a abertura da “Janela Partidária” que permitiu a mudança de partido e, desse modo, esse quadro ainda poderá sofrer algumas alterações.

Em Cuiabá, esta acontecendo um verdadeiro corre-corre de vereadores e apoiadores após a declaração do emedebista Emanuel Pinheiro, Prefeito de Cuiabá, dizendo que no momento esta preocupado com aPandemia do Coronavírus, e não tem intenção de colocar seu nome novamente para a aprovação popular, e que poderia apoiar o nome do presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (Al/MT), deputado estadual José Eduardo Botelho do Partido Democrata (DEM), nas eleições municipais em Cuiabá.

Alguns aliados já começaram apegar o seu banquinho e sair bem de mansinho, caso o prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro não venha concorrer à reeleição.

O posicionamento de Emanuel Pinheiro fez acender um alerta dentro da sigla partidaria, e com isso esta sendo agendado para os próximos dias uma reunião de todos os emedebistas para discutir o assunto não reeleição de Emanuel Pinheiro.

Liderado pelo deputado federal Carlos Gomes Bezerra, o MDB se prepara para ter candidatos próprios nas principais cidades do Estado, inclusive a capital. Segundo o cacique emedebista, em Cuiabá o partido deverá lançar um nome para a disputa local e o nome é de Emanuel Pinheiro.

O cacique e presidente estadual da legenda no Estado de Mato Grosso, o deputado federal Carlos Gomes Bezerra comunicou a todos a respeito da agenda e afirmou que Emanuel Pinheiro será o nome do MDB nas próximas eleições.

O Emanuel Pinheiro será candidato e pronto. Isso já está decidido. Só que ele não pode anunciar agora porque tem que cuidar da “Pandemia””.

O presidente estadual do MDB Carlos Bezerra afirmou que as conversas eleitorais ficaram paralisadas por conta da Pandemia da Covid-19. Mas que, com a definição do adiamento das eleições para o dia 15 de novembro, o partido começará a se preparar para a disputa no Estado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Rodízio de veículos, atendimento por CPF esta suspenso; Pinheiro apresenta nesta segunda-feira (6) projeto de barreiras sanitárias
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA