CARNAVAL x ÔMICRON x COVID-19 x CORONAVÍRUS

MT vive “Tsunami” de Covid, com impactos nos hospitais; enquanto isso em Chapada dos Guimarães…

Publicados

em

Uma frase de Nelson Rodrigues faz tanto sentido para este momento que estamos vivenciando.

Os idiotas vão tomar conta do mundo, não pela capacidade, mas pela quantidade. Eles são muitos“.

Domingão vamos de Ômicron.

A variante Ômicron veio justamente para nos dar um certo “tapa na cara” e mostrar o que acontece quando não existe uma igualdade vacinal.

Neste momento, estamos sujeitos ao surgimento de novas versões do Coronavírus, mostra a necessidade de doses de reforços dos imunizantes contra a Covid-19 de tempos em tempos, a exemplo do que já ocorre a vacinação contra a gripe.

As projeções da variante Ômicron, mas pessimistas mostrou verdadeira. A variante da Covid-19 de fato se espalhou rapidamente por vários municípios de Mato Grosso.

Por outro lado, alguns estudos mostram que a Ômicron parece ser menos agressiva, especialmente entre as pessoas que já foram vacinados.

As pessoas precisam estar cientes que haverá necessidade de faltar ao trabalho, de evitar determinados eventos sociais, as viagens poderão ser prejudicadas e teremos seguramente um grande número de infecções como tem sido denotado para a variante Ômicron, uma porcentagem das pessoas ainda continua internando.

Atingindo, principalmente, indivíduos não vacinados ou vacinados apenas com primeira dose ou com esquema vacinal incompleto ou feito há mais tempo.

Apesar de alguns gestores não está nem aí para a população, já que tem dinheiro para arrumar um jatinho e leva-lo para o Sírio Libanês, a conta chegou e após o dia 23 de janeiro, teremos a dimensão do estrago que ocorreu e que acontecerá. A única coisa que sabemos agora é que os casos cresceram de forma exponencial. A notícia boa vem da África do Sul, que, depois de quase seis semanas, começou a ver os casos diminuírem.

Leia Também:  E aí vai usar a prefeitura como “trampolim” político para o Governo em 2022?

Organização Mundial de Saúde

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou o mundo para um “Tsunami” de casos de Covid-19, por conta circulação simultânea das variantes Delta e Ômicron do novo Coronavírus.

Delta e Ômicron são ameaças gêmeas que estão elevando os casos e números recordes, o que, mais uma vez, causa picos nas hospitalizações e mortes“, afirmou o diretor geral da OMS, Tedras Adhanom Ghebreyessus.

O Diretor Geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), chamou a situação “Tsunami de Casos”.

Prefeito de Chapada tá de brincadeira

Com um aumento de 340% no número de casos de Covid-19 após o período das festas de Réveillon em Chapada dos Guimarães (65 km de Cuiabá), o prefeito Osmar Froner (MDB) reavalia a realização do Carnaval de 2022. As críticas foram inúmeras contra o administrador municipal. O município nas últimas semanas, registrou uma média de 5 casos da doença. Após as festividades, o número subiu para 22 casos, foi o que mostrou o Boletim Epidemiológico da Covid divulgado pelo município no último dia 29.

O prefeito Osmar Froner garantiu que o assunto Carnaval 2022 em Chapada dos Guimarães ainda não entrou em discussão e afirmou que a Prefeitura local deve analisar a situação e tomar uma decisão até o dia 20 de janeiro, e que o evento movimentou mais de R$ 12 milhões na cidade, e a Prefeitura de Chapada investiu cerca de R$ 500 mil para a realização do evento, que reuniu cerca de 30 mil pessoas. .

Em nenhum momento nós levamos a discussão o Carnaval, porque tínhamos indicadores suficientes para fazer o evento de final de ano. Agora estamos avaliando e até o dia 20 de janeiro estaremos analisando o que acontecendo na cidade e o que está acontecendo em Cuiabá para que a gente tome uma decisão. Também estamos em contato com alguns empresários, donos de bares e restaurantes, para analisarmos caso o nosso índice saia de baixo risco para médio ou alto risco, quais as medidas teremos que tomar”.

Ainda vai analisar? Meu Deus. Isso não pode ser verdade, o nobre Prefeito da Cidade de Chapada dos Guimarães, Osmar Froner (MDB), ainda não descartou a realização de eventos públicos durante o Carnaval. Quer mais? O prefeito que para adotar medidas restritivas vai pedir autorização dos empresários estamos em contato com alguns empresariais para a gente analisar quais as medidas teremos que tomar…, disse Osmar.

Leia Também:  César diz que cenas recebendo dinheiro são “terríveis”, mas insiste que não se trata de propina. Só não explica o que é

Quem é o Prefeito da Cidade de Chapada dos Guimarães? São os empresários locais? Isso eu não sabia.

Bom…, seguindo. No ano passado, 10 municípios mato-grossenses cancelaram as festas de fim de ano e as festividades do Carnaval de 2022. O governador Mauro Mendes Ferreira (DEM) jogou a responsabilidade sobre os administradores municipais dizendo que cada município deveria decidir por conta própria suspender ou não as festas de fim de ano, em razão da nova variante Ômicron.

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, também chegou de enviar um comunicado aos prefeitos recomendando que não realizem eventos que provoquem aglomeração, principalmente nas festividades de fim de ano e no Carnaval de 2022, tendo em vista a chegada de variante do Coronavírus no país.

Bom…, Depois dessa vou para casa! É o fim da picada. Fiquem com o editor do Blog do Valdemir.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Mesmo cassado, Bezerra poderá disputar as eleições de 2022

Publicados

em

Em novembro de 2021, o Ministério Público Eleitoral (MPE), pediu a cassação do mandato do deputado federal e presidente estadual do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), em Mato Grosso, Carlos Gomes Bezerra, por supostos gastos ilícitos nas Eleições de 2018.

Conforme denuncia do Ministério Público Eleitoral (MPE), diz que o deputado federal Carlos Bezerra montou um gabinete paralelo ao comitê de campanha, o que o beneficiou na disputa. O argumento está no parecer final, assinado pelo procurador regional eleitoral, Eric Raphael Masson, ao processo que investigava Carlos Gomes Bezerra por crimes eleitorais.

Conforme o procurador, o gabinete foi vinculado ao MDB, partido do qual Bezerra é presidente em Mato Grosso, e o parlamentar teria se valido desse cargo para omitir declaração de gastos.

Masson cita dois casos em que as despesas reais de campanha não teriam sido informadas. O dinheiro considerado com origem em Caixa 2 soma R$ 183,7 mil.

A despesa com material gráfico informada à Justiça Eleitoral foi de R$ 142 mil, porém o gasto real teria ficado em R$ 262 mil. Com combustíveis, foram informados R$ 48 mil. O valor real, contudo, teria ficado R$ 134 mil.

Os valores a mais foram identificados em apuração dos documentos de campanha.

Não se ignora que o investimento, pelo partido, até poderia vir a ser legítimo, se não fosse o fato de que absolutamente nada foi declarado à Justiça Eleitoral! Esse ponto é de suma importância, porque decorrem os contornos de caixa dois”, diz o parecer.

Fora do cargo

Por unanimidade, o deputado federal Carlos Bezerra (MDB), teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT), por crimes eleitorais na campanha de 2018. O MPE afirmou em documento que, apesar da quebra de sigilo bancário não ter sido deferida pela Justiça, as provas colhidas na investigação demonstram que o deputado montou um “gabinete paralelo”.

Nova derrota

Mauro Campbell Marques, ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sua decisão nessa quarta (25), acabou negando medida liminar e manteve a cassação do deputado federal Carlos Bezerra.

O acórdão regional acolheu a tese da Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal (MPF), de que houve omissão contábil do candidato Carlos Bezerra em relação a recursos estimáveis em dinheiro provenientes do Diretório Regional do MDB.

Leia Também:  Jota de Sá deixa o comando do PROS, e busca novos caminhos em Várzea Grande

Apontou ainda, omissões de despesas e receitas de campanha e realização de gastos irregulares pagos com recursos públicos e privados.

No Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Carlos Bezerra e o MDB Nacional interpuseram, isoladamente, recursos ordinários contra o acórdão regional. Em seu apelo, o MDB pleiteou a concessão de tutela de urgência para o fim de atribuir efeito suspensivo ao respectivo recurso, considerando a proximidade do Pleito Eleitoral de 2022, contexto no qual o deputado Carlos Bezerra deve ser considerado um potencial candidato do partido.

Contudo, ao negar o pedido e manter a ação, bem como a cassação do mandato, o ministro destacou não vislumbrar, neste momento processual, a probabilidade do direito invocado, já que, segundo o ministro, o recurso ordinário manejado pelo MDB já possui o efeito desejado, sendo certo que “o efeito suspensivo cessa com o julgamento do feito pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Conforme o ministro, o registro da ocorrência no cadastro eleitoral não implica declaração de inelegibilidade nem impede a obtenção da certidão de quitação eleitoral, ou seja, o deputado federal Carlos Bezerra poderá disputar as eleições de 2022, mas na condição de sub judice.

Registro, ainda, que, conforme o art. 16-A da Lei das Eleições, ao candidato é garantido concorrer ao pleito na condição de sub judice, mesmo nos casos em que o pedido de registro de candidatura tiver sido negado”.

Por fim, o ministro enfatizou que o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT) julgou procedente representação fundamentada no art. 30-A da Lei nº 9.504/1997, de modo que, como cediço,uma vez julgada procedente a representação, a única sanção aplicável é a negativa ou a cassação do diploma”.

Portanto, sendo certo que, no caso, não houve, e nem poderia haver a imposição da sanção de inelegibilidade, não prospera a afirmação do MDB de que “[…] a imposição imediata da sanção de inelegibilidade revela-se uma restrição desproporcional ao direito fundamental do candidato concorrer nas eleições que se avizinham […]” (ID 157500469), haja vista que não condiz com a realidade jurídica extraída do acórdão regional”, ressaltou. – (Com VG Noticias)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA