EM DISCUSSÃO - VLT ou BRT?

Mendes sanciona Lei; Pinheiro diz que postura é de “arrogante”

Publicados

em

Bom…, Sancionada pelo governador Mauro Mendes (DEM) e aprovada pela maioria dos deputados estaduais na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), que autoriza a troca do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pelo Bus Rapid Transit (BRT) já esta.

Mas, o clima ainda esta pesado por parte das lideranças políticas do Estado, Mauro Mendes Ferreira e o emedebista e Prefeito da Capital Emanuel Pinheiro.

Os motivos todos já sabem, nem precisa falar ou escrever muita coisa sobre o assunto, troca do modal Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) pelo Bus Rapid Transit (BRT).

A sanção da Lei já foi publicada até no Diário Oficial (DO), mas as nuvens negras ainda esta longe de dispersar, isso porque o cuiabano Emanuel Pinheiro entrou com duas ações pedindo a anulação da troca do modal VLT pelo BRT.

Recentemente em uma de suas entrevistas aos veículos de comunicação, o Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro fez duras criticas ao governador Mauro Mendes Ferreira (DEM), por ele ter feito a troca do VLT pelo BRT entre as duas maiores cidades do Estado, Cuiabá e Várzea Grande.

Conforme declaração de Emanuel Pinheiro, a posição do governador do Partido Democrata (DEM), Mauro Mendes foi “arrogante” por que ele impôs a mudança, sem discutir ou consultar os dois chefes do Executivo Municipal, de Cuiabá e Várzea Grande e também com a população que é a maior interessada.

Quem sabe o que é melhor é a população, ela tem que ser ouvida, tinha que ser realizada as Audiências Publicas para discutir a mudança do VLT para o BRT juntamente com as duas prefeituras, não existe a possibilidade de uma posição isolada, unilateral, arrogante, sem nenhum embasamento técnico na calada da noite”.

Emanuel Pinheiro afirmou que Cuiabá e Várzea Grande deveriam ser ouvidas antes da publicação da medida e por isso entrou com processos para barrar a troca do modal imposta pelo governador Mauro Mendes desde quando o chefe do Executivo Estadual anunciou a decisão de não finalizar as obras do VLT e investir no BRT.

O Governo não tem legitimidade para decidir sozinho, não pode decidir tudo sozinho, o Governo do Estado tem que ouvir Cuiabá, ouvir a sociedade, ouvir a população cuiabana e ouvir a Prefeitura Municipal de Cuiabá. O que eu pedi na Justiça foi para parar tudo, e a Capital fazer parte na discussão da mudança do modal. E eu vou recorrer até o último minuto em defesa de Cuiabá”.

Só que essas trocas de farpas entre os dois lideres políticos vem de antes da decisão da troca do VLT para o BRT. Desde que Mendes assumiu o governo do Estado, Emanuel Pinheiro e Mauro Mendes têm trocado críticas sobre outros vários assuntos como o atendimento na Saúde, medidas restritivas durante a Pandemia da Covid-19 e até pelo apoio de políticos em seus partidos.

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que intermedia as discussões sobre o tema no Governo Federal ainda não autorizou a troca do modal VLT para o BRT.

Segundo o chefe do Executivo Municipal, a decisão do Governo do Estado trocar o VLT pelo BRT não obedece à Lei Federal de Nº 13089/2015, denominada Estatuto da Metrópole, que estabelece que os Estados, mediante Lei Complementar, poderão instituir regiões metropolitanas e aglomerações urbanas, constituídas por agrupamento de Municípios Limítrofes, para integrar a organização, o planejamento e a execução de funções públicas de interesse comum.

O gestor municipal Emanuel Pinheiro enfatizou dizendo:

Esta na Lei, você não pode ouvir só o município diretamente afetado, como aqueles indiretamente afetados, que se refere a outras cidades como Santo Antônio do Leverger, Livramento, Chapada dos Guimarães. Essa é a natureza da região metropolitana quando vem uma grande obra, que é o caso do transporte intermunicipal e desse modal. Na verdade ninguém foi ouvido pelo Governo do Estado, essa é a verdade. O que se discute agora é que eu exijo respeito com a população cuiabana, isso não vai passar ‘goela abaixo’, pelo menos eu vou lutar até o último minuto, vou ‘morrer atirando’, mas eu exijo respeito com Cuiabá, exijo respeito com a população cuiabana“.

O Veiculo Leve sobre Trilhos (VLT) começou a ser construído em 2012 para a Copa do Mundo de 2014 em Cuiabá, mas está parado desde 2014. Conforme Mauro Mendes, a troca pelo Bus Rapid Transit (BRT) é necessária por causa da inviabilidade do modal que tem seu alto custo financeiro. Também cresce um movimento na Câmara de Cuiabá para estudar o projeto de Mauro Mendes antes de permitir que se façam as alterações na cidade.

No entanto, Emanuel Pinheiro reafirma que Cuiabá e Várzea Grande não foram consultadas sobre a mudança que irá afetar diretamente a população dos dois municípios.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  DEM, sem consenso nada decide e um quarto nome pode surgir
Propaganda

Política

Enquanto cuiabanos e várzea-grandenses choram, 139 municípios esperam o ultimato para Emanuel: a “carta”

Publicados

em

O comportamento do prefeito cuiabano do MDB, Emanuel Pinheiro, depende do seu time de coração. Ganharam na segunda-feira no Serrinha contra o Goiás, já foi motivo para começar o seu “joguinho” na mudança do modal do Veiculo Leve sobre Trilhos (VLT) ou o Bus Rapid Transit (BRT) entre as cidades vizinhas, Cuiabá e Várzea Grande.

Porém o que o alcaide cuiabano não esperava foi o ultimato “se o prefeito escrever uma “carta” que não quer ok, tudo bem. Eu vou pegar esse recurso e vamos fazer esse investimento em outro lugar“, disse o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes Ferreira (DEM), nesta terça-feira em Live no site de noticias Mídia News.

Entendam: o Governo do Estado de Mato Grosso detém o crédito e não a escolha de modal, isso cabe a Prefeitura de Cuiabá. Os alcaides das cidades vizinhas de Cuiabá e Várzea Grande, precisam notificar a Caixa Econômica Federal (CEF). Caso Emanuel Pinheiro ou Kalil Baracat não assine a mudança do projeto do Bus Rapid Transit (BRT) ficará no espaço, porque ainda não existe “Projeto”.

Como assim não existe “Projeto”?

Muito bem os internautas do Blog do Valdemir, querem saber o desfecho? Então vamos analisar o dilema de Emanuel Pinheiro: se correr o bicho pega, se correr o bicho come. Nenel Pinheiro foi pego no contra pé e amanhã estará a “carta” que Mauro Mendes quer e que muitos prefeitos não gostariam, e assim o governador mandaria os R$ 400 milhões para os 140 municípios, e Cuiabá ficaria sem o Bus Rapid Transit (BRT).

Então vamos imaginar a “carta” de Emanuel Pinheiro para o Mauro Mendes.

Escrevo está “carta” meu ex-amigo Mauro, com muita raiva. Vou abrir o meu coração, mas, por favor, não leva ao conhecimento da população. Meu ex-amigo político, se por um lado, tornar-se Prefeito de Cuiabá traz mais reconhecimento e salários mais interessantes, por outro, os desafios e as exigências espero que sejam condizentes com tais recompensas. Antes de mais nada, para evitar frustrações, é preciso ter em mente que sair da zona de “conforma” , vai exigir o desenvolvimento de três competências principais: 1) não estou recuando das minhas convicções, estou com medo de perder R$ 400 milhões. 2) não sou humilde, a classe política me conhece, mudei de opinião é porque estou perdendo credibilidade com a população. 3) não acredito Mauro, estou até agora, o xeque mate, este xeque mate, jogou pesado demais. Agora todo mundo vai descobrir que era somente jogo de encenação, para esconder a realidade . Assim Mauro Mendes eu vou mudar, mas saiba que não quero, saiba que não esperava este xeque mate“, “carta” imaginaria de Nenel para Mendes.

Emanuel Pinheiro aproveita e escreva a “carta” no qual é contra o Decreto do governador Mauro Mendes para combater a Pandemia da Covid-19?

Agora, a medida de Emanuel Pinheiro merece os nossos reconhecimentos: vai multar locais com aglomerações. O que escrever com aspas? “multar”, tá bom, não sei o motivo, mas escrevi.

Nota da redação

O mês de janeiro passando, como num estalar de dedos, mas esse início nos trouxe inúmeras lições: janeiro tinha tudo para ser morno por contas dos recessos nos poderes: Legislativo e Judiciário. No entanto, a fábrica de polêmicas do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro não tirou férias.

Volto mais uma vez reiterar que a nossa equipe de reportagem do Blog do Valdemir não tem nenhuma posição política contra e nem a favor de Nenel Pinheiro.

Procuramos sempre elogiar e criticar com base em análises imparciais. A agenda de trabalhos em prol de Cuiabá, por exemplo, é muito boa. A política por outro lado segue ruim.

Emanuel vem acumulando desafetos entre aliados. O caso mais recente é com a “mulher maravilha”. Até quando?

Nenel Pinheiro e a “mulher maravilha” vem travando uma verdadeira batalha nas redes sociais e nos veículos de comunicação. Sem sangue nos olhos até o momento.

Até o dia que Emanuel Pinheiro tomar atitude de um líder e assinar a “carta”.

O prefeito cuiabano tem que aceitar que o jogo acabou. Ou aceita a mudança do modal ou os R$ 400 milhões vão para os 140 municípios do Estado. Estava passando da hora do jogo acabar.

E agora, a que ponto chegamos, “estamos convidando a Prefeitura de Cuiabá e Várzea Grande para participar. Se ele (Emanuel) quiser será bem vindo (…) Se ele falar que não quer o BRT ok. O governo não faz“, palavras do chefe do Executivo Estadual Mauro Mendes.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Fabris sacou Patio da CPI e tira licença para entrada de Meraldo Sá
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA