PRIMEIRO ENCONTRO OFICIAL

Kalil irá manter um gabinete na sede do Poder Executivo para Transição de Governo

Publicados

em

A Comissão de Constituição de Justiça (CCJC) da Câmara dos Deputados aprovou em 2019, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 381/17, do Senado da Republica, que cria um Comitê de Transição de Governo a cada troca de chefe do Poder Executivo (presidente, governador e prefeito). A proposta altera a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101/00).

De acordo com o Projeto de Lei Complementar, o Comitê de Transição de Governo será criado até 10 dias após a homologação do resultado das eleições. Ele será integrado por membros das áreas administrativa, financeira, patrimonial e de pessoal do governo e de pelo menos dois membros indicados pelo candidato eleito.

O Comitê de Transição de Governo deverá apresentar à equipe do candidato eleito um rol de informações que incluem a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária (LOA); demonstrativos da dívida, saldos orçamentários, compromissos financeiros de longo prazo, precatórios pendentes de pagamento, obras em andamento e inventários atualizados dos bens patrimoniais.

O ato de criação do Comitê de Transição de Governo e a respectiva composição deverão ser comunicados, no prazo de cinco dias, ao Poder Legislativo e ao Tribunal de Contas Competentes.

E atendendo a um convite da Prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos (DEM), o prefeito eleito da Cidade Industrial, Kalil Baracat (MDB), irá manter um gabinete na sede do Poder Executivo e também agendas em comum, para um maior entrosamento e para que a fluidez de documentos e da situação administrativa e financeira seja acompanhada (pari passu), simultaneamente pela equipe de transição, uma exigência dos órgãos de controle como Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE/MT), Ministério Público, Controladoria Geral entre outros.

Precisamos evitar ao máximo a solução de continuidade para Várzea Grande e sua gente, além de permitir que o prefeito Kalil Baracat e sua equipe de gestão possam assumir a partir de janeiro com o máximo de ritmo”, disse a prefeita Lucimar Sacre de Campos, acompanhada pelo Senador Jayme Campos, ao prefeito eleito, Kalil Baracat, no primeiro encontro oficial de ambos, após as eleições de domingo último quando o emedebista foi eleito com mais de 50 mil votos.

A Prefeita de Várzea Grande assinalou que vai deixar muitas obras em andamento e pretende entregar muitas outras até o fim deste ano, pois são compromissos assumidos por mim, mas também vou deixar uma situação financeira confortável, em que pese, dificuldades serem sempre inerentes à gestão pública, ou seja, aparecem constantemente e exigem criatividade por parte do gestor para fazer frente as adversidades como no caso da Pandemia da COVID-19, lembrou Lucimar Sacre de Campos.

Ela assinalou para o prefeito eleito que é fundamental honrar os compromissos assumidos, mas desde que isto seja possível e contemple outras exigências do Poder Público que tem princípios constitucionais como a: legalidade, moralidade, impessoalidade ou finalidade, publicidade, eficiência, razoabilidade, proporcionalidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, motivação e supremacia do interesse público.

Kalil Baracat reafirmou seus compromissos com Várzea Grande e com sua gente, com sua família e com Deus.

Não decepcionarei. Garanto compromisso com a transparência, com a eficiência e com os resultados a serem obtidos nas obrigações do Poder Público. Aonde a gestão da prefeita Lucimar Sacre de Campos foi perfeita, eficiente, iremos manter para não deixar que esses objetivos sejam prejudicados e aonde for necessário melhorar, vamos no empenhar e dedicar em dobro para atender a demanda, disse Kalil Baracat, assinalando que o arco de alianças políticos que o apoiou vai se dedicar também.

Temos problemas emergenciais como a água e o VLT que necessitam solução e não haverá descanso enquanto não solucionarmos eles ou minimizarmos os mesmos”, frisou Kalil Baracat assinalando que vai unir esforços com a prefeita Lucimar Sacre de Campos desde agora para já buscar a solução destes problemas.

Temos problemas que vão exigir muito de todos os atores envolvidos como os Governos Federal, de Mato Grosso, de Várzea Grande e de Cuiabá, por isso não podemos perder tempo e colocarmos em prática as medidas necessárias”, disse ele.

O Senador do Partido Democrata (DEM), Jayme Campos garantiu apoio redobrado para a gestão Kalil Baracat e para Várzea Grande assinalando que a continuidade de boas práticas e políticas será fundamental para consolidar o processo de desenvolvimento da cidade industrial.

Temos potencial para voltar a crescer de forma sustentável e com consistência, sendo que para isto necessitamos de pesados investimentos que fomentem a economia e permitam que Várzea Grande recupere sua posição de destaque e se desenvolva dentro da realidade econômica de Mato Grosso, explicou Jayme Campos.

Tenho convicção na gestão de Kalil Baracat, pois ele é comprometido com a cidade e com sua população. Para mim e para a Lucimar, Kalil Baracat fazendo um trabalho promissor, de respeito e de qualidade, é o que todos esperamos, pois acreditamos na cidade e na competência do futuro prefeito e da equipe que ele montar para lhe ajudar neste grande enfrentamento que será feito nestes próximos quatro anos, sinalizou Jayme Campos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  INSS: Justiça libera mais de R$ 1 bilhão para pagar atrasados
Propaganda

Política

Pesquisa IBOPE aponta vitória de Abílio no segundo turno

Publicados

em

Certamente uma das melhores traduções empíricas de expectativa de vitória são os resultados de surveys de intenção de voto. Assim como o tema de financiamento eleitoral, as pesquisas de intenção de voto são tratadas majoritariamente a partir dos seus possíveis efeitos eleitorais (neste caso, na relação entre divulgação de pesquisas e voto).

Trabalhos já trataram do tema buscando, sobretudo, verificar se as divulgações têm capacidade de alterar as expectativas, preferências e comportamentos dos eleitores. Os efeitos encontrados são majoritariamente de Bandwagon, quando as opiniões são alteradas em movimento pró-maioria, e em alguns casos de Underdog, normalmente relacionado a comportamentos cínicos, ou de protesto, alterações de opinião pró-candidato secundário.

A Pandemia de Coronavírus tem afastado mais eleitores das urnas, um cenário que tende se repetir nas eleições municipais neste próximo dia 29 de novembro onde estaremos escolhendo no segundo turno a pessoa que vai sentar na cadeira numero 1 do município por 4 anos. Como o voto é obrigatório no Brasil, cientistas políticos não preveem um patamar tão alto de abstenção por aqui neste segundo turno.

A TV Centro América, afiliada da Rede Globo de Televisão, divulgou nesta segunda-feira (23), a primeira Pesquisa Ibope para o segundo turno das eleições municipais em Cuiabá, que acontece neste domingo (29).

A pesquisa apresentada mostra uma diferença mínima entre o candidato do MDB, Emanuel Pinheiro, da Coligação “A Mudança Merece Continuar, e o candidato Abilio Jacques Brunini Moumer, o Abílio Junior, da Coligação “Cuiabá para Pessoas do Podemos.

Conforme a Pesquisa IBOPE, que foi realizada com 602 entrevistados no período de 21 a 23 de novembro, tanto o candidato do Podemos, Abílio Junior como o candidato do MDB, Emanuel Pinheiro estão tecnicamente empatados no limite da margem de erro.

A pesquisa é quantitativa e realizada em entrevistas por meio de telefones. O intervalo de confiança é de 95%, e foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o Número MT-07435/2020.

Abílio Júnior (Podemos) aparece em primeiro lugar 54% dos votos válidos
Emanuel Pinheiro (MDB) aparece com 46%.

Na modalidade estimulada

Abílio Júnior (Podemos) tem 48%
Emanuel Pinheiro (MDB), com 40%.

Brancos e nulos são 7%, e 6% das pessoas que foram entrevistadas não souberam ou não responderam. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos.

Na ultima pesquisa realizada e apresentada para a população cuiabana, no primeiro turno das eleições no dia 12 de novembro, quando havia 8 candidatos pleiteando a vaga de prefeito da capital, Abílio Junior aparecia na época com 32% das intenções de voto e Emanuel Pinheiro, com 31%.

Considerando a margem de erro, os resultados poderiam chegar a 36% para Abílio Júnior e 35% para Emanuel Pinheiro. Nas urnas, o resultado foi de 33,72% para Abílio Junior, e para Emanuel Pinheiro, 30,64%.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  "Um prefeito precisa construir pontes e não destruir”
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA