Política

Hospital e Pronto Socorro Municipal de VG ganha novas vagas, novas alas e novos equipamentos

Publicados

em

Saúde e Educação são as duas principais políticas públicas do país. São elas que podem produzir um mínimo de igualdade num país tão desigual. Prover Saúde Pública de qualidade significa garantir e respeitar a dignidade de cada cidadão que integra e constrói a sociedade brasileira.

Não por acaso são duas políticas públicas que têm regras de financiamento mínimo na Constituição Federal.

Mesmo escassos para o tamanho da população, os recursos da Saúde são volumosos. Nesse contexto, geri-los bem ganha ainda mais importância.

Pensando nisso, em dar uma melhor qualidade a saúde da população varzea-grandensse, foi entregue nesta segunda-feira, 02, a Reforma e Ampliação do Hospital Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande, de toda a Ala Infantil, e esta foi a ultima etapa da obra, e com isso chega a 100% e com toda a infraestrutura necessária para o atendimento médico de urgência e emergência.

Além de obras estruturais que compreendem a recepção, enfermaria, o setor de pronto atendimento, consultórios, box de emergência, sala de isolamento e adequação da agência transfusional (coleta de sangue) com capacidade de armazenamento de sangue e vacinas, o setor abrigará uma brinquedoteca que irá proporcionar aos internados um ambiente mais acolhedor, além de ajudar na recuperação das crianças e pré-adolescentes.

A prefeita Lucimar Sacre de Campos reafirmou que a Saúde Pública é e continuará sendo enquanto ela for prefeita, prioridade e demonstração do compromisso e acessível a todos.

Como destaca o secretário de Saúde, Diógenes Marcondes, essa é uma obra importante por promover atendimento diferenciado através de corpo clínico especializado.

Toda a Ala Infantil foi reestruturada. A recepção foi ampliada para garantir atendimento mais humanizado. Além disso, serão três consultórios, doze leitos no box de urgência e emergência, um leito de isolamento e três enfermarias com 25 leitos, disse o secretário.

Para ele no caso de internação as crianças poderão usufruir da brinquedoteca. A criação do espaço é uma estratégia para desmistificar o cenário hospitalar e acelerar o processo de recuperação.

As obras de reestruturação física e ampliação do Hospital Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande foram realizadas em cinco etapas compreendendo todos os setores da unidade. Na execução de todo empreendimento que compreende estrutura física e equipamentos de ponta foram investidos mais de R$ 15 milhões, entre emendas parlamentares, recursos do Ministério da Saúde e do Tesouro Municipal.

Desde 2015 quando assumiu a Prefeitura de Várzea Grande, a prefeita Lucimar Sacre de Campos adotou uma política pública de melhoria da assistência a Saúde dos pacientes que necessitam do Sistema Único de Saúde (SUS).

Como lembra o Secretário de Saúde, Diógenes Marcondes, não foi apenas o Hospital e Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande que foi reconstruído, a mudança também ocorreu em todas as unidades que compreende o setor, além da inauguração de duas novas UPAs uma no Ipase e outra no Cristo Rei.

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, vereador e médico Miguel Angel Claros Paz, frisou que acompanha toda a recuperação implementada na Saúde Pública de Várzea Grande e a dedicação da prefeita Lucimar Sacre de Campos com o setor.

Saúde se faz somando esforços e procurando soluções para superar os obstáculos e atender a todos indistintamente“, ponderou o parlamentar sinalizando que o setor cresceu seu atendimento e com qualidade.

Já o presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Araújo, definiu Lucimar Campos como a melhor prefeita do Brasil e que tem conduzido a sua gestão de forma transparente e eficaz, devolvendo à população local a dignidade e com atendimento de Saúde humanizada.

A Saúde Pública do município foi recuperada, não apenas por apresentar bons indicadores, mas por ter investido, mais do que a legislação estabelece (15%) recursos em todas as unidades de saúde em especial a de urgência e emergência, mas porque recuperou a autoestima da população várzea-grandense, e tocando com eficiência uma das áreas mais difíceis do setor público. Enquanto alguns lugares estão fechando unidades de saúde, o município de Várzea Grande está abrindo novas frentes de trabalho, e o Hospital Pronto Socorro é um desse exemplo, com estrutura moderna sendo entregue a sociedade“.

O deputado estadual, Luis Amilton Gimenez, como profissional da área médica do interior de Mato Grosso, sintetizou a importância desta inauguração como reforço para a Saúde das cidades que dependem dos grandes centros para o oferecimento de mais especialidades e tratamentos intensivos.

É sempre muito bom e importante ver gestões que realmente tem compromisso com a saúde pública que é tão eficiente quanto a privada. Está de parabéns a prefeita Lucimar Campos“.

Presente ao evento, o coordenador da bancada federal de Mato Grosso, Neri Geller (PP), reforçou compromisso de todos os deputados federais e senadores em indicar emendas para um setor tão fundamental para as pessoas.

O Hospital Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande é uma estrutura fundamental para o sistema de saúde pública (SUS), pois atende pacientes de todos os municípios e até mesmo de outras cidades do Brasil, portanto, o que a prefeita Lucimar Campos necessitar pode contar conosco, pois é gratificante se ver que os recursos públicos aqui são utilizados em prol da população“, frisou o deputado federal.

Senador Jayme Campos, prefeito de Várzea Grande por três mandatos, apontou que a unidade inaugurada em seu primeiro mandato, hoje pode ser considerada como referência por existir compromisso da prefeita Lucimar Sacre de Campos em superar as adversidades e possibilidade atendimento para todos aqueles que busca o SUS.

Me sinto gratificado por ver que essa unidade avança e busca atender cada vez mais pacientes, solucionando problemas e no que precisar do meu apoio, Várzea Grande e sua gente irá continuar recebendo emendas parlamentares para todas os setores essenciais“, disse ele apontando que no ano de 2019 destinou mais de R$ 100 milhões para 80 municípios de Mato Grosso, inclusive Várzea Grande.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  "Não faltam médicos e sim condições de trabalho"

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Política

“CPI do Paletó”; Relatório pede afastamento e cassação do prefeito Emanuel Pinheiro

Publicados

em

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro por quebra de decoro e obstrução de justiça, aprovou um relatório paralelo ao oficial em que pede o afastamento do prefeito do cargo durante o prazo de 180 dias, bem como a abertura de comissão processante contra Pinheiro, que pode culminar na cassação de seu mandato.

O relatório foi apresentado durante a última reunião da CPI do Paletó nesta sexta-feira (10), pelo vereador Sargento Joelson (SD) e teve o voto favorável do vereador Marcelo Bussiki (DEM), presidente da CPI. O vereador Toninho de Souza (PSD), relator da comissão, apresentou um relatório também, mas foi voto vencido.

Em seu documento, Toninho apontou ser “impossível” responsabilizar o prefeito Emanuel Pinheiro, pois o vídeo em que Emanuel aparece recebendo maços de dinheiro e os colocando no paletó ocorreu na época em que ele era deputado estadual e não no cargo de prefeito. O dinheiro, segundo oitiva do governador Silval Barbosa, e de seu ex-chefe de gabinete, Sílvio Corrêa à CPI do Paletó, era fruto de propina e foi pago para Emanuel para que ele apoiasse os projetos do Executivo.

Diante do exposto e considerando que os supostos crimes elencados no ponto nº 2 na presente CPI, qual seja o suposto recebimento de valores ilícitos durante o exercício do mandato de deputado estadual, o senhor prefeito Emanuel Pinheiro, não tendo os supostos fatos ligação com o mandato atual e tendo sido cometidos em relação as funções do cargo de prefeito, entendo que não é possível o julgamento desses fatos por essa CPI por limitação de competência impondo óbice constitucional, disse Toninho.

No entanto, o vereador Sargento Joelson discordou e elaborou um relatório paralelo, em que apontou que o vídeo, independentemente do período em que foi gravado, comprova que Emanuel Pinheiro agiu com conduta incompatível com a dignidade e o decoro do cargo que ocupa.

Segundo ele, Emanuel inclusive cometeu infrações éticas, já que tal vídeo atinge a credibilidade e a respeitabilidade da Prefeitura de Cuiabá perante a sociedade e demais instituições.

Além disso, o relatório apontou que Emanuel atuou para dificultar os trabalhos da CPI do Paletó. Por essa razão, Joelson pediu pela abertura de processo político-administrativo e o afastamento de Emanuel Pinheiro durante o período em que o processo ocorrer.

Com respaldo no que estabelece na Constituição do Estado de Mato Grosso e considerando os diversos embaraços criados pelo prefeito Emanuel Pinheiro, em parceria com o senhor Allan Zanata, para dificultar a colheita de provas e até mesmo para anular as poucas existentes, voto pela suspensão liminar do exercício do mandato do prefeito municipal de Cuiabá pelo prazo de até 180 dias, ou até a conclusão do processo, disse Joelson.

Já o vereador Marcelo Bussiki votou acompanhando o relatório de Joelson, pedindo ainda a inclusão do crime de improbidade administrativa no rol de acusações, já que Emanuel Pinheiro se enriqueceu ilicitamente e causou prejuízo ao erário ao ter recebido dinheiro fruto de propina. Além disso, apontou que Pinheiro fez parte de uma organização criminosa, já que estava junto ao grupo de deputados que, agindo de forma associada, obtiveram vantagens indevidas e cometeram crimes graves, que foram flagrados no vídeo.

Em razão de todo o exposto, bem como das robustas e evidentes provas produzidas no decorrer de todo o transcurso dessa Comissão Parlamentar de Inquérito, acompanho o relatório produzido pelo membro dessa Comissão Vereador Sargento Joelson, no sentido de que o acusado cometeu os delitos de obstrução de justiça, bem como quebra de decoro do cargo, por receber dinheiro oriundo de propina, concussão, organização criminosa e ato de improbidade administrativa. Consequentemente, voto pela abertura de uma comissão processante em desfavor do acusado e que seja o mesmo condenado à cassação do cargo que ocupa, de Prefeito de Cuiabá“, disse Bussiki.

Além da abertura de comissão processante e do afastamento, o relatório apontou ainda a necessidade de que todo o trabalho apurado ao longo da CPI seja encaminhado ao Ministério Público Federal, à Polícia Federal, ao Ministério Público Estadual e à Delegacia Fazendária, para as providências que o caso requer.

Com a aprovação do relatório na comissão, o documento será encaminhado ao presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Misael Galvão, que deve colocar à votação dos demais parlamentares, em sessão plenária.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Emanuel dá sinais claros de que está fora da disputa eleitoral 2020
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA