Política

Em nota, Wallace diz que esta sendo perseguido politicamente

Publicados

em

Descontente com toda situação envolvendo seu nome, o prefeito de Várzea Grande Wallace Guimaraes (PMDB) encaminhou uma nota de repudio contra o vídeo divulgado nas redes sócias e imprensa envolvendo seu nome em esquemas financeiros de campanha e suposto caixa dois.

walace-2O prefeito da cidade industrial disse em nota que tudo não passe de uma mentira, montagem e perseguição politica por parte de seus adversários que perderam e não se conformaram com a derrota nas urnas, e afirmou que vai recorrer a Justiça, mas precisamente ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que ele posa se manter no cargo.

Aparentando bastante tranquilidade, Wallace negou veemente qualquer irregularidade nas prestações de contas de sua campanha apresentadas por ele ao Tribunal Regional Eleitoral (TER).

O Prefeito disse ainda que o vídeo mostra mentiras a população como se fossem verdadeiras, e isso vem causando mal estar dentro da prefeitura de Várzea Grande.

Veja nota à Imprensa

Quanto ao vídeo apócrifo que está sendo veiculado pela mídia, acusando o prefeito de VG de suposto caixa 2, temos a informar o seguinte:

O Prefeito Walace Guimarães repudia de forma veemente todas as alegações contidas no vídeo apócrifo e reafirma que tudo não passa de perseguição política por parte dos adversários que ainda não se conformaram com a derrota nas urnas.

A superprodução audiovisual, que certamente custou uma nota, nada mais é que a forma rastaquera do DEM/VG de fazer política, tanto é assim que não ganhou as eleições. De todo modo, não nos deixa preocupados essa atitude que pode ser desenganada mente taxada de leviana e criminosa, uma vez que o processo corre em segredo de justiça, consequentemente, não poderia ter seu conteúdo divulgado da forma cinematográfica e irresponsável como ocorrido, e justamente por isso o juízo eleitoral e a polícia civil será acionada para apurar o ilícito que, além de inverídico, caluniou o Prefeito e terceiros que sequer fazem parte do processo.

O conteúdo tenta ludibriar a opinião pública e induzir o judiciário em sua decisão Uma das acusações apontadas pelo vídeo é de que o ex-secretário de Indústria Comércio Minas e Energia de Mato Grosso, Alan Zanata teria efetuado um contrato com a Intergraf no valor de R$  787 mil  ,  mesmo antes da campanha eleitoral, um erro grotesco, pois o empresário Alan Zanata só foi empossado como secretário em dezembro de 2012, portanto dois meses após a eleição.

A população de Várzea Grande/MT pode ter a certeza de que não nos curvaremos diante de atitudes como essa. Acreditamos  na Justiça e temos plena confiança de que em breve tudo será devidamente esclarecido, para o bem da verdade e da nossa querida cidade.

Várzea Grande-MT, 24.03.2015.

Prefeito Walace Guimarães

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Blairo Maggi fora da politica?

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Política

Vai faltar Júlio Campos no DEM em 2022?

Publicados

em

Em 1985, em meio as articulações no Congresso Nacional para a eleição indireta, dissidentes do Partido Social Democrático (PDS) deixaram a sigla para fundar o Partido da Frente Liberal (PFL).

A atenção dos brasileiros se voltou na época para uma votação realizada no Congresso Nacional, em Brasília. Em jogo, estava o cargo mais importante do país, a Presidência da República. Pela primeira vez desde o início da ditadura militar, em 1964, um presidente civil seria eleito. Mas não da forma como queria a multidão que foi às ruas no ano anterior durante o movimento Diretas Já, que pedia eleição direta.

Na disputa, apenas duas chapas. Pela Aliança Democrática, de oposição, Tancredo Neves (PMDB) e, como vice, José Sarney. Pelo Partido Democrático Social (PDS), o governista, Paulo Maluf e seu vice Flávio Marcílio. Como previsto pelos institutos de pesquisa, Tancredo saiu vencedor. Milhares de pessoas fizeram festa para comemorar não apenas a eleição de um presidente civil, mas também o fim de 21 anos de poder autoritário, de repressão e censura.

O Partido da Frente Liberal (PFL) nasceu forte, após apoiar a vitória de Tancredo sobre Maluf.

Na eleição de 1994, o pernambucano Marco Maciel se elegeu vice-presidente da República na chapa encabeçada pelo tucano Fernando Henrique Cardoso.

Em 2007, o Partido da Frente Liberal (PFL) é rebatizado de Democratas (DEM), o rebatismo foi ironizado por partidos políticos, o petista Luiz Inácio “Lula” da Silva em 2010 disse que, mesmo mudando o nome, o partido tinha “a ditadura em seu DNA”.

O DEM é definido como um partido conservador nos costumes, um partido de centro direita, na época da Aliança Renovadora Nacional (ARENA) estavam na direita porque não tinham alternativa. Hoje não são tão radicais.

O DEM giro de 300 graus

O partido depois de sucessivos reveses eleitorais e dissidências, as eleições municipais de 2020 marcaram o retorno dos Democratas ao clube dos grandes partidos. O partido chegou em 2021 no comando de 464 cidades, onde mais de 32,4 milhões de brasileiros vivem sob o comando da legenda.

O partido oriundo da Aliança Renovadora Nacional, partido de sustentação da ditadura o DEM, antigo PFL, vinha se desenhando como o partido de 2022. Se olharmos para alguns indicadores das eleições do pleito passado, a sigla conquistou força política nos grandes centros urbanos.

O Democratas (DEM) se tornou o maior partido da região Centro-Oeste em número de prefeituras municipais.

Apesar do partido chegar em 2022 com um peso político, a sigla não aprende com os erros e a insatisfação é nítida entre os ex-arenistas, peefelistas, pela fusão da sua legenda com o Partido Social Liberal (PSL) entre os “revoltados”, ele o ex-prefeito de Várzea Grande, ex-governador, ex-senador, ex-deputado federal Júlio José de Campos.

Vai faltar Júlio no DEM em 2022?

A certeza que temos é que faltará apito para o tamanho de intrigas da fusão entre caciques, pré-candidatos e militantes. Mas na “Oca” do DEM, a grande expectativa é pelos sinais de fumaça de Júlio Campos e, com certeza a disputa pelo cocar será acirrada até abril.

A tribo ainda não se recuperou plenamente dos traumas pela possível fusão. Agora, os ex-peefelistas vão demonstrar força antes de se pintarem para a guerra.

À certeza que estamos vendo que a junção dos partidos “apaga a história” do DEM.

A Aliança Renovadora Nacional que se transformou no PDS, depois PFL, depois DEM e correndo sério risco em se transformar União Brasil, do 25 passa a ser 44.

Para aqueles que tem uma história construída na sigla é um momento muito triste. A fusão pode dar causa para saída dos Democratas, Júlio Campos e Dilmar Dal’Bosco.

Dia 5 de novembro Júlio Campos afirmou que os membros mais antigos do partido avaliam se vão continuar ou deixar a sigla após a fusão com o PSL.

Seria um blefe? Não. Foi um aviso, uma preliminar.

Sabemos que os autênticos terão dois caminhos: concordar com esta fusão, ou filiar em outro partido que se afine ideologicamente.

Já dizia Jayme Campos: Júlio Campos é fundador do DEM, do PFL, ele tem o direito de ser ouvido“.

O Blog do Valdemir pergunta: Será que está sendo ouvido? Será que foi ouvido?

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Galli exige investigação em escolas Brasil sobre doutrinação ideológica
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA