TÁ PROÍBIDO SANTINHO?

Eleição 2020: Distribuição de Santinhos e aglomerações esta proibido pelo Ministério Público

Publicados

em

Uma recomendação foi assinada pelo procurador regional Eleitoral, Erich Masson, e pelo procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira para os partidos e candidatos que observem, durante a campanha e eleições, as medidas higiênico-sanitárias necessárias à prevenção de contágio pelo “Coronavírus“.

Na recomendação é para que os candidatos evitem levar acompanhantes ao local de votação e também não mantenham contato físico com eleitores, mesários e fiscais. Além disso, deverão observar a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção individual nos locais de votação e se atentar para a vedação de distribuição de qualquer material impresso, nos termos da Lei 9.504/1997 e Resolução do Tribunal Superior Eleitoral 23.610/2019.

Caso façam uso desses meios de campanha, que observem as restrições previstas dos Decretos e Pareceres Técnicos emitidos pelo Chefe do Poder Executivo e Secretarias de Saúde Estadual e Municipal, como distanciamento mínimo e uso de máscaras de proteção individual.

Santinhos na rua

Em época de campanhas eleitorais, é muito comum deparar-se com panfletos de candidatos, mais conhecidos como santinhos.

Muitos candidatos novos que estão entrando na política, não sabem como fazer o seu marketing eleitoral e nem que existe empresas especializadas que pode auxilia-los nesse processo.

Mas antes de tudo, é importante saber as leis que determinam a permissão de distribuição de santinhos 2020, veja abaixo:

Quais são as regras para a Distribuição de Santinhos 2020 ?

Toda e qualquer propagando realizada fora do período destinado a campanha eleitoral constitui como propaganda eleitoral antecipada e resultará em penalizações, por isso atente-se as datas corretas para cada tema.

A campanha eleitoral para o primeiro turno começa do dia quinze de agosto em diante, seguindo até o dia dois de outubro, por isso separamos algumas das coisas que podem e algumas que não podem ser feitas durante a campanha eleitoral.

Saiba o que está permitido durante a campanha eleitoral:

É permitida a distribuição de santinhos, adesivos e outros impressos.
Propaganda em vias públicas com bandeiras e mesas, desde que não atrapalhe o trânsito e os pedestres.

Alto-falantes após as 08:00 até 22:00, desde que fiquem 200 metros distantes de quartéis militares, escolas, sedes do poder legislativo e executivo, bibliotecas públicas, igrejas e teatros em funcionamento.

Carros de som, assim como minitrios, respeitando o limite de 80 decibéis no nível de pressão sonora, medidos a 7 metros do veículos.
Comício e aparelhagem de sonorização fixas, desde que também seja respeitando o limite de horário: De 08:00 até 00:00.

O financiamento coletivo também é permitido, desde que sigam-se as regras do Tribunal Superior Eleitoral

A distribuição de santinhos, adesivos, carreatas e qualquer outra propaganda devem ser encerradas até as 22:00 do dia 3 de outubro.
No dia da votação, os eleitores podem usar broches, acessórios e adesivos de seu candidato favorito.

Veja o que não está permitido durante a campanha eleitoral:

É terminantemente proibido a distribuição de santinhos no dia da eleição.

  • Todos os outdoors estão proibidos, seja ele impresso ou eletrônico.
    Também está vetado o uso de telemarketing durante a campanha.
    Apesar de adesivos pequenos estarem permitidos, cobrir completamente o carro com adesivos está vetado.
    Também está vetado a distribuição de qualquer brinde durante a campanha. Nem cestas básicas e nem canetas, camisas ou qualquer coisa que seja caracterizado como brinde.
    Simulador de urna eletrônica.
    Contratação de artistas para fazerem show durante comícios também está proibido.
    Propagandas que contenham animações, desenhos e montagens também está vetado.
    Usar cavaletes, faixas, placas ou coisas parecidas também está proibido.
    Está inteiramente vetado após a votação a aglomeração de pessoas com roupas ou bandeiras que possam ser caracterizados como manifestação coletiva, com ou sem carros.
    No dia da eleição também está proibido qualquer tipo de veículo divulgando jingles.
    No dia da eleição, também ficam proibidas as postagens ou impulsionamentos de conteúdos político online.

Conheça a melhor estratégia para Distribuição de Santinhos 2020

Pensando nas regras deste ano, foi desenvolvido uma estratégia de distribuição de santinhos para te auxiliar nesse processo e gerar um retorno positivo para o candidato e até mesmo ao eleitor.

A Distribuição porta a porta, tem sido a opção mais indicada para se obter um reconhecimento de qualidade, isso porque a probabilidade do santinho ser desperdiçado é bem menor, já que os mesmos, serão entregues diretamente em residências e comércios.

Distribuição Porta a Porta

Em alguns casos, a distribuição porta a porta passa a ser mais eficiente, pois as pessoas que recebem esse tipo de material em suas casas acabam dando maior atenção e realmente lendo o que está escrito no panfleto, isso porque em época de campanha eleitoral, a população está em processo de pesquisas de candidatos e uma distribuição bem planejada e segmentada pode ajudar muito em sua decisão final.

Além disso, essa estratégia irá diminui a poluição nas ruas pois dificilmente alguém jogará algo que está na porta da sua casa na rua, e sim na sua lixeira.

Essa é uma ótima opção para candidatos regionais que querem divulgar o seu trabalho em alguma região específica e diretamente aos eleitores que tem maior potencial de votos.

Quais informações devo colocar nos Santinhos?

Primeiramente, antes de se preocupar com tudo isso você deve priorizar o passo principal: Escolher uma empresa especializada.

Procurar por uma boa empresa de criação e distribuição de santinhos é o passo mais importante, pois assim você não precisará se preocupar com esse detalhe.

Por exemplo, a empresa será responsável por criar os seus santinhos de maneira que se encaixem no padrão já estabelecido. Como por exemplo, em papel couché ou em papel reciclato, usando a medida convencional de sete centímetros por dez centímetros e em duas opções de cores: Preto e branco ou colorido.

Uma outra vantagem na escolha de uma empresa de panfletagem, é que quanto mais santinhos forem encomendados, mais barato acabam saindo.

Dicas para impressão dos Santinhos

Um outro ponto importante nesse tópico é o fato de cada santinho ser feito em um trabalho de dupla face, ou seja, esse panfleto político tem dois lados. Isso significa que você não precisa encher um lado só de informações e imagens criando um aspecto visualmente poluído.

Você pode usar na parte frontal uma foto sua junto ao seu slogan, para que o eleitor saiba em quem ele está votando. Quando seu rosto é lembrado, existe uma chance maior de ficar registrado no subconsciente do eleitor e posteriormente ser citado em conversas, o que gera um marketing de boca a boca que aumenta ainda mais o seu alcance.

Enquanto na parte oposta você deve colocar as informações essenciais, como seu partido, outros dados importantes e principalmente, seu número eleitoral. Isso é essencial, por isso é muito importante que seu número esteja destacado na hora da distribuição de santinhos 2020.

Nota da redação

Agora, com certeza você já sabe qual caminho seguir, não é mesmo?

Mas não deixe de contar com uma ajuda especializada, entre em contato conosco! Com certeza poderemos auxiliar você a ter a melhor distribuição de santinhos nestas Eleições 2020.

Gostou do conteúdo?

Então acompanhe nosso Blog e fique sempre por dentro das novidades! Ahh não esqueça de compartilhar com seus amigos de partido.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Presidente da AEDIC requer ao Comando da PM medidas contra assaltos no Distrito
Propaganda

Política

Lúdio faz representação ao MPF para garantir vacinação contra Covid-19 de indígenas

Publicados

em

O deputado estadual do Partido dos Trabalhadores (PT), Lúdio Frank Mendes Cabral fez, uma representação ao procurador da República Gustavo Nogami para que o Ministério Público Federal (MPF) tome medidas administrativas e judiciais para garantir a vacinação contra Covid-19 dos 28.758 indígenas que vivem em territórios indígenas em Mato Grosso.

Apesar desse grupo fazer parte da fase 1 de vacinação e todas as doses terem sido enviadas ao estado na primeira remessa, apenas 59,5% dos indígenas receberam a 1ª dose (17.116 pessoas) e 39,3% receberam a 2ª dose (11.291 pessoas).

O levantamento foi feito por Lúdio Cabral, que é médico sanitarista, com base nas resoluções da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), comparadas com o painel de vacinação do Ministério da Saúde. Ele destacou ainda que a imunidade contra a Covid-19 só é completa 14 dias após a aplicação da dose de vacina, de modo que o baixo índice de vacinação coloca essas populações em risco.

Isso é inadmissível, considerando que os indígenas fazem parte do grupo prioritário de vacinação, e a entrega das doses destinadas a esse público ocorreu há três meses, em 19 de janeiro. Os indígenas têm prioridade na vacinação por terem imunidade mais baixa a infecções e epidemias que outras populações. Por isso, é tão preocupante a vacinação não ter sido concluída, o que deixa esses povos expostos à Covid-19“, afirmou Lúdio, que já atuou como médico em aldeias em Mato Grosso.

Na representação, o parlamentar do Partido dos Trabalhadores (PT), Lúdio Cabral, solicitou que o MPF investigue as razões pelas quais a cobertura vacinal alcançada é de apenas 59,5% na 1ª dose e de 39,3% na 2ª dose, já que 100% das doses necessárias para vacinar os indígenas que residem em terras indígenas de Mato Grosso foram recebidas pelo estado em janeiro de 2021, bem como identificar o que houve com as doses que ainda não foram aplicadas. Lúdio recomenda que o Estado de Mato Grosso demonstre com documentos como essas vacinas foram distribuídas aos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI).

Lúdio requereu também que o MPF acione a União, por intermédio do DSEI, vinculado à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), órgão do Ministério da Saúde, para que providencie a regular, imediata e integral vacinação dos indígenas de Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  "INFLUENZA H1N1"; A Saúde de Várzea Grande na ponta da agulha
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA