VALORIZAÇÃO DA VIDA

Audiência Pública para debater medidas conta o aborto criminoso acontece na Câmara de Cuiabá

Publicados

em

Como já é sabido por todos (ou não), o tipo penal do aborto visa proteger a vida intrauterina, que vai do início da gravidez (Nidação) e até a dilatação do colo do útero (Hygino Hercules) ou rompimento do saco amniótico (Genival França), que a partir daí começa o parto, não mais se falando em aborto e sim em outra espécie de tipo penal extrauterino (Homicídio – art. 121 do CP ou Infanticídio – art. 123 do CP).

Nesse sentido, em nota introdutória a palavra se desmembra e significando AB= Tirar / ORTO = Direito, se traduzindo em um sentido de tirar o direito de nascer do próprio elemento da conjunção carnal.

Ressalte-se que somente para fins de acréscimos todos os tipos penais DOLOSOS contra a vida serão julgados pelo Tribunal do Júri conforme previsão constitucional e infraconstitucional expressa.

O aborto criminoso, buscado pela jovem com ou sem a conivência de seu parceiro, é uma calamidade a quem o pratica. O aborto, não natural, se constitui, assim, a um despejo indesejado de alguém que, em retornando do passado, seria aquela pessoa que partilharia conosco de venturas e desventuras, até a nossa total maturação espiritual.

Com um aborto provocado, portanto, além de violentação orgânica perigosa, você poderá estar extremando o ódio ou o desencanto de alguém que retomaria ao palco da vida terrena para superar as suas próprias desditas ou limitações morais.

Leia Também:  "A gestão da Educação no governo Mauro Mendes é a grande fake news"

A família é extremamente importante. Quando, pois, a mulher e o seu parceiro aceitam a prática do aborto criminoso, estarão se comprometendo mais com os antigos companheiros de infelicidade.

Saiba, pois, que no aborto criminoso existe alguém que se sentirá profundamente lesado, frustrado em suas esperanças de renovação espiritual. É alguém a quem você prometeu, espiritualmente, socorro, amparo, oportunidade de reedificação e de esperança e, diante de quem você descumpre todas as suas promessas. Esse alguém, embora abortado, será uma realidade.

Se você, contudo, anestesiar a sua consciência e expulsá-lo de modo tão abrupto, tão criminoso, sob o pretexto de resguardar-se, você ignora quais sejam as dolorosas consequências de sua louca resolução. Quem vinha, em seu ventre, pode ser algum parceiro seu de passado não tão remoto e que, por isso, se ajustará à sua atmosfera mental, trazendo-lhe danos irreversíveis. Será duplamente seu inimigo!

Eleger-se-á, pois, como seu inimigo recalcado, impondo-lhe mais sofrimentos e desditas ao longo de sua vida. Mais tarde, é certo, ele voltará a procurá-la, na condição de filho-problema, envolvendo-a em muito trabalho e profunda inquietude.

Leia Também:  Simona oficializa nome para disputar Prefeitura de Cuiabá

Saiba que é no aborto criminoso que se fermentam as grandes enfermidades da alma, as grandes obsessões, alimentando o páteo de sanatórios e de prisões, já que o aborto criminoso é o indutor de crimes hediondos, catalogáveis nos compêndios da justiça criminal.

Não mate o filho no ventre, para que você não venha a complicar a sua própria vida!

Vereador promove Audiência Pública para debater medidas conta o aborto criminoso

A fim de promover uma discussão ampla acerca do aborto, o vereador Robertinho Fernandes (PV), que ocupa a vaga do vereador Marcus Brito (PV) que entrou de licença pelo período de um mês, e realiza nesta sexta-feira (27) uma Audiência Pública sobre valorização da vida.

O objetivo principal é debater medidas a serem adotadas contra o aborto criminoso. A audiência ocorre no plenário da Câmara de Cuiabá a partir das 8 horas.

Sempre focado na valorização da vida, compreendemos a importância da reflexão sobre cada existência. Contribuindo para a formação do homem de bem, exaltando sempre a luta a favor de cada ser humano, atuando de modo a evitar o suicídio, violência, eutanásia, pregando a paz e o bem, cita o parlamentar.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Domingos Fraga assina acordo para devolver R$ 150 mil

Publicados

em

A delação premiada que os deputados estaduais mato-grossenses recebiam um “mensalinho” para não denunciar fraudes e desvios do governo e na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT) foi confirmada pelo ex-governador de Mato Grosso, Silval da Cunha Barbosa (PMDB). Silval fez um acordo de delação premiada, que já foi homologado pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Silval Barbosa declarou em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), que os pagamentos funcionavam como um “cala boca” da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT) para que os deputados não denunciassem as fraudes na Casa de Leis e no governo.

Silval afirmou na época da delação premiada, que, desde que adentrou na Assembleia Legislativa, no ano de 1999, até o dia que deixou o mandato, sempre existiu o “mensalinho” que era pago pela Mesa Diretora aos deputados estaduais, sendo considerado uma praxe do “sistema“”.

Outro a dar depoimento e fazer acordo com a Justiça, foi o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Geraldo Riva, que confessou que recebia um “mensalinho” do Governo do Estado. A propina, segundo ele, também foi recebida por outros 33 deputados para que votassem os projetos de interesse do Executivo Estadual.

Leia Também:  Avanço da Covid-19 leva prefeito decretar “Toque de Recolher”

O ex-parlamentar declarou que os seguintes parlamentares e ex-parlamentares receberam propina: Silval Barbosa, Sérgio Ricardo, Mauro Savi, Carlão Nascimento, Dilceu Dal Bosco, Alencar Soares, Pedro Satélite, Renê Barbour, Campos Neto, Zeca D’Ávila, Nataniel de Jesus, Humberto Bosaipo, Carlos Brito, João Malheiros, Eliene Lima, José Carlos de Freitas, Sebastião Rezende, Gilmar Fabris, Zé Domingos, Wallace Guimarães, Percival Muniz, Wagner Ramos, Adalto de Freitas, Juarez Costa, Walter Rabello, Nilson Santos, Chica Nunes, Airton Português, Maksuês Leite, Guilherme Maluf, Ademir Brunetto, Chico Galindo e Antônio Brito, além dele.

Acordo com a Justiça

Outro ex-parlamentar estadual a assinar um acordo com a Justiça para o pagamento de R$ 150 mil em ressarcimento à propina recebida durante seu mandato na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), foi o ex-deputado estadual José Domingos Fraga. O acordo foi homologado no início do mês pelo juiz da 5ª Vara Federal, Jefferson Schneider, e inclui a confissão de José Domingos em ter participado do esquema que ficou conhecido como “mensalinho”.

A quantia a ser paga pelo ex-deputado está dividida em R$ 100 mil em multa e R$ 50 mil por reparação de danos. O montante poderá ser parcelado em 12 vezes. A pena também exige o cumprimento de serviços comunitários por dois anos a qualquer entidade pública.

Leia Também:  Taques entra com representação contra Zaque no Ministério Público Estadual.

José Domingos Fraga, hoje assessor técnico da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, foi um dos parlamentares flagrados em vídeo recebendo dinheiro do chefe de gabinete do então governador Silval Barbosa. – (Com O Livre)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA