NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Fechamento de fronteiras pode prejudicar a agricultura, alerta deputado

Publicados

em


.
Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Tema: "Desenvolvimento da profissão de bombeiro civil". Dep. Evair Vieira de Melo (PP-ES)
Evair Melo: precisamos encontrar uma alternativa por meio de corredores sanitários

A decisão tomada pelo governo federal de fechamento das fronteiras terrestres com os países vizinhos teve como efeito colateral dificultar a entrada e saída de produtos agrícolas.

Integrante da Frente Parlamentar da Agropecuária, o deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES) acredita que simplesmente fechar as fronteiras não vai reduzir a pandemia do coronavírus e ainda vai trazer prejuízos para a agricultura brasileira.

“Precisamos encontrar uma alternativa que seja com corredores sanitários para fazer esse nosso enfrentamento e, naturalmente, não provocar também o desabastecimento. É preciso entrar, por exemplo, matéria-prima como fertilizantes para que o País continue a produzir, porque a agricultura não está parada e não vai parar”, disse o deputado.

Para tentar reverter essa situação, os ministros da Agricultura do Brasil, do Chile, da Argentina, do Paraguai, do Uruguai, do Peru e da Bolívia se reuniram em videoconferência, na última segunda-feira (23), para definir ações sanitárias que garantam a importação e a exportação de produtos agropecuários entre esses países.

Leia Também:  Projeto permite saque do valor total do FGTS no caso de pandemia

Os ministros confirmaram que o transporte dessas mercadorias será realizado através de corredores sanitários, garantindo assim a segurança de quem transporta e de quem recebe a carga.

Reportagem – Karla Alessandra
Edição – Pierre Triboli

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Maia reafirma que é contra adiamento das eleições municipais

Publicados

em


.
Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Ordem do dia. Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia (DEM - RJ)
Maia: “a população vota por um mandato de 4 anos e não de 6, isso precisa ser respeitado”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se posicionou mais uma vez contrário ao adiamento ou à suspensão das eleições municipais deste ano em razão da crise do coronavírus. Na semana passada, o ministro da Saúde, Luiz Mandetta, propôs uma postergação do pleito de outubro.

Maia afirmou que não há previsão constitucional para a mudança no pleito e que isso abriria um precedente perigoso no futuro caso um presidente da República queira prorrogar o seu mandato. As declarações foram feitas em evento do fórum de empresários Lide nesta sexta-feira (27).

“No futuro, um presidente que tenha um comando forte poderia criar uma crise e prorrogar o seu mandato, isso não é uma questão simples, não é uma questão que se resolva fácil”, afirmou.

“Vamos cuidar dos dois próximos meses, garantir a previsibilidade, montar um planejamento para o setor produtivo voltar a produzir. Depois desses dois meses, espero, vai se liberando a sociedade e passamos a ter condições de realizar as eleições. Não podemos tratar de prorrogação de mandato: a população vota por quatro anos e não por seis. Isso precisa ser respeitado”, disse Rodrigo Maia.

Leia Também:  Projeto suspende regras de reembolso ao consumidor durante estado de calamidade

Reformas
Maia negou que a votação das reformas previstas para este ano foram postergadas para 2021. Segundo ele, as reformas só não foram votadas porque o governo não mandou nenhuma proposta de reforma administrativa e tributária. Maia disse que, após superar a crise atual, a Câmara pode retomar o debate das reformas.

“Nunca dissemos que as reformas foram adiadas para 2021, não votamos antes porque o governo não mandou nenhuma”, criticou Maia.

Na avaliação de Rodrigo Maia, com reformas aprovadas ou não, é necessário alocar recursos públicos para enfrentar a crise. Ele criticou o discurso de parte da equipe econômica que diz que a solução para a crise atual é a votação das reformas pelo Congresso.

“O pessoal da equipe econômica diz que precisa das reformas. Agora, neste momento, precisamos salvar vidas e empregos. Se o governo nos der a previsibilidade [no enfrentamento desta crise], eu garanto que a gente volta à pauta da reforma. Se eu não tenho previsibilidade, as demandas são o adiamento de imposto, dos aluguéis, como vamos pagar o salário”, declarou.

Leia Também:  Projeto permite saque do valor total do FGTS no caso de pandemia

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Pierre Triboli

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA