MERCADO VAREJISTA

Reta final das obras de ampliação da Feira do Porto

Publicados

em

Coordenada pela Secretaria de Obras Públicas (SMOP), as obras de ampliação do Mercado Varejista Antônio Moisés Nadaf, popularmente conhecido como Feira do Porto, chegam à etapa de construção da rede de drenagem de águas pluviais, situada na área externa da edificação.

Projetada pela gestão Emanuel Pinheiro, a requalificação do símbolo cultural e econômico de Cuiabá, receberá investimentos de mais de R$ 8 milhões, composto por seis banheiros, dentre eles, exclusivos à pessoas com deficiência, espaços para instalação de 18 restaurantes, 28 boxes, sete locais para lojistas, vestiários, entre outros.

O vice-prefeito e secretário, José Roberto Stopa, frisou que, neste momento, estão sendo executadas as atividades de escavação do solo, para implantação do sistema subterrâneo de tubulação e constituição dos bueiros.

A parte interna já está praticamente 100% finalizada, restando alguns detalhes apenas e, acompanhado a isso, estamos operando aqui no local onde será o estacionamento. O nosso desejo é devolver o quanto antes à população cuiabana, um dos seus importantes cartões postais“, disse o gestor.

O local conta possui uma área de mais de 5.500 metros quadrados e conta, atualmente, com mais de 149 permissionários ativos devidos em setores de folhas, frutas, farinhas, queijos e doces, lanchonete, confecção, peixe e açougue.

Leia Também:  MT Hemocentro está com estoque em situação crítica

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Médica orienta cumprir esquema vacinal para evitar casos de meningite

Publicados

em

Meningites e pneumonias podem ser causadas por vírus, fungos e bactérias. No caso desse último agente infeccioso, existem vacinas que oferecem proteção contra alguns dos sorotipos mais comuns de meningococos e pneumococos, responsáveis por manifestações graves dessas doenças”.

Considerada pelo Ministério da Saúde como doença endêmica no Brasil, a meningite ocorre com maior intensidade na forma bacteriana no inverno e na forma viral no verão. No entanto, o que preocupa é que apesar de ter cobertura, os dados do Plano Nacional de Imunização (PNI) evidenciam que 73% do público-alvo da vacina meningocócica forma mais grave da doença e distribuída gratuitamente pelo SUS não tomou todas as doses dos imunizantes.

A responsável pelo setor de terapia intensiva do sistema Hapvida, Franciane Gonçalves, explicou que a meningite é uma doença tratável.

E que, por isso, parte do problema está exatamente no não cumprimento do esquema vacinal completo, principalmente nas crianças.

É importante que tomem o reforço, pois com o tratamento incompleto fica mais suscetível da pessoa ser acometida de uma infecção”.

A médica reforça ainda que esta é uma doença que pode ser evitada.

Porém, para isso precisamos manter o calendário de proteção atualizado”, reafirmou.

Para evitar confusões, ela pontua que na hora de consultar o cartão de vacinação é recomendável pedir ajuda a atendentes.

Eu sempre explico que às vezes a pessoa lê e não compreende as doses que faltam. O ideal é que o paciente peça auxílio para identificar o que ainda precisa ser feito”, recomendou.

A profissional ainda destacou que na meningite ocorre uma inflamação da meninge, que é uma espécie de película que recobre o cérebro. Ela pode ser causada por vírus, bactérias, parasitas ou fungos.

Leia Também:  Bairros são preparados para receber água da ETA SUL

Os sintomas são variados quando o tipo é viral e são parecidos com um resfriado comum; febre, falta de apetite e fadiga. Já quando é bacteriana os sintomas são mais fortes.

É importante lembrar que a meningite meningocócica é a mais grave, podendo inclusive levar à morte. Então essa é a mais preocupante e é preciso ficar atento aos principais sintomas que são febre alta e persistente, dificuldade de colocar o queixo no pescoço, rigidez de nuca da criança e umas manchas vermelhas que aparecem pelo corpo”, completou.

Ela orienta que, neste caso, é necessário levar o paciente de imediato para o atendimento médico.

A doença é tratável, mas não pode ficar em casa, com esses sintomas”, resumiu.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA