AÇÃO DA PM

Polícia Militar fecha 60 festas clandestinas no Estado

Publicados

em

Uma vez que os índices de Isolamento Social vêm caindo em todo o país e há cada vez menos clima político para a adoção de medidas rígidas de contenção do novo Coronavírus, como por exemplo a adoção de Lockdown, essas seriam as medidas mínimas a serem tomadas pelos gestores de todas as esferas governamentais para garantir que os brasileiros atravessem 2021 com alguma segurança.

Nos últimos dias, vários países que tentaram retomar suas atividades tiveram que voltar a adotar medidas restritivas devido ao aumento de infecções. Ao mesmo tempo, enquanto em algumas partes do mundo a taxa de contágio pareça estar diminuindo, globalmente, a pandemia está piorando.

E atendendo o Decreto do Governo de Mato Grosso, de sexta-feira (12) até esta ultima terça-feira (16), a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso já realizou 104 dispersões de aglomerações em eventos irregulares no estado. Mais de 2,1 mil pessoas foram abordadas nas ações; 32 delas foram conduzidas à delegacia. A ação visa coibir eventos em meio ao carnaval cancelado por conta da Pandemia da Covid-19.

Mesmo sem as tradicionais festas carnavalescas, a Polícia Militar não parou, reforçou ainda mais o policiamento com 631 policiais e 256 viaturas para garantir a segurança da população e intensificar a fiscalização em prol do combate às festas e eventos clandestinos com grande número de pessoas.

Ao todo foram 60 festas clandestinas fechadas em 34 municípios, medida de dispersar as aglomerações de pessoas para evitar a contaminação pelo Coronavírus.

De acordo com relatório da Superintendência de Planejamento Operacional e Estatística da Polícia Militar (SPOE-PMMT), nesse período, 2.186 pessoas foram orientadas a deixar as festas, bares e outros eventos e irem para casa.

As 32 pessoas apresentaram maiores irregularidades como porte de entorpecentes, armas de fogo, resistência, dentre outras ações fora da lei, foram conduzidas pelos policiais militares à delegacia.

Em 2020, desde que começaram as medidas restritivas de prevenção ao novo coronavírus, a Polícia Militar fez 5.709 dispersões, acabou com aglomerações, festas e dentre outros eventos irregulares.

Ainda no mesmo período, a Polícia Militar fechou cerca de 400 estabelecimentos por desrespeitarem as medidas de prevenção essenciais para evitar a contaminação do vírus e notificou 2.153 comércios nos quais havia pessoas sem usar a máscara facial, proteção obrigatória.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Aumenta mais de 50% mortes de crianças causadas por eletricidade no Brasil
Propaganda

Geral

Cuiabá abre pré-cadastro para vacinação de pessoas com comorbidades

Publicados

em

A vacinação de pessoas com comorbidades deve ser escalonada e começar pelos doentes mais vulneráveis à Covid-19. Apesar de as orientações definitivas dependerem de diretriz do governo federal, secretários municipais da Saúde já discutem a logística da vacinação do maior grupo prioritário, que virá após a imunização de idosos.

Entre as doenças que fazem parte da lista de comorbidades, segundo o Plano Nacional de Imunização (PNI), estão diabetes mellitus, pneumopatias crônicas graves, hipertensão, problemas de coração, doença cerebrovascular, doença renal crônica, anemia falciforme, obesidade mórbida, síndrome de down, HIV e cirrose hepática.

A Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá (SES) abriu nesta terça-feira (04) o pré cadastro da vacinação do grupo de pessoas com comorbidades. Para se cadastrarem, elas devem entrar no site vacina.cuiaba.mt.gov.br e preencher todos os campos obrigatórios.

Na primeira fase deste grupo serão contemplados:

– Pessoas com Síndrome de Down, a partir de 18 anos;
– Gestantes e puérperas com comorbidades, a partir de 18 anos;
– Pessoas com comorbidades de 55 a 59 anos;
– Pessoas com Deficiência Permanente cadastradas no Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) de 55 a 59 anos.

Importante ressaltar que gestantes, puérperas e pessoas com comorbidades quando forem se vacinar deverão obrigatoriamente levar um laudo médico comprovando a comorbidade, que deve estar contemplada na lista disponibilizada pelo Ministério da Saúde (MS).

Pessoas que não apresentarem o laudo, ou cuja comorbidade não esteja na lista do Ministério, não serão vacinadas. Da mesma forma, pessoas com Deficiência Permanente precisam levar um documento ou o cartão que comprove o cadastro no Programa de Benefício de Prestação Continuada para serem imunizadas.

Este grupo começará a ser vacinado com a vacina da Pfizer, na sexta-feira (07), no Centro de Eventos do Pantanal.

Pedimos que neste momento apenas as pessoas contempladas dentro deste primeiro grupo de comorbidades faça o pré cadastro no site da vacinação. Entendemos que muitos estão ansiosos para serem imunizados, mas é importante seguirmos corretamente a ordem preconizada pelo Ministério da Saúde, pois o grupo abrange um grande número de pessoas. Estamos realizando a campanha com muita responsabilidade e transparência e precisamos do apoio e compreensão da população para continuarmos este trabalho de maneira rigorosa e organizada”, comenta Valéria de Oliveira, coordenadora da campanha de vacinação em Cuiabá.

CONFIRA AQUI AS COMORBIDADES E SUAS DESCRIÇÕES

Diabetes mellitus – Qualquer indivíduo com diabetes

Pneumopatias crônicas graves – Indivíduos com pneumopatias graves incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica, fibrose cística, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática).

Hipertensão Arterial Resistente (HAR) – HAR = Quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão ou PA controlada em uso de quatro ou mais fármacos anti- hipertensivos

Hipertensão arterial estágio 3 – PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg independente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade

Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade – PA sistólica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica entre 90 e 109mmHg na presença de lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade

Doenças cardiovasculares

Insuficiência cardíaca (IC)IC com fração de ejeção reduzida, intermediária ou preservada; em estágios B, C ou D, independente de classe funcional da New York Heart Association

Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar – Cor-pulmonale crônico, hipertensão pulmonar primária ou secundária

Cardiopatia hipertensiva – Cardiopatia hipertensiva (hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica, lesões em outros órgãos-alvo)

Síndromes coronarianas – Síndromes coronarianas crônicas (Angina Pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós Infarto Agudo do Miocárdio, outras)

Valvopatias – Lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico (estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricúspide, e outras)

Miocardiopatias e Pericardiopatias – Miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos; pericardite crônica; cardiopatia reumática

Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas – Aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos

Arritmias cardíacas – Arritmias cardíacas com importância clínica e/ou cardiopatia associada (fibrilação e flutter atriais; e outras)

Cardiopatias congênita no adulto – Cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica, crises hipoxêmicas; insuficiência cardíaca; arritmias; comprometimento miocárdico

Próteses valvares e Dispositivos cardíacos implantados – Portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas; e dispositivos cardíacos implantados (marca-passos, cardio desfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de média e longa permanência)

Doença cerebrovascular – Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico; ataque isquêmico transitório; demência vascular

Doença renal crônica – Doença renal crônica estágio 3 ou mais (taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2) e/ou síndrome nefrótica

Imunossuprimidos – Indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias; pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos 6 meses; neoplasias hematológicas

Hemoglobinopatias graves – Doença falciforme e talassemia maior
Obesidade mórbida – Índice de massa corpórea (IMC) ≥ 40
Síndrome de down – Trissomia do cromossomo 21
Cirrose hepática – Cirrose hepática Child-Pugh A, B ou C

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Os preparativos para o retorno das atividades do comércio de Cuiabá
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA