NOVA FASE PARA COMBATER A PANDEMIA

Pacientes da rede publica vão receber dose de medicamento para combate a “Covid-19”

Publicados

em

As mais diversas “Pandemias” passadas deixaram um legado na história com um número signi-ficativo de óbitos e de pessoas enfermas. Essa experiência é capaz de mostrar a necessidade de elaboração de “Planos de Preparação para Enfrentamento de Pandemias”, flexíveis e capazes de dar resposta que o problema requer.

E seguindo protocolo do infectologista chefe em Várzea Grande, Dr. Francisco Kennedy Scofoni Faleiros de Azevedo e da Organização Mundial de Saúde (OMS), bem como do próprio Ministério da Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde, começa a oferecer a partir desta segunda-feira, 22, para pacientes atendidos na Rede Pública Municipal e devidamente acompanhados de laudo e receita médica específica, medicamentos considerados como tratamento precoce para casos da “COVID-19” ou “Coronavírus”.

Segundo o secretário de Saúde de Várzea Grande, Diógenes Marcondes, caberá ao profissional médico decidir qual o medicamento que será ofertado a cada um dos pacientes, pois se o mesmo tem uma comorbidade como hipertensão arterial, diabetes, problemas de coração ou qualquer outra enfermidade é necessário que se saiba qual o melhor medicamento a ser oferecida, por isso a automedicação pode ser mais nocivo do que o tratamento, por desconhecimento do quadro geral de cada paciente.

Toda a Rede Pública Municipal de Várzea Grande está apta para o primeiro atendimento aos pacientes, sendo que se ficar constatada a necessidade e a prescrição médica, o paciente pode se deslocar para uma das cinco policlínicas de Várzea Grande, localizadas nos Bairros, Jardim Glória, Marajoara, Parque do Lago, 24 de Dezembro e Cristo Rei ou para o Centro de Especialidade em Saúde (CES), antigo Postão para receber o medicamento que conforme portaria assinada por nós, deverá ser feita por paciente, atendido na rede pública municipal e munido de exames e de receituário médico e com a dose específica, para se evitar o consumo desenfreado de remédios”, disse o secretário de Saúde de Várzea Grande, Diógenes Marcondes.

O titular da pasta da Saúde Pública de Várzea Grande sinalizou que já tem correndo processo licitatório para aquisição de medicamentos sendo que neste primeiro momento estão sendo ofertados remédios que fazem parte do estoque do Centro de Atendimento e Distribuição de Insumos e Medicamentos (CADIM), que anualmente realiza quatro processos licitatórios para suprir as necessidades da rede de medicamentos e insumos para a área de saúde pública de Várzea Grande.

Volto a frisar que estamos, por ordem da prefeita Lucimar Sacre de Campos, todos voltados para encontrar soluções para fazer frente a “Pandemia da COVID-19”, mas que a população não pode, não deve, sob pena de piorar seu quadro de saúde pública, sair se automedicando, descontroladamente e sem regras e acompanhamento médico como determinam os principais organismos de saúde mundial”, disse Diógenes Marcondes ponderando que a principal arma da população é fazer o isolamento social para os que podem, trabalhando em casa (Home Office) e para aqueles que não podem adotar os meios e maneiras corretas de segurança como, distância de 1,5 metros entre as pessoas, uso constante de máscaras, luvas quando necessário e higienização rigorosa e também constante.

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Várzea Grande, o vereador e médico Miguel Angel, sinalizou que a pandemia tem deixado as pessoas intranquilas e angustiadas, o que muitas vezes acaba levando os mesmos a procurarem soluções sem saber a realidade dos fatos.

Neste momento é importante se confiar nos profissionais médicos e no empenho e determinação do Poder Público de Várzea Grande que está buscando soluções para fazer o enfrentamento a pandemia e combater a “COVID-19”, mas de forma racional e sem criar novos problemas, pois medidas pensadas e planejadas vão surtir mais efeito do que aquelas tomadas sem nenhuma racionalidade”, disse o presidente da Comissão de Saúde.

Segue em anexo, nota de esclarecimento do Comitê de Enfrentamento ao novo Coronavírus, a COVID-19 e da Secretaria Municipal de Saúde de Várzea Grande.

NOTA DE ESCLARECIMENTOS

O Comitê de Enfrentamento ao Novo Coronavírus (COVID 19) de Várzea Grande e as Secretarias de Saúde e Comunicação Social, esclarecem aos interessados que a partir desta segunda-feira, em caráter experimental e com acompanhamento médico, será ofertado medicamento para o tratamento precoce de casos de COVID-19, para pacientes devidamente atendidos, com exames e com receituário médico da Rede Pública Municipal.

Todas as unidades de saúde municipais estão aptas ao atendimento de pacientes, mas apenas as Policlínicas do bairros: Jardim Glória; Marajoara; 24 de Dezembro; Parque do Lago e Cristo Rei, além do Centro de Especialidades em Saúde (Postão), farão a entrega do medicamento, lembrando que isto depende de atendimento médico e da prescrição em receita com duas vias, para uma ficar arquivada na referida unidade para o acompanhamento dos pacientes.

Lembram ainda que caberá ao profissional médico a prescrição do medicamento de acordo com a necessidade e o quadro do paciente que se tiver outras comorbidades exige tratamento específico e medicamento específico.

Os órgãos municipais informam ainda que, a automedicação trás riscos a saúde e que somente pacientes com sintomas serão tratados.

Processos de Licitação estão publicados para aquisição de mais medicamentos, insumos e equipamentos médicos para fazer o enfrentamento a COVD-19.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Cuiabá é o primeiro município no ranking da economia verde com geração de empregos
Propaganda

Geral

“Segunda dose da vacina será no polo mais próximo de sua casa”

Publicados

em

A partir da segunda quinzena do mês de julho a campanha de vacinação em Cuiabá começou a receber a maior concentração de aplicação de dose 2 da vacina da Astrazeneca, que tem um intervalo de 12 semanas entre as duas doses.

Já a vacina da Pfizer, que tem o mesmo tempo de espera entre as duas doses, começará a ter um fluxo grande de pessoas para tomar a segunda vacina no começo do mês de agosto.

As pessoas que tomaram a primeira dose tanto da Astrazeneca, quanto da Pfizer já saíram com a data para tomar a segunda marcada no cartão de vacinação e lançada no sistema. Com o fechamento do polo do Centro de Eventos do Pantanal, as pessoas que estavam com a segunda dose marcada para tomar no local tiveram as agendas apagadas do sistema.

Passamos a reagendar estas pessoas para outros polos, mas caso alguém não tenha recebido a nova agenda no cadastro da vacinação, ela pode ir ao polo mais próximo de sua residência, na data e horário marcado no cartão. É imprescindível levar o cartão de vacinação para tomar a segunda dose, explica Valéria de Oliveira, coordenadora da campanha.

Aqueles que tomaram a primeira dose em outros polos precisam olhar o agendamento da segunda dose no cadastro da vacinação e devem receber a segunda aplicação no dia, horário e local marcado na agenda.

A partir da próxima semana teremos um volume grande de pessoas que vão tomar a segunda dose, além de continuarmos com a aplicação da primeira para os grupos prioritários e para a população de 18 a 39 anos com as vacinas dos faltosos. É uma logística grande e precisamos que todos cooperem e compareçam aos polos de vacinação nas datas e locais corretos para que possamos manter a campanha funcionando de forma organizada, disse a coordenadora.

Dose 1

Quem está cadastrado no site e ainda não tomou a primeira dose está aguardando em uma fila de espera virtual. Quando a pessoa for agendada, o sistema do site enviará uma mensagem de WhatsApp automática e/ou um e-mail informando que ela já está confirmada para ir tomar sua vacina.

No dia da vacinação, ela deve levar o QR Code do agendamento impresso, um documento com foto e o comprovante de endereço de Cuiabá. A pessoa também deve estar com o cartão do SUS atualizado.

No caso de vacinação pela categoria profissional, também é preciso apresentar declaração de vínculo funcional. Já no caso das pessoas que se cadastraram pelos grupos de comorbidades ou deficiência permanente grave, além de gestantes, puérperas e lactantes, é preciso apresentar o laudo médico.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Postos de combustíveis de Cuiabá e Várzea Grande são vistoriados pelo Procon
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA