ENERGIA SOLAR EM CRESCIMENTO

Cuiabá é o 1º município do Brasil a atingir 100 MW em GD solar

Publicados

em

O crescimento da energia solar PV tem ocorrido acima de todas as expectativas e já coloca esta fonte de energia renovável como a de maior crescimento e aquela que deve apresentar os maiores avanços nos próximos anos, em função da redução do preço de produção e devido à capacidade de atender a demanda do mercado, especialmente na produção e distribuição descentralizada.

China, Estados Unidos, Japão e Alemanha estão no topo da lista mundial dos países com a maior potência instalada de energia fotovoltaica. Para quem já conhece esses países sabe que não é estranho encontrar pelas ruas casas com telhados solares produzindo a própria energia.

E a produção da própria energia elétrica usando painéis solares se espalhou também por quase toda a Europa. O que estes países têm de diferente do Brasil? A incidência de sol.

O potencial energético do Brasil de produzir energia fotovoltaica é muito maior do que o da Alemanha, por exemplo. No que diz respeito aos níveis de radiação, a região mais ensolarada da Alemanha tem o índice de radiação solar 40% menor que o índice da região menos ensolarada do nosso Brasil.

Dá pra imaginar o potencial de mercado que nosso país estava perdendo por não haver regulamentação da produção de energia elétrica através do sol?

Cuiabá é o primeiro município do Brasil a atingir a marca de 100 MW de potência solar instalada em residências, fachadas e em pequenos e médios terrenos, segundo dados apurados junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Leia Também:  "Operação Impetus Centro" cumpriu 18 ordens judiciais contra lideres do comércio de drogas em Cuiabá

Com pouco mais de 615 mil habitantes, a capital do Estado de Mato Grosso já acumula mais de 9,45 mil UCs (Unidades Consumidoras) recebendo créditos e pouco mais de 9 mil usinas fotovoltaicas em operação.

Entre as classes de consumo, os sistemas residenciais são os de maior predominância, com mais de dois terços das usinas (7,62 mil) e mais da metade de toda a potência instalada no município (55 MW). Na sequência, aparecem os sistemas em comércios (24,5 MW) e indústrias (15,8 MW), respectivamente.

De acordo com Thiago Trindade, empreendedor do setor de energia solar na região, Cuiabá é uma cidade que o consumo de energia é alto, por causa das temperaturas elevadas em quase todos os meses do ano.

Isso faz com que a necessidade de ter um sistema de energia solar em casa se torne muito atrativo, pelos benefícios econômicos“, disse ele.

Hoje, uma residência familiar comum, com 4 pessoas, consome tranquilamente de 700 a 800 kwh/mês. Já uma empresa climatizada, para proporcionar um mínimo de conforto para seus clientes, consomem de 3 mil a 4 mil kwh/mês, se não for um espaço muito grande“, explicou.

Já para Tiago Vianna de Arruda, coordenador estadual de Mato Grosso pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), e Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição. de Energia Elétrica e Gás no Estado de Mato Grosso (Sindenergia/MT), a adesão a energia solar também tem relação direta com o agronegócio regional.

O fato de a concessão englobar todo o Mato Grosso, muitas empresas do agro têm concentrado seus geradores em Cuiabá, fazendo uso da energia através do autoconsumo remoto e também visando operação e manutenção concentrada. Isso tudo gera um custo menor e consequentemente traz ainda mais atratividade financeira para os investimentos (em solar)“, destacou.

Energia solar em MT

Atualmente, o Estado de Mato Grosso está em lugar no ranking de geração de energia solar distribuída no país, com 497 MW de potência instalada, ficando atrás apenas de Minas Gerais (1.479 MW), São Paulo (1.079 MW) e Rio Grande do Sul (1.011 MW).

Leia Também:  11 municípios recebem vacinas para campanhas contra a Covid-19 e Influenza

Entre os anos de 2020 e 2021, a Energisa, empresa responsável pela distribuição de energia no estado mato-grossense, registrou um aumento de mais de 200% nos pedidos para análises de projetos para a inclusão de geração solar na rede de distribuição, o que revela um aumento no interesse dos consumidores pela fonte fotovoltaica na região.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Geral

Médica orienta cumprir esquema vacinal para evitar casos de meningite

Publicados

em

Meningites e pneumonias podem ser causadas por vírus, fungos e bactérias. No caso desse último agente infeccioso, existem vacinas que oferecem proteção contra alguns dos sorotipos mais comuns de meningococos e pneumococos, responsáveis por manifestações graves dessas doenças”.

Considerada pelo Ministério da Saúde como doença endêmica no Brasil, a meningite ocorre com maior intensidade na forma bacteriana no inverno e na forma viral no verão. No entanto, o que preocupa é que apesar de ter cobertura, os dados do Plano Nacional de Imunização (PNI) evidenciam que 73% do público-alvo da vacina meningocócica forma mais grave da doença e distribuída gratuitamente pelo SUS não tomou todas as doses dos imunizantes.

A responsável pelo setor de terapia intensiva do sistema Hapvida, Franciane Gonçalves, explicou que a meningite é uma doença tratável.

E que, por isso, parte do problema está exatamente no não cumprimento do esquema vacinal completo, principalmente nas crianças.

É importante que tomem o reforço, pois com o tratamento incompleto fica mais suscetível da pessoa ser acometida de uma infecção”.

A médica reforça ainda que esta é uma doença que pode ser evitada.

Porém, para isso precisamos manter o calendário de proteção atualizado”, reafirmou.

Para evitar confusões, ela pontua que na hora de consultar o cartão de vacinação é recomendável pedir ajuda a atendentes.

Eu sempre explico que às vezes a pessoa lê e não compreende as doses que faltam. O ideal é que o paciente peça auxílio para identificar o que ainda precisa ser feito”, recomendou.

A profissional ainda destacou que na meningite ocorre uma inflamação da meninge, que é uma espécie de película que recobre o cérebro. Ela pode ser causada por vírus, bactérias, parasitas ou fungos.

Leia Também:  Nos últimos três anos, Cuiabá registra queda de 13% no número de homicídios

Os sintomas são variados quando o tipo é viral e são parecidos com um resfriado comum; febre, falta de apetite e fadiga. Já quando é bacteriana os sintomas são mais fortes.

É importante lembrar que a meningite meningocócica é a mais grave, podendo inclusive levar à morte. Então essa é a mais preocupante e é preciso ficar atento aos principais sintomas que são febre alta e persistente, dificuldade de colocar o queixo no pescoço, rigidez de nuca da criança e umas manchas vermelhas que aparecem pelo corpo”, completou.

Ela orienta que, neste caso, é necessário levar o paciente de imediato para o atendimento médico.

A doença é tratável, mas não pode ficar em casa, com esses sintomas”, resumiu.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA