Geral

“Coronavírus”: Mato Grosso descarta outros cinco casos suspeitos de “Covid-19”

Publicados

em

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou no mês de fevereiro 5 casos suspeitos de “Coronavírus” em Mato Grosso. No total, são monitorados oito casos suspeitos no estado, provenientes de seis municípios.

O Ministério da Saúde confirmou, no dia 26 de fevereiro, o primeiro caso de “Covid-19” no Brasil. Diante da ampliação dos países com transmissão local e a confirmação do primeiro caso no Brasil, Mato Grosso passou a identificar possíveis casos suspeitos e o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública ampliou a ação de monitoramento no Estado.

Recomendações

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo Coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

Nesta segunda-feira (09), a Secretaria de Estado de Saúde (SES/MT), por meio do Centro de Operações de Emergência em Saúde de Mato Grosso (COE/MT), registrou o descarte de cinco suspeitas de Coronavírus no Estado. Os casos descartados passaram pela avaliação do laboratório nacional de referência e são dos municípios de Cuiabá (2), Glória D’Oeste (2) e Sorriso (1).

Atualmente, a SES considera dois casos suspeitos do novo vírus em Mato Grosso. De acordo com Nota Informativa, as suspeitas do Covid-19 em Mato Grosso estão em Alto Taquari (1) e Cuiabá (1). O documento também esclarece que todos os casos suspeitos são monitorados diariamente, apresentam situações estáveis e sem alteração clínica.

Ainda conforme a área técnica, os dados estão sendo atualizados gradativamente pelo sistema nacional de monitoramento.

No total, 11 casos já foram acompanhados pelas equipes de vigilância, contudo, quatro ocorrências notificadas em Cuiabá (1), Sinop (1), Diamantino (1) e Nova Mutum (1) foram excluídas pelo Ministério da Saúde por não preencherem a definição necessária para COVID-19.

Ainda conforme a área técnica, os dados estão sendo atualizados gradativamente pelo sistema nacional de monitoramento.

Recomendações

Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo Coronavírus.

Entre as medidas estão:

· Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;
· Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;
· Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
· Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
· Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
· Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
· Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
· Manter os ambientes bem ventilados;
· Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;
· Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Todas as notas técnicas da secretaria estão disponíveis neste link.

Acesse à Nota Técnica da SES.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  PGE pede investigação criminal contra "Fake News" de que Governo fecharia 300 escolas

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Geral

PGE pede investigação criminal contra “Fake News” de que Governo fecharia 300 escolas

Publicados

em

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) pediu que a Polícia Judiciária Civil investigue criminalmente a divulgação de notícias falsas de que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) iria fechar 300 escolas. O pedido foi encaminhado nesta quarta-feira (25).

As “Fake News” tiveram início por mensagens de Whatsapp, porém passaram a circular em veículos de comunicação, o que conforme o documento da PGE, “são capazes de causar pânico e medo na população mato-grossense“.

A PGE destaca no pedido que a divulgação das notícias falsas não pode passar despercebida pela Polícia Civil e que a apuração deve colher elementos de provas que possam demonstrar o “cometimento, em tese, de crime ou contravenção penal de disseminação dolosa de conteúdo sabidamente falso“.

Em razão disso tudo, esta Procuradoria do Estado solicita a abertura de investigação criminal para apuração dos fatos acima descritos, que, a depender dos elementos de provas a serem colhidos, por intermédio inclusive da quebra de sigilos diversos com autorização judicial, se mostrar necessária ou conveniente, poderão eventualmente (se assim vierem a indicar tais elementos de provas) demonstrar o cometimento, em tese, de crime ou contravenção penal de disseminação dolosa de conteúdo sabidamente falso, com alguma finalidade espúria, buscando produzir pânico na população ou, ainda, mesmo que indiretamente, influenciar em questões eleitorais (CP, arts. 139 ou 299; ou Lei de Contravenções Penais, art. 41)“.

A Seduc informou que, ao contrário do que falam as Fake News, o trabalho realizado no momento é de reorganização das salas ociosas em que não há alunos e com infraestrutura física precária.

O objetivo da secretaria é oferecer uma melhor estrutura física aos estudantes e profissionais da educação e, consequentemente, criar um ambiente favorável em que seja possível a melhoria do Ideb.

A PGE anexou no requerimento matérias jornalísticas da Secretaria Adjunta de Comunicação que comprovam que o Estado nunca pretendeu fechar 300 escolas, conforme asseverou o secretário de Estado de Educação, Alan Porto.

Confira a íntegra da representação em anexo

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Trilha do Morro de Santo Antônio é liberada após extinção de incêndio
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA