DEVERIAM ESPERAR MAIS TEMPO

Pesquisa mostra que 77% reprovam retorno dos campeonatos de futebol no Brasil

Publicados

em

Pesquisa realizada pela Toluna apontou que rejeição a jogos com torcida nos estádios é ainda maior; 51% acham que estaduais deveriam ser cancelados para priorizar Brasileirão

Mesmo diante da curva crescente de casos e com 75 mil mortes pela “COVID-19” no país, os estados do Rio de Janeiro e São Paulo organizaram o retorno de seus campeonatos estaduais de futebol, marcando a volta do esporte no Brasil após mais de três meses de paralisação. Para os entrevistados em uma pesquisa da Toluna, a volta da competição aconteceu muito cedo e passa a mensagem de descuido dos governos com a população.

Entre os dias 7 a 10 de julho, a Toluna, fornecedora líder de insights do consumidor sob demanda, entrevistou 634 pessoas de todas as regiões do Brasil. A maioria dos consultados (77%) considera a volta dos Campeonatos Carioca, no dia 18 de junho, ocorreu cedo demais, e que os organizadores deveriam esperar mais tempo para o retorno das atividades. Com relação ao Campeonato Paulista, que reestreia no dia 22 de julho, a reprovação é de 68%.

A realização de jogos com presença das torcidas nos estádios apresenta uma rejeição ainda maior: 86% dos entrevistados é contra a medida. Entre os torcedores que têm o hábito de frequentar estádios, 58% responderam que não irão ao campo este ano; já 18% desse universo afirma que voltará a comprar seu ingresso assim que a medida for autorizada.

A agenda dos campeonatos também é motivo de preocupação, já que alguns estaduais ainda estarão em andamento quando o Brasileirão e a Copa do Brasil voltarem. Na opinião de 51% dos entrevistados, os torneios estaduais deveriam ser cancelados para priorizar competições nacionais.

Entre as medidas de prevenção contra a transmissão do novo Coronavírus, o maior apoio vai para jogos sem torcidas nos estádios (79%); na sequência aparece a realização de testes e isolamento de atletas (52%); testes em todos os profissionais envolvidos nos eventos (46%); e proibição de contato físico na comemoração dos gols (44%).

Essa pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 10 de julho, com 634 pessoas das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep), onde pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 4.500 por mês. Estudo feito com pessoas acima de 18 anos, de todas as regiões brasileiras, com 3 pontos percentuais de margem de erro e 95% de margem de confiança.

Link para a pesquisa completa:

http://tolu.na/l/Fw5d7B2K

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Árbitros da FMF são escalados para a rodada de estreia das Séries B e C
Propaganda

ESPORTES

Mixto Feminino realiza ação solidária durante a “Pandemia”

Publicados

em

A “Pandemia do Covid-19” interrompeu uma tradição cuiabana: sentar e conversar com os amigos e vizinhos, comer um delicioso bolo de arroz, tomar o famoso cafezinho com os amigos, fumar um cigarro de palha. Trouxe ainda consequências mais preocupantes: doença, desemprego e fome. Mas situações de crise também criam oportunidades.

Uma ação solidária foi criada como um instrumento para transformar o desejo de quem quer ajudar, ainda que isolado em sua casa, pessoas que estão enfrentando imensas dificuldades nesta realidade imposta pela pandemia do novo “Coronavírus“.

O time do Mixto Feminino desenvolve ação e arrecada kits básicos às famílias de atletas em situação de vulnerabilidade. Cerca de 34 kits foram distribuídas em prol de amenizar o impacto financeiro durante a pandemia do novo Coronavírus.

O período de “Pandemia” do novo Coronavírus tem afetado diretamente muitas famílias. Uma ação desenvolvida pelo Mixto Feminino resultou na doação de kits de cestas básicas, com alimentos e produtos de limpeza à famílias de atletas de 12 a 25 anos cadastradas no Projeto Toque de Letra.

Ao todo, 34 kits foram doadas pela Associação Mato-grossense de Esportes Olímpicos (Ameco) e distribuídas aos atletas.

Vivemos dias de dificuldades em razão da propagação do vírus. Como não foi possível fazermos a entrega dos kits coletivamente, mantivemos o compromisso e fizemos uma força tarefa para que sejam entregues em domicílio. O Kit não cessará a fome das famílias, porém, por alguns dias os pais e a mães das atletas contempladas terão pelo menos o básico para colocar na mesa, destacou Renner Benevides.

O Projeto Toque de Letra atende 62 meninas de oito a 20 anos, e tem como objetivo descobrir novos talento do futebol feminino em Mato Grosso. O projeto é coordenado pelos professores Celso Nunes e Renner Benevides.

O Mixto Feminino projeta a próxima ação, com o objetivo de doar 100 marmitas para andarilhos que estão em situação de vulnerabilidade em Cuiabá. O projeto ressalta a importância de colaboradores e parceiros.

Para mais informações e doações, entrar em contato através dos seguintes números: (65) 99307 2494 e (65) 9980 11982.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Farra no futebol acabou e Globo perde Libertadores
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA