EM DEFESA DOS NEGROS

Em Londres, Lewis Hamilton participa de manifestação contra racismo

Publicados

em

Lewis Hamilton tem se mostrado bastante ativo quanto às ideias que defende. Neste domingo (21), o inglês participou de manifestação contra o racismo em Londres

Lewis Hamilton está disposto a mostrar que seu engajamento em assuntos de grande importância mundial não é apenas discurso. Neste domingo (21), o inglês postou em suas redes sociais que estava em protesto contra o racismo em Londres.

O hexacampeão tem sido bastante crítico em relação aos últimos acontecimentos que receberam atenção ao redor do mundo. Nas últimas semanas, o multicampeão fez diversas reflexões em suas redes sociais, começando pela morte de George Floyd, passando pelo racismo que passou em sua vida e chegando até mesmo na derrubada de estátuas ao redor do mundo.

E o #44 não tem se limitado a fazer posts e vídeos em seu Instagram, mostrando se movimentar para ser a mudança no mundo. Inclusive, participou de uma manifestação que aconteceu no Reino Unido. Através de seu Instagram, postou fotos e vídeos durante o ato.

Nas imagens que compartilhou, Hamilton mostrou estar com uma camiseta e uma placa em que estão escritos Black is a vibe [preto é um sentimento, em tradução livre].

Você pode não ser racista, mas precisamos que seja anti-racista. Significa que eduquemos vocês mesmos e outros. Se posicione para alertar injustiças e preconceitos que pessoas pretas e de cor sofrem regularmente, e têm sofrido nos últimos 100 anos”, escreveu o piloto.

Não podemos ficar quietos. Precisamos de suas vozes. Precisamos que saia de sua zona de conforto e nos apoie sendo anti-racista e deixe as pessoas saberem qual lado apoia nessa luta. Encoraje sua família, colegas e amigos para continuarmos fazendo mudanças”, completou.

E Lewis tem trabalhado para trazer mais inclusão ao esporte a motor. Recentemente, o inglês revelou a criação da Comissão Hamilton, em que pretende promover o emprego de pretos no esporte.

Nas redes sociais Lewis Hamilton escreveu ainda:

Hoje (domingo) fui ao Hyde Park para um protesto pacífico e fiquei muito orgulhosa de ver pessoalmente tantas pessoas de todas as raças e origens que apoiam esse movimento. Eu tive orgulho de estar lá, reconhecendo e apoiando o movimento Black Lives Matter e minha herança negra. Fiquei tão feliz em ver pessoas de todas as idades, exibindo sinais de Black Lives Matter e dizendo isso tão apaixonadamente quanto eu. Também fiquei feliz em ver tantos apoiadores brancos em nome da igualdade para todos. Foi realmente emocionante. Sinto-me extremamente positivo com a mudança, mas não podemos parar agora. Continue lutando. #blacklivesmatter ✊🏾

Foto: Daniel “Spinz” Forrest

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  São Paulo goleia o Rondonópolis por 4 x 0 na Copinha
Propaganda

ESPORTES

Brasil perde do Canadá nos pênaltis e está eliminado dos Jogos Olímpicos

Publicados

em

Não deu para a seleção feminina. Nesta sexta-feira (30), pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o Brasil fez um jogo duríssimo com o Canadá, chegou a ter a vantagem nos pênaltis, mas acabou sendo derrotada por 4 a 3 nas cobranças, dando adeus à competição.

A seleção não fez o seu melhor jogo e foi abaixo do esperado em muito momentos. O Canadá também não fez uma grande partida, que foi decidida nas penalidades máximas. Bárbara defendeu o chute de Sinclair no início das cobranças, mas Andressa Alves e Rafaelle pararam na goleira canadense Labbé nas duas últimas cobranças do Brasil. Com o resultado, se encerra um ciclo do futebol feminino. Os jogos Olímpicos de Tóquio marcam a provável despedida de Formiga e Marta da seleção feminina.

Esta é a segunda vez em seis edições olímpicas disputadas que o Brasil fica fora das quatro melhores equipes, repetindo o resultado de Londres-2012. Além disso, a seleção foi medalha de prata em Atenas 2004 e Pequim 2008, mas desde então não subiu mais ao pódio olímpico.

Agora, o Canadá aguarda o adversário da semifinal, que vai sair do grande duelo entre Estados Unidos, atuais campeãs mundiais, e a Holanda, atual vice-campeã do mundo. O confronto pela vaga na final acontece na próxima segunda-feira (2), às 5h (de Brasília).

Depois do jogo contra a Zâmbia, Pia Sundhage voltou à formação titular para iniciar o duelo com o Canadá. A partida, no entanto, começou bastante estudada. As equipes se alternavam na subida da marcação para tentar pressionar as adversárias. A primeira boa chance do Brasil foi aos 14 minutos, quando Tamires tocou para Marta na área, recebeu de volta e chutou de primeira, mas mandou por cima do travessão.

Na sequência, entretanto, as canadenses acordaram e aumentar o volume de jogo. Passaram a atacar com mais perigo, obrigando a zaga e Bárbara a trabalharem. A seleção feminina do Brasil sentiu o mal o momento e facilitou a vida do Canadá, que conseguia achar mais espaços e chutou com perigo, pelo menos, duas vezes. Marta, por sua vez, ficou muito isolada na esquerda e pouco pôde fazer.

Com 30 minutos do primeiro tempo, a equipe de Pia reagiu e igualou mais as ações, com um jogo bastante truncado no meio campo. Aos 40, zagueira canadense se atrapalhou, Debinha roubou a bola, mas ela escapou um pouco e deu tempo de a goleira sair bem para fazer a defesa. Foi a melhor chance do Brasil na primeira etapa, que teve um Canadá mais produtivo e um placar inalterado.

O Canadá voltou novamente melhor depois do intervalo e complicava a saída de bola do Brasil. Aos poucos, com Marta mais livre, a seleção feminina foi se encontrando mais no jogo. Aos 14, o Canadá teve a melhor chance da partida até então, em cabeceio de Gilles que explodiu no travessão.

Ludmila entrou no lugar de Bia Zaneratto e deu um gás a mais na equipe, brigando pelas bolas no ataque. Com o passar do tempo, o Brasil conseguiu ficar mais com a bola e tentava achar espaços no ataque. O Canadá ainda teve mais uma boa chance em cobrança de falta e antecipação de Bárbara para fazer a defesa. A seleção feminina tinha mais volume, mas criava poucas chances reais. O jogo, então, ficou mais morno e a prorrogação já parecia inevitável.

O Brasil ainda teve mais algumas chances em enfiadas de bola, mas sem levar muito perigo. No último lance da segunda etapa, Marta cobrou escanteio e goleira afastou. Mas o Canadá arrancou em contra-ataque e Bárbara precisou abafar a bola de Lawrence para salvar o gol e decretar o tempo extra.

O Brasil seguia tentando, mas tinha dificuldade, com Marta visivelmente cansada. Enquanto isso, o Canadá começou a levar mais perigo à meta brasileira em jogadas de velocidade pelas laterais. No final do primeiro tempo, a seleção feminina adiantou a marcação para tentar roubar a bola, mas sem sucesso. O Canadá ainda tentou ameaçar nos últimos minutos, mas também sem êxito.

No segundo tempo da prorrogação, os dois times tinham medo de arriscar e poder levar um gol em um momento mais delicado do jogo. As equipes apostavam em lances de mais velocidade e o Brasil começou a chegar com mais perigo e assustar as canadenses.

Nos últimos minutos, pressão brasileira, que teve a melhor chance do jogo em cabeceio de Erika no canto esquerdo da goleira Labbé, que se esticou toda para fazer a defesa e salvar o Canadá. O Brasil tentou até o final, mas a bola não queria entrar e a disputa foi para os pênaltis.

Nas penalidades máximas, Bárbara começou defendendo a cobrança de Sinclair. Andressa Alves desperdiçou a sua e o Canadá passou a frente. Rafaelle foi para a última cobrança e também parou na goleira Labbé, decretando a eliminação do Brasil.

FIM DE UM CICLO

Com o resultado, se encerra um ciclo do futebol feminino. Os jogos Olímpicos de Tóquio marcam a despedida de Formiga e Marta da seleção feminina.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Após ato de Bolsonaro, governadores divulgam "Carta Aberta" em apoio a Maia e Alcolumbre
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA