MUNICÍPIOS ATENDIDOS

Mendes anuncia projetos para mais de mil km de asfalto novo e 51 novas pontes

Publicados

em

Fazer projeto é muito importante para podermos viabilizar os recursos com antecedência. Estamos fazendo algo que hoje não existe em nenhum estado brasileiro. Nós tomamos as medidas corretas e estamos em um estado maravilhoso, que tem muita oportunidade, gente trabalhadora, gente séria e, agora, tem um governo a altura daquilo que é a maioria do nosso povo. Muita gente que olhou o programa e duvidou. Muitas vezes já vimos programas sendo lançados. O cidadão, nós e vocês, tinha razão quando não acredita. Existe um histórico de descumprimento disso ao longo dos anos. Mas graças a Deus e o apoio de muitos dos presentes, estamos mudando Mato Grosso”.

Foi o que disse o Governador de Mato Grosso, Mauro Mendes Ferreira (DEM) durante a apresentação da contratação de serviços de elaboração e revisão de estudos, projetos básicos e executivos para 1.057,78 quilômetros de novas pavimentações e 51 pontes de concreto.

As ordens de serviço para o início dos projetos serão emitidas no mês de março e as obras serão executadas diretamente em 34 municípios, mas vão atender a todas as regiões de Mato Grosso.

O anúncio foi realizado durante evento no Palácio Paiáguas, onde também foram emitidas ordens de serviço para o início de obras de pavimentação em uma extensão de 775 quilômetros e a construção de 40 pontes de concreto.

O governador Mauro Mendes e o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, fizeram a apresentação para secretários de Estado, senador, deputados federais e estaduais e os prefeitos municipais.

Tanto os projetos anunciados, quanto as ordens de serviço, beneficiam mais de 70 municípios e fazem parte do Programa Mais MT, considerado o maior programa de investimentos da história de Mato Grosso. Somente nas ações de infraestrutura estão previstos investimentos totais de R$ 4,73 bilhões em quatro anos (2019-2022).

Conforme o governador Mauro Mendes, a elaboração de projetos é necessária para que o Governo possa realizar novas obras e promover a expansão da malha rodoviária estadual pavimentada e, desse modo, atender parte da grande demanda que o Mato Grosso possui de obras de pavimentação e pontes. Tudo isso como parte do Mais MT que antes era dúvida, hoje é realidade.

Os projetos serão elaboradores em sete lotes, com investimento total de R$ 14,195 milhões, a fim de serem lançados para a licitação já no próximo ano, inclusive, com o respectivo início das obras, conforme o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira.

É um prazer estarmos aqui lançando esses projetos para novas obras em Mato Grosso. De Norte a Sul, de Leste a Oeste, Mato Grosso já está recebendo obras. Obras sendo concluídas, obras sendo executadas e novos projetos sendo lançados para beneficiar todo o Estado, pois quando você executa uma obra, você não traz melhoria só para aquela cidade. Você muda a realidade de toda uma região e proporciona o desenvolvimento de todo o Estado”.

O Lote 1 prevê a elaboração de projeto de pavimentação de 265,49 quilômetros de trechos das rodovias MT-402, MT-241 e 020, além de oito pontes nas MT-020 e MT-403.

Serão beneficiadas diretamente os municípios de Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Nobres, Nova Brasilândia, Paranatinga e Planalto da Serra.

Já o Lote 2 prevê a revisão de projetos de pavimentação de 100,09 quilômetros de trechos das rodovias MT-339/246, além de mais sete pontes nessas rodovias.

As obras serão executadas nas cidades de Barra do Bugres, Lambari D’Oeste, Nova Olímpia, Rio Branco, Salto do Céu e Tangará da Serra.

Para o Lote 3 está previsto a elaboração de projeto de pavimentação para uma extensão de 91,51 quilômetros das rodovias MT-338, MT-324 e MT-130, além de outras duas pontes nas MT-324 e MT-130.

Serão beneficiadas diretamente as cidades de Feliz Natal, Nova Ubiratã e Sorriso.

Já para o Lote 4 está previsto a elaboração de 209,42 quilômetros de trechos das rodovias MT-488, MT-242 MT-222, MT-010, MT-443 e MT-487 e mais sete pontes nas MT-222, MT-010 e MT-443.

As obras serão executadas nos municípios de Ipiranga do Norte, Itanhangá, Nova Maringá, Porto Gaúchos, Sorriso e Tapurah.

O Lote 5, por sua vez, prevê a elaboração e revisão de projetos das MT-208/419 e MT-160, totalizando uma extensão de 131,59 quilômetros, além de 12 pontes nas mesmas rodovias.

Os municípios de Aripuanã, Apiacás, Carlinda, Nova Monte Verde e Novo Mundo serão diretamente beneficiados.

Já o Lote 6 prevê a elaboração e revisão de projetos em uma extensão de 99,09 quilômetros das MT-110 e MT-437 e mais 10 pontes nessas rodovias e também nas MT-129 e MT-109.

As obras serão executadas nas cidades de Canarana, São José do Xingu, Gaúcha do Norte e Canabrava do Norte.

O Lote 7, último lote, prevê a elaboração e revisão de projetos da MT-110, totalizando uma extensão de 160,58 quilômetros e mais cinco pontes nesta mesma rodovia.

Os projetos vão atender as cidades de Barra do Garças, General Carneiro, Novo São Joaquim e Tesouro.

Representando um dos municípios beneficiados com os projetos, o prefeito de Chapada dos Guimarães, Osmar Froner, agradeceu o empenho do Governo do Estado em viabilizar não apenas as obras de infraestrutura rodoviária ao Município, mas também as ações voltadas para o desenvolvimento e fortalecimento do turismo na cidade, que também fazem parte do Programa Mais MT, porém de outro eixo que não a infraestrutura.

Temos obras de pavimentação, programa das pontes e também temos obras do trade turístico. Chapada dos Guimarães ganha obras importantíssimas do governo Mauro Mendes e está bastante contemplada. O programa Mais MT é um pacote de obras e ações bastante arrojado. Chapada dos Guimarães, através da MT-251, liga Cuiabá ao leste do Estado. É uma região que tem um fluxo grande de passagem e de turismo. Chapada dos Guimarães terá uma nova cara, afirmou.

Também presentes no evento, o senador da República, Carlos Fávaro, deputados federais, deputados estaduais e, principalmente, os prefeitos municipais foram uníssonos em afirmar que o Programa Mais MT e o consequente lançamento de novos projetos de obras rodoviárias é uma ação extraordinária do Governo de Mato Grosso, que vai mudar a realidade do cidadão mato-grossense de todas as regiões do Estado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Jucemat registra aumento de 14% no fechamento de empresas no primeiro semestre
Propaganda

ECONOMIA

Produção industrial de Mato Grosso acumula queda de 5,8% até novembro de 2020

Publicados

em

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que o setor da indústria, no Mato Grosso, acumulou queda de 5,8% na produção até novembro de 2020. O segmento mais afetado foi fabricação de produtos de madeira, que registrou perda de 24,7%. Já para os produtos alimentícios a redução foi de 2,4%. O único resultado positivo foi para fabricação de produtos químicos, que teve alta de 2,4%.

Segundo o superintendente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (FIEMT), Mauro Santos, o desempenho do setor no estado esteve em linha com o nacional, que teve recuo de 5,5% no acumulado de 2020.

Para ele, com essa baixa, os consumidores tiveram que pagar mais por produtos cujas matérias primas sofreram impacto no valor.

Essa falta de matéria-prima impacta nos preços, porque aumenta os custos da indústria, e esse custo é repassado ao consumidor final. Isso porque diversas matérias-primas tiveram aumento no preço que varia de 30% a 70%. Cito o exemplo do TDI poliol e do aço, que aumentaram mais de 100%, contribuindo para a alta nos preços dos produtos acabados”, explica.

Apesar disso, Santos projeta que, para 2021, haja um crescimento da produção industrial motivados pelo consumo de alimentos, de combustíveis e pela dinâmica da construção civil, que está incentivada por juros mais baixos e um estoque que atende às demandas.

Setor frigorífico

Considerado um dos mais representativos dentro da agroindústria de Mato Grosso, o setor frigorífico perdeu 8,06% de produção no mesmo período. A informação é do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Ao todo, foram abatidas 4,8 milhões de cabeças até novembro do ano passado. Na avaliação do presidente do Sindicato das Indústrias de Frigoríficos (Sindifrigo/ MT), de Paulo Bellicanta, a tendência é de continuidade na queda em 2021.

É claro e natural que o seu impacto foi o aumento no preço da carne para o consumidor final. Isso é inevitável. É uma lei de mercado: oferta e procura. De setembro em diante, houve uma escassez significativa na alta de preços, com a influência que eu acabei de dizer, relata.

Ainda segundo Bellicanta, a demanda continua e isso é notado com a elevação nos preços da carne.

A situação só deve se normalizar a partir do segundo semestre de 2022, quando finaliza o ciclo da pecuária, que leva de dois a três anos de duração”, afirma.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Pagamento de FGTS para domésticos é obrigatório a partir de hoje
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA