ALTO PREÇO

“Isolamento Social” para o combate à “Covid-19” custa R$ 20 bilhões por semana

Publicados

em

Muito se tem questionado sobre a necessidade e a função do distanciamento social, por vezes chamado de “Isolamento Social” aplicado para combater a doença e que esta deixando as pessoas com muito medo e preocupadas, porém até o momento, sem um tratamento comprovado ou uma vacina, ficar em casa, é a mais eficaz maneira de combater o “Coronavírus“.

A “Pandemia da Covid-19“, que tomou o mundo neste ano, virou a vida de muitos de ponta-cabeça. O modelo de vivência que todos estamos acostumados foi abruptamente interrompido, e substituído pela saudade que temos de nossos familiares, amigos, e até mesmo de nossas rotinas diárias.

O Ministério da Saúde recomenda que todos estejam a no mínimo dois metros de distância uns dos outros, pois o vírus não se espalha pelo ar, mas sim pelo contato, e por gotículas de saliva, expelidas pela fala, tosse ou espirros.

Mas a questão levantada por muitos é por que tudo está parando? Se o grupo de risco são os idosos e pessoas com doenças imunodeficientes, hipertensivos, diabéticos, transplantados, por que fechar escolas, comércio, e não somente isolar esses grupos?

Por tal fato, o “Isolamento Social” de todos os possíveis, se torna necessário, não só daqueles que estão inseridos no grupo de risco.

Os serviços essenciais como de Saúde e Segurança, por exemplo, continuam funcionado, e o “Isolamento Social” ajuda a dar maior segurança para que os profissionais dessas áreas trabalhem de forma mais tranquila, pois a redução de pessoas utilizando transportes públicos, ou até mesmo andando nas ruas é menor, o que eu pode garantir a distância recomendada pelo Ministério da Saúde seja utilizada.

Mas, esse “Isolamento Social” tem um preço a ser pago, um estudo divulgado pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia, estimou que o custo desse “Isolamento Social” para a economia do país é de R$ 20 bilhões por semana.

Segundo o documento, o custo imediato foi estimado com base em levantamento detalhado de informações para os 128 produtos da Tabela de Recursos e Usos do IBGE. O “Isolamento Social” é defendido por autoridades sanitárias, incluindo a Organização Mundial de Saúde (OMS), como forma de evitar propagação veloz da Covid-19 e o colapso do sistema hospitalar.

O estudo do Ministério da Economia afirma que os impactos econômicos podem ser divididos em três pontos:

– impacto imediato diante das restrições à produção e ao consumo;
– duração do período de recuperação;
– e impacto sobre a trajetória de longo prazo da economia.

No caso do efeito sobre a trajetória de longo prazo da economia, o documento alerta que as projeções podem ser muito piores caso a paralisação dure por um período maior do que até 31 de maio. A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia destaca que os efeitos da quarentena não se dão somente para o período em que vigora, mas tem efeitos para os trimestres e anos posteriores.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  TCE diz que estrutura do local é adequada para o armazenamento de equipamentos hospitalares
Propaganda

ECONOMIA

Governo abre licitação para construir ponte de 240 metros sobre o Rio Aripuanã

Publicados

em

O Governo do Estado, por meio Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), abriu licitação para contratar empresa de engenharia para executar a construção da ponte de concreto na MT-208 sobre o Rio Aripuanã, no município de Aripuanã (949 km de Cuiabá). A abertura da licitação está publicada no Diário Oficial que circula nesta segunda-feira (29).

A ponte vai substituir uma estrutura de madeira já existente e permitir a ligação de Aripuanã, ao distrito de Conselvan, assim como à cidade de Rondolândia e ao Estado de Rondônia com maior segurança. Além disso, será uma importante ferramenta para o escoamento da produção e será fundamental para fortalecer o desenvolvimento econômico da região Noroeste de Mato Grosso.

Conforme o edital de licitação, a ponte terá uma extensão de 240 metros e uma largura de 12,8 metros, totalizando uma área de 3.072 m². Está prevista ainda a execução do encabeçamento das duas cabeceiras da ponte, em uma extensão de 1,73 quilômetro. O valor estimado do conjunto de obras é de R$ 15,9 milhões.

De acordo com o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, essa obra será de grande importância para Aripuanã, especialmente para o escoamento da produção da região Oeste do município e será realizada por meio de uma parceria firmada entre Estado e prefeitura. Serão investidos R$ 10 milhões do Governo do Estado, além de recursos da União, por meio da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

A licitação será realizada na modalidade Regime Diferenciado de Contratação (RDC), do tipo menor preço. A entrega das propostas ocorrerá durante sessão pública no dia 21 de julho, às 9h, no auditório da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag). A expectativa é que essa licitação apresente um deságio em relação ao valor estimado, assim como ocorreu no processo licitatório às obras de pavimentação da MT-208, no município.

As obras da MT-208 foram contratadas por aproximadamente R$ 39 milhões, o que representou uma economia de R$ 10 milhões ao Governo do Estado. São asfaltados 41,69 quilômetros da rodovia MT-208, no trecho que vai de Aripuanã até Passagem do Loreto, localizado no entroncamento da MT-418 que dá acesso à BR-174.

Outras informações acerca da licitação da ponte de concreto, como o edital completo, o projeto executivo e demais documentações complementares encontram-se disponíveis para consulta no site da Sinfra. Eventuais esclarecimentos de dúvidas quanto ao edital poderão ser solicitados, preferencialmente, via e-mail [email protected].

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Nota MT completa um ano e já distribuiu R$ 5 milhões em prêmios
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA