ECONOMIA

Economia alemã pode recuar até 20% devido a coronavírus

Publicados

em


.

A economia da Alemanha pode recuar até 20% neste ano devido ao impacto do coronavírus, disse um economista do Ifo, nesta quarta-feira, com o moral empresarial alemão caindo para seu nível mais baixo desde a crise financeira global, em 2009.

Os resultados finais da pesquisa do instituto Ifo, instituição de pesquisa sediada em Munique, mostraram que seu índice de clima de negócios caiu de 96,0 para 86,1 em fevereiro.

“Esta é a queda mais acentuada desde a reunificação alemã e o valor mais baixo desde julho de 2009”, disse o presidente do Ifo, Clemens Fuest, em comunicado.

“A economia alemã está em choque”, disse Fuest, acrescentando que as expectativas empresariais em particular haviam piorado como nunca antes, enquanto a avaliação das empresas sobre sua situação atual também caiu acentuadamente.

No setor de serviços, o indicador de clima de negócios registrou a maior queda desde que os dados foram coletados pela primeira vez, em 2005, disse o Ifo.

No setor manufatureiro, o índice caiu para o nível mais baixo desde agosto de 2009, com o subíndice de expectativas registrando a queda mais acentuada em 70 anos de pesquisas no setor.

Leia Também:  Com saldo positivo, setor da construção prevê aumento de empregos formais

O economista do Ifo Klaus Wohlrabe disse à Reuters que a economia alemã pode contrair entre 5% e 20% este ano, dependendo da duração do desligamento causado pela pandemia.

Wohlrabe acrescentou que espera uma recessão severa que dure pelo menos dois trimestres.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

“Defendemos que o Agro e o Meio Ambiente devem andar juntos no Brasil”

Publicados

em

A campanha“Desmatamento Ilegal Zero”, lançado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), defende que o Agro e Meio Ambiente devem caminhar juntos no Brasil e, como parte desse movimento, um Projeto de Lei que visa combater esses crimes foi protocolado do Congresso Nacional.

Conhecido como o Projeto de Lei do “Desmatamento Ilegal Zero, o PL 4689/2019, de autoria do Deputado Zé Vitor (PL/MG), parlamentar que compõe a FPA, que defende um fortalecimento no monitoramento e controle das autorizações de desmatamento de vegetação nativa, terá seu parecer apresentado nas próximas semanas na Comissão de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de acordo com seu relator na Câmara dos Deputados, deputado federal Neri Geller (PP/MT).

No projeto o parlamentar federal Zé Vitor justifica que o governo brasileiro não dispõe de ferramentas de monitoramento sobre o que é desmatamento garantido pela legislação (legal) e o ilegal, aquele que é considerado crime contra nosso maior patrimônio, nossos biomas.

Segundo ele, as estatísticas oficiais divulgadas não separam o legal do ilegal, nem quanto do desmatamento ocorreu efetivamente em imóveis rurais”. Por esse motivo, “os produtores rurais são criminalizados e confundidos com grileiros e outros detratores do meio ambiente, justifica.

O projeto em questão propõe também aumento de pena para quem desmatar, cortar, destruir, danificar, adquirir, vender, armazenar, transportar, comercializar ou transformar vegetação nativa sem autorização do órgão ambiental competente. A legislação atual determina detenção de um a três anos e multa, para quem incorrer no crime, sendo que a proposta em trâmite na Câmara prevê pena de reclusão de um a cinco anos e multa.

Tivemos o trabalho nas comissões comprometido durante a pandemia, mas agora com a reinstalação dos trabalhos, estamos muito próximos de apresentar nosso parecer e votar o valoroso projeto do deputado Zé Vítor“, afirmou Geller.

Segundo informações da CNN, nas últimas semanas, técnicos do Brasil e dos Estados Unidos vêm negociando para que o Brasil faça um gesto concreto sobre o desmatamento da Amazônia na Cúpula de Líderes sobre o clima que ocorrerá no próximo dia 22 nos EUA. Nesse contexto, a fala do deputado progressista reitera os esforços no combate ao desmatamento.

O parlamentar mato-grossense do Partido Progressista (PP/MT), Neri Geller, a quem também foi confiada a relatoria do projeto que definirá a Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL 3729/2004), possui trajetória empresarial e política com experiência na área produtiva e ambiental. O parlamentar já participou ativamente da elaboração e regulamentação do Código Florestal e por isso, tem sido enfático na questão da necessidade de produção sustentável e fiel cumprimento da lei, “garantindo segurança jurídica ao produtor que agir dentro da legalidade, expôs.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Isenções para as exportações devem ser incluídas na reforma tributária, defende deputado mato-grossense
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA