NÃO AFETOU O BOLSO DOS CUIABANOS

Cuiabanos diminuem ritmo de endividamento e inadimplência

Publicados

em

A crise econômica provocada pela Covid-19 parece ter perdido força e não tem mais afetado tanto o bolso das famílias cuiabanas. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada no mês de agosto pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio-MT), apresentou o segundo recuo consecutivo e atingiu 69,8%.

O patamar atual é 4,9 pontos percentuais menor do que o registrado em junho de 2020 (74,7%), período em que a pesquisa apresentou o maior resultado desde o início da pandemia. Na comparação anual, o índice está 5,1 pontos percentuais maior do que o verificado em agosto de 2019 (64,7%).

O auxílio do governo federal contribuiu, positivamente, para a recuperação do consumo, auxiliando no pagamento de despesas dos cuiabanos”, disse o presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior.

O uso do cartão de crédito lidera como principal tipo de dívida das famílias, com 68,2%, uma queda na comparação com o mesmo período do ano passado (71,7%). Os carnês aparecem em segundo, com 34,8%, e, em terceiro, o financiamento de carro, com 8,1%.

Inadimplência

Com relação ao número de endividados com contas em atraso e que, portanto, tornaram-se inadimplentes, o ritmo também foi de queda, saindo de 42,4% registrado em junho, passando para 41,5% no mês seguinte, até aos atuais 38,1% em agosto. No entanto, o percentual ainda é maior se comparado a agosto do ano passado, quando atingia 31,9% das famílias.

Já sobre a parcela daquelas que declararam que não terão condições de pagar as dívidas, a queda foi menor no mesmo período, de 17,2% em junho, para 17,1% em julho e, agora, com 15,7%. Este resultado é o único inferior na comparação anual da pesquisa, quando, em agosto de 2019, o percentual estava em 15,9%.

Capacidade de pagamento

A parcela da renda comprometida com dívidas também acompanhou o ritmo de queda dos últimos meses, de 25,3% em junho, maior patamar no ano, para 24,3% em julho e 23,5% em agosto, se aproximando do valor registrado no mesmo período do ano passado, que foi de 22,8%.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Lei do Gás vai baratear gás de cozinha e criar oportunidades para indústrias em MT
Propaganda

ECONOMIA

Municípios recebem a segunda parcela do FPM de setembro

Publicados

em

Os municípios de Mato Grosso vão receber R$ 15.184.848,00 nesta sexta-feira (18) referentes à segunda parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de setembro.

O repasse é 5,79% maior que o realizado período do ano passado, quando foram transferidos às prefeituras R$ 14.354,077,00.

Apesar do aumento, a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) está alertando os prefeitos para possíveis quedas nos repasses.

O primeiro repasse de setembro apresentou uma redução grande nos valores. Apesar desse aumento sensível na segunda parcela, o Tesouro Nacional estima que em âmbito nacional, a diferença para o mês de setembro será superior a R$ 2,2 bilhões. O cenário só deve começar a apresentar melhoras em novembro”, disse o presidente da entidade, Neurilan Fraga.

Em outubro, o cenário apresenta uma melhora, porém, ainda deve registrar queda de quase 2%, uma diferença de R$ 104 milhões, também comparado ao mesmo período de 2019. Por outro lado, em novembro, a estimativa aponta que o FPM deve ter de crescimento de 0,8%.

As perdas serão amenizadas por recomposição dos valores até o mês de novembro. A complementação foi garantida por meio de mobilização municipalista nacional, garantindo um nível pelo menos igual ao de 2019 no limite de até R$ 16 bilhões de verba.

A orientação é para que os gestores mantenham cautela com os gastos, pois o valor não deve cobrir a queda esperada nas receitas dos entes locais.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Semana Brasil - CDL Cuiabá divulga centenas de vagas de emprego para a capital e VG
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA