UMA LEVE MELHORA

Confiança do comerciante cuiabano volta a crescer em março

Publicados

em

Depois de registrar duas quedas mensais da pesquisa que monitora o nível de confiança do empresário do comércio (Icec) em Cuiabá, março apresentou leve melhora e atingiu 123,4 pontos contra os 122,6 do mês anterior, alta de 0,7%, segundo levantamento feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) em parceria com o Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio em Mato Grosso (IPF-MT).

No entanto, a variação anual da pesquisa está 7,8% inferior se comparado a março de 2020, quando somava 133,8 pontos.

A coleta dos dados da pesquisa ocorreu nos 10 últimos dias do mês de fevereiro, quando os empresários manifestaram o nível de confiança para o mês de março. Os componentes que avaliam as condições atuais da economia e do comércio tiveram resultados negativos na pesquisa de março, de 2,9% e de 0,7%, respectivamente.

De acordo com a análise da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio/MT), o aumento de casos em todo país e as implementações de medidas restritivas podem ter contribuído para o aumento da desconfiança do setor.

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio/MT), José Wenceslau de Souza Júnior, explica que há necessidade de agilizar a vacinação, além da tomada de decisões que preservem a manutenção das empresas em todo estado.

Encaminhamos ofício ao governador do estado propondo medidas que amenizem os impactos nas atividades econômicas do estado, entre elas, está maior prazo para o recolhimento de impostos, prorrogação de validade de certidões, redução ou isenção de taxas e financiamentos com baixo custo”, informou ele.

Propensão a investir

A pesquisa apresentou aumento para o componente que mede a expectativa do empresário do comércio, de 0,9% sobre o mês anterior, alcançando 161,1 pontos, e de investimentos futuros, que apresentou alta de 1,9% no mês e atingiu 111,5 pontos. Ainda assim, os dados atuais também são inferiores se comparados a março passado, quando registravam 168,7 e 117,3 pontos, respectivamente.

Questionados sobre a expectativa de contratação de funcionários, dos 181 empresários entrevistados na capital, 80,6% disseram que vão aumentar o quadro de colaboradores e 19,3% afirmaram que irão reduzir.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Conmebol quer terminar Libertadores, Sul-Americana e mantém Eliminatórias em setembro
Propaganda

ECONOMIA

“Defendemos que o Agro e o Meio Ambiente devem andar juntos no Brasil”

Publicados

em

A campanha“Desmatamento Ilegal Zero”, lançado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), defende que o Agro e Meio Ambiente devem caminhar juntos no Brasil e, como parte desse movimento, um Projeto de Lei que visa combater esses crimes foi protocolado do Congresso Nacional.

Conhecido como o Projeto de Lei do “Desmatamento Ilegal Zero, o PL 4689/2019, de autoria do Deputado Zé Vitor (PL/MG), parlamentar que compõe a FPA, que defende um fortalecimento no monitoramento e controle das autorizações de desmatamento de vegetação nativa, terá seu parecer apresentado nas próximas semanas na Comissão de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de acordo com seu relator na Câmara dos Deputados, deputado federal Neri Geller (PP/MT).

No projeto o parlamentar federal Zé Vitor justifica que o governo brasileiro não dispõe de ferramentas de monitoramento sobre o que é desmatamento garantido pela legislação (legal) e o ilegal, aquele que é considerado crime contra nosso maior patrimônio, nossos biomas.

Segundo ele, as estatísticas oficiais divulgadas não separam o legal do ilegal, nem quanto do desmatamento ocorreu efetivamente em imóveis rurais”. Por esse motivo, “os produtores rurais são criminalizados e confundidos com grileiros e outros detratores do meio ambiente, justifica.

O projeto em questão propõe também aumento de pena para quem desmatar, cortar, destruir, danificar, adquirir, vender, armazenar, transportar, comercializar ou transformar vegetação nativa sem autorização do órgão ambiental competente. A legislação atual determina detenção de um a três anos e multa, para quem incorrer no crime, sendo que a proposta em trâmite na Câmara prevê pena de reclusão de um a cinco anos e multa.

Tivemos o trabalho nas comissões comprometido durante a pandemia, mas agora com a reinstalação dos trabalhos, estamos muito próximos de apresentar nosso parecer e votar o valoroso projeto do deputado Zé Vítor“, afirmou Geller.

Segundo informações da CNN, nas últimas semanas, técnicos do Brasil e dos Estados Unidos vêm negociando para que o Brasil faça um gesto concreto sobre o desmatamento da Amazônia na Cúpula de Líderes sobre o clima que ocorrerá no próximo dia 22 nos EUA. Nesse contexto, a fala do deputado progressista reitera os esforços no combate ao desmatamento.

O parlamentar mato-grossense do Partido Progressista (PP/MT), Neri Geller, a quem também foi confiada a relatoria do projeto que definirá a Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL 3729/2004), possui trajetória empresarial e política com experiência na área produtiva e ambiental. O parlamentar já participou ativamente da elaboração e regulamentação do Código Florestal e por isso, tem sido enfático na questão da necessidade de produção sustentável e fiel cumprimento da lei, “garantindo segurança jurídica ao produtor que agir dentro da legalidade, expôs.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Antonio Marcos Rodrigues: - O Dilema da Soja
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA