AUMENTO NA TAXA DE DESEMPREGO

Taxa de desemprego aumenta em Mato Grosso; agora achamos a nova desculpa: “Coronavírus”

Publicados

em

A rotina nos últimos dias é de pessoas indo buscarem oportunidades no mercado de trabalho na Internet. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego aumentou em 9,1%, em Mato Grosso.

O dado nos coloca na 6° colocação no ranking de Estados em que o desemprego mais cresceu desde o trimestre encerrado em dezembro do ano passado.

Nos próximos meses, muito será debatido sobre as políticas públicas para a geração de empregos e renda no nosso lindo Brasil…a eleição esta ai batendo em sua porta.

Falar de desemprego no Brasil atualmente é muito difícil, tendo em vista o atual momento de nossa economia. A cada três novas pessoas desempregadas no mundo, uma será brasileira. Enfrentando a maior taxa de desocupação do país, somos a população que aguardará a reviravolta deste quadro apenas nos próximos anos, quando a Organização Internacional do Trabalho (OIT) prevê o retorno do crescimento de postos de trabalho no Brasil, junto com a economia. Enquanto isso, o governo federal aposta em prazos mais curtos.

Mais não se assustem caros leitores do Blog do Valdemir, o desemprego vai se aprofundar em Mato Grosso, e a culpa será de quem? Coronavírus. Porém, como consequência da incapacidade dos nossos gestores públicos em dar uma resposta à Pandemia da Covid-19. Assim temos um bom motivo para estarmos preocupados com tanto a trajetória da “Pandemia”, como com a capacidade de implantar medidas para reagir a isso.

A verdade é que os estados que realizaram amplos testes com sua população tem conseguido proteger um maior número de empregos.

Entretanto, estudos revelam que o desemprego está tendo “crescimento devastador”, entre os jovens e que já há desde fevereiro um aumento “substancial” do desemprego entre essa camada, que, não só está destruído seu emprego, como também está atrapalhando a educação e a formação e colocando grandes obstáculos no caminho daqueles que buscam entrar no mercado do trabalho ou se movimentar entre empregos.

Falando sério

Muito bem! Em síntese, podemos dizer que os dados dos estudos realizados sobre o aumento do desemprego expressam uma relativa permanência do quadro de um mercado de trabalho desestruturado, que não se recuperou da crise 2015/2016. As orientações políticas encaminhadas pelos nossos gestores para enfrentar a crise do emprego não trouxeram os resultados prometidos. A insistência nas políticas ou ajuste fiscal e de progressivas ondas de reforma trabalhista e previdenciária, não cumpriram as promessas de incrementar a economia e gerar empregos.

Número de desempregado em MT

O número do aumento de desemprego no Estado, no momento não tem como afirmar, quantas pessoas perderam o seu emprego, já que, no momento, pode-se sentir as dificuldades de obtenção de dados relativos ao desempenho do mercado de trabalho.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC/IBGE) está começando a fazer experiência de realizar a pesquisa por telefone. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério da ECONOMIA também enfrentam problemas na coleta e, portanto a divulgação está em atraso, tornando ainda mais complicado e análise dos desdobramentos da crise sobre o mercado de trabalho.

A verdade é que ainda é cedo para fazer alguma previsão do número de desemprego, mais precisa em Mato Grosso.

Porém os cenários pessimistas das estimativas (taxa de desemprego mais próxima de 20% a 25% ao final do ano) parecem fazer mais sentido diante da velocidade que o processo de paralisação das atividades tem acontecido, o que nos leva a crer um forte crescimento do desemprego, caso os gestores públicos de Mato Grosso, não anunciem novas medidas para combater oCoronavírus, para preservar, de fato, os empregos e de transferência de renda.

“Efeito pandemia”

Embora já esperasse o “efeito pandemia“, o reflexo que acontece no país inteiro deixa os municípios em uma situação muito difícil, já que sozinho não tem fluxo de caixa para permitir as empresas serem as retomadas.

Assim a importância das campanhas coletivas e o apoio do Governo com aporte financeiro a pessoas físicas e liberação de crédito as empresas, o que na verdade não é garantia de retomada, é só para evitar o pior.

A retomada das atividades econômicas também tem suas implicações, que variam com as características das atividades, já que, enquanto as lojas sofreram com o fechamento, sua abertura possibilita uma volta rápida, já para a indústria o ciclo é mais longo, desativar uma linha é algo mais complexo. Porém, ao mesmo tempo quando isso acontece, a indústria consegue chamar um maior número de trabalhadores.

Nota da redação

Para o próximo semestre, muita gente vai optar pelo empreendedorismo porque o mercado de trabalho não vai voltar completamente. Empreender vai ser uma saída para 2021/2022. Esse cenário deve provocar um aumento significativo no número de microempreendedores individuais em Mato Grosso.

Atualmente, quem já tem o próprio negócio, em muitos casos tenta sobreviver, já nos últimos dias do mês de junho.

Tudo culpa do Coronavírus

O Coronavírus está sendo para muitos políticos, a melhor coisa que acontece. Agora terás desculpa para tudo.

O dólar subiu? Coronavírus. Palmeiras perdeu? Coronavírus. A Saúde está péssima, não tem remédios e leitos de UTIs? Coronavírus. Ninguém me parabenizou no meu aniversário? Coronavírus.

Esta pandemia vai ser desculpa perfeita. Pode cair o mundo que vamos dizer que foi por conta do Coronavírus.

Enfim, se a coisa for pro beleléu, eu digo que foi culpa do Coronavírus, se não for os políticos dirão: foi graças a mim.

Eitaaa Mato Grosso…, um Estado bom demais é assim: a população fica com a culpa das coisas ruim e, dá o crédito das coisas boas para os políticos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Várzea Grande supera os 7 mil imunizados no 3º dia "D" contra Covid-19
Propaganda

Destaques

371 mil eleitores de Mato Grosso estão com títulos cancelados

Publicados

em

Em anos não eleitorais, a Justiça Eleitoral verifica no cadastro nacional quais eleitoras e eleitores não votaram nem justificaram a ausência nos três últimos turnos. Essa verificação é chamada de depuração do cadastro e implica o cancelamento do título eleitoral em caso de não regularização, exceto nos casos em que o voto é facultativo. A Justiça Eleitoral realiza a depuração do cadastro com o objetivo de atualizar o cadastro nacional do eleitorado.

Na última depuração do cadastro, em maio de 2019, 674.500 (93,98%) pessoas não quitaram suas pendências e tiveram o título automaticamente cancelado pela Justiça Eleitoral. Esse número representa 2,04% do eleitorado total do Estado.

Suspensão do cancelamento

Devido à Pandemia do Coronavírus, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu as consequências para as pessoas que não votaram nem justificaram a ausência nas Eleições 2020. Desse modo, mesmo quem deixou de pagar multas referentes aos dois turnos desse pleito poderá emitir certidões de quitação eleitoral, o que pode ser feito de forma online. A suspensão do cancelamento é válida enquanto o atendimento for realizado de forma remota ou houver nova deliberação do TSE.

Títulos cancelados

No Estado de Mato Grosso, atualmente cerca de 2,2 milhões de eleitores estão em situação regular e poderão votar nas Eleições de 2022. Em contrapartida, 371.676 eleitores estão com os títulos cancelados por motivos que podem ser regularizados até a data final de 04 de maio.

Os títulos cancelados, 101.503 deles, são decorrentes de ausência às urnas nos três últimos pleitos, e 270.173 por não comparecimento à revisão do eleitorado, isto é, não fizeram a biometria.

É importante ressaltar que a coleta biométrica continua suspensa pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em função da Pandemia de Covid-19, mas isso não impede a regularização da situação. Portanto, é fundamental que as pessoas procurem o atendimento virtual o quanto antes para poderem participar do processo eleitoral.

Prazo para regularização até 04 de maio

Os eleitores que precisam regularizar o título eleitoral, solicitar transferência de endereço ou mesmo aqueles que desejam tirar a primeira via do documento, precisam se atentar ao prazo final. Esses procedimentos e qualquer outra alteração no cadastro eleitoral precisam ser feitos até o dia 04 de maio de 2022.

A data, que corresponde a 151 dias antes do pleito deste ano, é estipulada para que a Justiça Eleitoral consiga organizar o pleito. Qualquer uma destas solicitações pode ser feita pelo sistema TítuloNet. Basta preencher o requerimento online e aguardar o retorno da Justiça Eleitoral.

O atendimento virtual é orientado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE/MT), no intuito de evitar aglomerações nos Cartórios Eleitorais, como medida de prevenção à Covid-19.

Os interessados também podem tirar dúvidas entrando em contato com os Cartórios Eleitorais, por telefone, e-mail ou WhatsApp, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30. Há ainda o Disque Eleitor (0800 647-8191), cujo atendimento ocorre de segunda a sexta-feira, entre 7h30 e 18h.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Lei cria o Dia dos Gestores e Gestoras Governamentais do Estado de Mato Grosso
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA