SETEMBRO AMARELO

SES-MT realiza o IV Encontro Intersetorial de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio

Publicados

em

Aproveitando a data mundial, a campanha “Setembro Amarelo” foi criada no Brasil em 2015. O projeto é um trabalho conjunto do Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), com a proposta de associar a cor ao mês que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio no dia 10 de setembro.

O objetivo é conscientizar sobre a prevenção do suicídio e dar visibilidade à causa. Ao longo dos últimos anos, escolas, universidades, entidades do setor público e privado e a população de forma geral se envolveram neste movimento.

Os índices crescentes de suicídios nas últimas décadas alertam sobre a importância de falar sobre o assunto. Ainda há muito tabu acerca do tema, mas o colocar em pauta na sociedade é fator importante para evitar a perda de outras vidas.

É nesse cenário que o Setembro Amarelo ganha cada vez mais força. A campanha mobiliza a sociedade para conscientização sobre o tema, falando sobre como identificar sinais da ideação suicida, como ajudar ou buscar ajuda.

Com o objetivo de contribuir com a campanha Setembro Amarelo, a Superintendência do Observatório de Segurança Pública da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) elaborou um relatório detalhado das ocorrências de suicídio em Mato Grosso. O estudo é publicado neste 10 de setembro, considerado o Dia Mundial de Prevenção.

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021, divulgado em julho pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apontam que o número de suicídios no Brasil em 2020 foi de 12.895, com variação de 0,4% em relação a 2019, quando foram registrados 12.745 casos.

Em contraponto ao dado nacional, Mato Grosso apresentou aumento considerável de suicídios de 18%, passando de 226 casos em 2019 para 267 no ano passado. Já no primeiro semestre de 2021, o estado teve redução. Foram 118 casos, sendo que no mesmo período do ano passado foram 132. No acumulado de 2016 a 2020 (janeiro a dezembro) e janeiro a julho de 2021, foram 1.190 ocorrências.

No detalhamento das ocorrências, em todos os anos analisados, os homens foram a maioria das vítimas, em relação às mulheres. Dos 1.190 casos, em 922, ou seja, em 77,4% as vítimas foram do sexo masculino, enquanto 268 foram do sexo feminino. O local do fato coincide como residência das vítimas, para ambos os sexos.

O relatório ressalta ainda que as mulheres jovens que sofrem violência doméstica têm maior risco de cometer suicídio, com base em uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde entre 2011 e 2015. Ela mostrou que mulheres que tinham notificação prévia de violência doméstica apresentavam 30 vezes mais risco de morrerem por suicídio quando comparadas com mulheres sem notificação prévia de violência.

Primeiro semestre

Dos 118 suicídios identificados no primeiro semestre de 2021 em Mato Grosso, quatro deles ocorreram logo após a vítima cometer o crime de feminicídio. O mês de junho apresentou o maior número de casos, 24. A sexta-feira foi o dia da semana com maior incidência de registros (22), seguida pela quarta-feira (20). O período matutino apresenta-se como a faixa horária com maior número de casos, sendo que entre as 6h e 11h59, ocorreram 47 dos 118 suicídios levantados. Em seguida, com 28 casos, foi identificado o intervalo entre 18h e 23h59.

A faixa etária de 35 a 64 anos também coincide como maioria para homens e mulheres vítimas de suicídio. Foram 45 casos masculinos e 10 femininos. A segunda maior faixa etária é de 18 a 24 anos, com 14 homens vítimas e 3 mulheres.

A superintendente do Observatório de Segurança Pública, que é vinculado à Adjunta de Inteligência da Sesp-MT, Tatiana Pilger, explica que o relatório visa colaborar com políticas estruturais para a prevenção do suicídio.

São necessárias medidas de proteção socioeconômica a pessoas de maior vulnerabilidade, assim como ações de educação em saúde e auxílio da mídia para divulgação dos canais de atenção psicossocial e prevenção ao suicídio”.

Saúde e bem estar

Políticas que visam à equidade em saúde e a melhoria da qualidade de vida e dos modos de viver são destacadas como fundamentais pela coordenadora de Promoção e Humanização da Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), Rosiene Rosa Pires.

Nestes anos a SES-MT vem dedicando as ações e diálogos em prol da promoção da vida e prevenção do suicídio no Setembro Amarelo e também durante o ano. Vemos a necessidade de investir na promoção da saúde, como política de inclusão e justiça social, fomentando os direitos fundamentais a todos, que perpassam pelos determinantes sociais, econômicos, políticos, culturais e ambientais”.

Segundo ela, a ampliação de centros especializados também é importante, pois a existência de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) nos municípios reduz em 14% o risco de suicídio. Para 2021, o órgão dará visibilidade à promoção da cultura da paz.

Vamos abordar as tecnologias sociais que favoreçam a mediação de conflitos diante de situações de tensão social. Outro ponto é a inserção das práticas corporais, atividades físicas, arte, cultura e lazer como estratégias para a promoção da vida e, consequentemente, o enfrentamento ao suicídio”.

Ela lembra que nos dias 14 e 15 de setembro a SES-MT realizará o IV Encontro Intersetorial de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio no “Setembro Amarelo“. O evento será transmitido pelo canal YouTube da Escola de Saúde Pública, a partir das 8h30.

Serviço

O Centro de Valorização da Vida (CVV) promove apoio emocional e prevenção do suicídio, com atendimentos gratuitos a qualquer pessoa. O centro garante sigilo total e atende por telefone, e-mail e chat 24 horas por dia, nos sete dias da semana, pelo telefone 188. Os CAPS’s também prestam este apoio, com unidades distribuídas pelos municípios.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Emanuel inicia reabertura dos shoppings no pico da “Pandemia”; nada será como antes
Propaganda

Destaques

Estratégias para retorno das aulas em MT é apresentado pela Seduc no TCE

Publicados

em

Ações de acolhimento de alunos e professores, avaliações diagnósticas e estratégias para a retomada da aprendizagem foram alguns dos temas abordados durante reunião técnica ampliada entre o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) e Secretaria de Estado de Educação (Seduc). O debate aconteceu pouco mais de um mês após o retorno das aulas em formato híbrido na rede estadual de ensino.

Realizado de forma híbrida, o encontro foi proposto pelo presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), Conselheiro Guilherme Antonio Maluf, e contou com quase 500 visualizações de representantes de 24 municípios do estado.

Na ocasião, o presidente do Tribunal de Contas, Conselheiro Guilherme Antonio Maluf, falou sobre a importância de dar transparência à política de retorno às aulas.

Estávamos preocupados com a situação, então o secretário nos expôs como o trabalho tem sido executado para que o retorno seja eficiente e compense os problemas enfrentados ao longo desses quase dois anos de defasagem“.

O presidente se prontificou ainda a doar computadores seminovos do Tribunal de Contas às escolas indígenas do estado que ainda não tem acesso à internet.

Fiz a proposta para que, assim que for implantada internet nas escolas indígenas, possamos ajudar na entrega de equipamentos. São aparelhos seminovos que temos no nosso parque de máquinas“, disse.

Considerando as medidas de biossegurança e um retorno eficiente de discentes e docentes às salas de aula, o titular da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Allan Porto, anunciou que o Governo do Estado fez investimento de mais de R$ 200 milhões na aquisição dos notebooks para todos os professores, internet de alta velocidade, materiais para para sanitização como álcool, máscaras e termômetros.

Neste contexto, segundo ele, a Pasta tem atuado para identificar os diferentes níveis de aprendizagem e as principais lacunas de conhecimento. Desta forma, as aulas foram retomadas com 50% da capacidade de ocupação das unidades. Além disso, a Seduc trabalha em um planejamento estratégico para recuperar a aprendizagem, o que envolve formação continuada, avaliação diagnóstica e intervenção pedagógica.

Os esforços incluem ainda análise histórica, projeções e medidas para assegurar o cumprimento dos limites mínimos constitucionais e legais de aplicação dos recursos em Educação, incluindo percentuais do novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Também estamos contratando professores articuladores que vão trabalhar nas aulas de reforço no contraturno, afirmou o secretário.

Allan Porto destacou ainda a atuação do Tribunal de Contas do Estado, que, em sua opinião, tem agido na prevenção, orientação e construção de soluções junto aos gestores.

As estratégias vão desde material didático a investimentos na alimentação e transporte escolar. Os resultados já começam a aparecer e tenho certeza que com essas ações em conjunto com instituições vamos recuperar a aprendizagem dos estudantes“.

Guilherme Maluf chamou a atenção para a atuação da Corte de Contas na adesão dos municípios mato-grossenses à plataforma Busca Ativa Escolar, criada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A proposta já avançou bastante. Hoje, apenas 15 municípios ainda não aderiram à plataforma, o que é fundamental para que possamos chegar ao total de 100% das crianças em sala de aula“.

O objetivo da transmissão online foi assegurar a participação de todos os atores envolvidos no processo de retorno às aulas presenciais, tais como prefeitos, secretários municipais de Educação, membros dos conselhos municipais e estadual de Educação, vereadores, deputados estaduais e demais interessados.

A reunião pode ser acompanhada pelo Canal do TCE-MT no YouTube (clique aqui).

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Lutando pelos seus direitos, Agentes de Saúde e de Endemias lotaram Plenário da Câmara de Cuiabá
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA