VEM AÍ NOVAMENTE O "LOCKDOWN"

População resiste em aderir a quarentena obrigatória, pode resultar em “Lockdown” em Mato Grosso

Publicados

em

Em Várzea Grande, 100% das vagas nas três unidades do Pronto Atendimento e de Urgência e Emergência estão preenchidas. Há 41 pacientes aguardando vagas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e de enfermaria nas unidades referência para o “Coronavírus”, em várzea Grande a situação é critica.

A secretaria Estadual de Saúde informou que a taxa de ocupação dos leitos públicos de UTIs, também é critica 90%.

Isto é, as equipes de regulação encontram dificuldades para a transferência dos leitos para os leitos de UTIs. Existe fila de pacientes que aguardam um leito de UTI, hoje no Estado.

PS: Triste, lamentável! Não queremos acreditar no que temíamos: a “Escolha de Sofia” chegou a Mato Grosso.

Cuiabá e Várzea Grande são cidades onde deveria funcionar o Decreto da quarentena obrigatória. No entanto nesta sexta-feira, muita gente estava na rua e algumas pessoas até sem máscaras.

No comércio do centro das duas cidades, boa parte das lojas estava aberta. A equipe do Blog do Valdemir encontrou comerciantes que não atuam com serviços essenciais descumprindo as medidas e atendendo clientes com a porta entreaberta.

Está difícil, apesar de todos os esforços para manter a população em casa, muita gente está amanhecendo nas ruas da cidade.

Alguns estão brincando e depois não reclamam

Com avanço do novo Coronavírus no Estado e o descumprimento da quarentena obrigatória, fontes do Palácio Paiaguas não descartam que o governador Mauro Mendes Ferreira (DEM), deverá nas próximas horas adotar medidas mais extremas para evitar o contágio, entre a mais rígida está o Lockdown, paralisação total, incluindo o comércio essencial.

Mato Grosso está no seu pior período desde o registro do primeiro caso de Coronavírus dia 19 de março 2020. O Estado já soma milhares de casos com pessoas infectadas e mais de 400 óbitos, ocupando a terceira posição em crescimento do vírus no país.

Com novos números a taxa de letalidade da doença no Estado de Mato Grosso chegou acima da média nacional.

No dia 23 março, o governador Mauro Mendes, Decretou Calamidade Pública por conta da “Pandemia” e anunciou fechamento de estabelecimentos.

Porém, muitos “to nem aí”, mesmo com o Decreto. O risco de contaminação vem sendo ignorado. Em Cuiabá, tem sido recorrente ver famílias reunidas em supermercados e também aglomerações em agências bancárias, casas lotéricas, além do comércio de serviços não essenciais aberto.

A quebra da quarentena, já tem sido apontada como uma das causas do aumento exponencial da Covid-19 e, sem a restrição de circulação de pessoas, 20 mil leitos de UTIs serão necessário no Estado.

É bom lembrar a população que: não adianta os gestores realizarem trabalhos de conscientização para reforçar a importância da quarentena obrigatória.

Algumas pessoas ainda insistem em levar uma vida normal. Mas a recomendação é sair apenas para fazer o que é necessário e voltar para casa.

Saibam que os constantes descumprimentos das regras da quarentena, levantaram debates entre os leitores na rede social. A maioria cobra mais empatia e responsabilidade das pessoas.

O Blog do Valdemir destaca alguns comentários: não estou indo nem no portão direito. Tenho um filho adolescente e penso neles o tempo todo. Todos os cuidados aqui em casa estão sendo mantidas. (Juliana Santiago).

Eu fico em casa porque minha saúde está em risco e dos meus netos. E obedecer é melhor de que sacrificar…, então vamos obedecer. Sei que não está fácil pra ninguém, mas Deus proverá (Shirley Sebalhos).

O ideal era ir apenas uma pessoa da família fazer as compras. Vejo famílias inteiras no supermercado“. (Constantina Oliveira).

Sair para trabalhar porque você não tem alternativa, é diferente de sair para bater perna. Quem pode ficar em casa, deveria obedecer. É uma falta de respeito, viu! Estão cansados de saber que o SUS não dá conta de casos simples, o imaginam de um caso assim”. (Francisco Borges).

Estou trabalhando desde o início e todos os dias tem ônibus lotados, supermercados cheios“. (Diego Barros).

Depois a culpa da aglomeração é do governo? A população precisa fazer a sua parte e assumir sua responsabilidade de evitar aglomerações. (Renata Silva).

É isso aí, brinquem com coisas sérias. Depois não reclamam quando estiverem no hospital“. (Izabel Mendonça).

É nestas postagens podemos concluir que: obedecer é melhor que se classificar, porque estamos percebendo que a Escolha de Sofia está pairando sobre Mato Grosso.

Nota da redação

Quinze cidades de Mato Grosso tem nível muito alto de contaminação e outros 64 municípios estão na classificação de risco “alto” para a disseminação do “Coronavírus”.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Coalizão de entidades lança Observatório Socioambiental de Mato Grosso
Propaganda

Destaques

PF deflagra “Operação Curare” na Saúde de Cuiabá

Publicados

em

Nesta sexta-feira (30) foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) e o Ministério da Saúde (MS) a “Operação Curare”, que tem como objetivo desarticular uma organização criminosa que atuava em fraudar contratações emergenciais e recebimento de recursos públicos a título de indenização sem processo licitatório.

O nome da “Operação Curare“, remete a substâncias tóxicas que produzem asfixia pela ação paralisante do sistema respiratório, cuja origem é associada ao conhecimento tradicional indígena. Na medicina, fármacos curarizantes são empregados em unidades de terapia intensiva, auxiliando o procedimento de intubação.

São 21 mandados de busca e apreensão que estão sendo cumpridos nas cidades de Cuiabá, Curitiba (PR) e Balneário Camboriú (SC). Além disso, há medidas cautelares de suspensão de contratos administrativos e de apagamentos indenizatórios, bem como a suspensão do exercício de função pública.

Segundo informações da Policia Federal, com o agravo da Pandemia do Coronavírus, o núcleo empresarial passou a ocupar mais postos chaves, os serviços prestados ocorriam na Secretaria de Saúde do Município de Cuiabá, especialmente no gerenciamento de leitos de terapia intensiva para o tratamento de pacientes infectados pela Covid-19, plantões médicos, disponibilização de profissionais de Saúde, sobreaviso de especialidades médica, comodato de equipamento de diagnóstico por imagem, transporte de paciente e outros. De 2019 a 2021, o grupo recebeu R$ 100 milhões da Prefeitura de Cuiabá.

Mas, a investigação demonstrou a existência de subcontratações entre as pessoas jurídicas, que em alguns dos casos, não passam de sociedades empresariais de fachada.

 nos serviços públicos prestados pela Secretaria Municipal de Saúde e na Empresa Cuiabana de Saúde Pública, assumindo a condição de um dos principais fornecedores da Prefeitura de Cuiabá, com pagamentos ao grupo que superam R$ 100 milhões entre os anos de 2019 e 2021.

A Justiça em sua decisão judicial afastou o secretário de Saúde do Município de Cuiabá, Célio Rodrigues, que assumiu o cargo em junho deste ano, e o interino da Secretaria de Gestão, Alexandre Beloto.

A Prefeitura de Cuiabá em nota informou que é a principal interessada na elucidação da investigação e afirmou que vai acatar as determinações judiciais.

A Prefeitura de Cuiabá informa que:

– O prefeito Emanuel Pinheiro é o principal interessado na elucidação de toda e qualquer investigação e vai acatar as determinações judiciais.
– A gestão preza pela transparência e se coloca a inteira disposição da Justiça“.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Treze prefeitos elegem Pinheiro presidente do Consórcio do Vale do Rio Cuiabá
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA