Destaques

Fora da 2ª suplência, Neurilan afirma que PL continua apoiando a candidatura de Júlio Campos ao Senado

Publicados

em

Uma cadeira no Senado da Republica após a cassação da Senadora do Podemos, Selma Rosane Santos Arruda, ficou vaga, e a representatividade do Estado de Mato Grosso no Senado Federal ficou com apenas um Senador, a de Jayme Veríssimo de Campos, do Partido Democrata (DEM).

Neste dia 26 de abril, esta programada para acontecer no Estado de Mato Grosso, uma eleição suplementar para preencher a vaga deixada por Selma Arruda.

Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu cassar o mandato da Senadora Selma Arruda do Podemos de Mato Grosso por Abuso de Poder Econômico e Caixa 2 nas eleições do ano passado. Conhecida como Juíza Selma, a parlamentar aposentou-se da magistratura e concorreu ao cargo pelo PSL.

Os interesses pela vaga foram muitos, vários nomes foram lançados ao vento tentando se fortalecer para uma disputa eleitoral no dia 26 de abri. E um dos nomes cogitados, e com apoio do atual Senador Wellington Fagundes (PL) foi a do presidente da Associação dos Municípios Mato-grossenses (AMM) Neurilan Fraga Filho, pelo mesmo partido de Fagundes.

Tido como certo….Neurilan Fraga era o 2º suplente de Júlio José de Campos como o representante do Partido Democrata nesta eleição suplementar para Senador da Republica.

De olho no municipalismo, Júlio Campos tentou emplacar o nome do presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga Filho, como seu suplente para o Senado da Republica, mas esbarrou na questão da filiação partidária.

Mas…, assim como em 2018, quando ficou apenas no ensaio de candidatura a deputado federal, Neurilan Fraga, que deu golpe político para seguir na presidência da AMM, repete a estratégia oportunista, agora usando o trunfo de que prefeitos estariam incentivando-o a entrar na disputa ao Senado, na suplementar à vaga de Selma Arruda.

Sem Fraga na suplência, mesmo assim, integrantes do Partido Liberal (PL) declaram apoio à candidatura do ex-governador Júlio José de Campos do Partido Democrata (DEM) ao Senado da República, o anuncio foi feito pelo próprio presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, no final da tarde, desta sexta-feira (13).

José Marcio Guedes foi o escolhido pelo Partido Liberal (PL), para assumir a 2ª suplência no lugar de Neurilan Fraga. Marcio é empresario e ex-vereador da cidade de Rondonópolis, é bastante ligado ao Senador da Republica, Wellington Antonio Fagundes, e trabalhou na gestão Blairo Borges Maggi como secretario adjunto.

Alegando problemas de filiação, Fraga disse que recuou do projeto, mas que o compromisso de apoio vai continuar.

Fraga Filho explicou que após deixar o Partido Social Democrático (PSD), em 19 de outubro de 2019 ingressou no Partido Liberal (PL), e completaria 6 meses na sigla em 19 de abril deste ano. Mas que o PL só cadastrou sua ficha no “filliaweb” em 21 de novembro.

Nós fizemos uma consulta aos juristas, advogados eleitorais, e todos tinham segurança que por ser eleição suplementar, não teria nenhum problema. Porém, alguns partidos poderiam pedir a impugnação da minha candidatura e como se trata de uma eleição curta, ser candidato sub judice, isso traria prejuízo a minha campanha“.

Neurilan dizia que seu nome era cogitado para concorrer a vaga de Senador na eleição suplementar, afirmava que já tinha confirmado o apoio de 70 prefeitos municipais, para seu arco de aliança, e explicou que agora que o PL decidiu apoiar a candidatura de Júlio Campos, as coisas mudaram, porque ele não vai e nem pode obrigar ninguém a votar em uma determinada pessoa.

O presidente da AMM explicou que o período de exigência de 6 meses de filiação em um determinado partido, foi o principal motivo da retirada da sua pré-candidatura, principalmente pelo fato de que, outros partidos já estavam estudando ingressar com um pedido de impugnação da sua candidatura.

É claro que queremos e contamos com o apoio desses 70 prefeitos, são pessoas de extrema importância para uma eleição como esta, nos do Partido Liberal decidimos apoiar Júlio Campos devido a experiência que ele tem, se eleito for, vai fazer toda diferença na hora de lutar por benefícios para Mato Grosso“, explicou Fraga.

Na corrida para composição dos grupos, o vice-governador Otaviano Olavo Pivetta, do Partido Democrático Trabalhista (PDT) está conseguindo mostrar quantidade de siglas e lideranças apoiando a sua candidatura, por outro lado, o grupo do DEM está apresentando mais qualidade e organização para enfrentar esta disputa eleitoral.

Nós conversamos com praticamente todos os pré-candidatos, e depois avaliamos a situação, assim consideramos que é mais positivo para o partido, como também, nossos companheiros e para o povo de Mato Grosso, apoiar Júlio Campos para o Senado“.

Fraga Filho disse que vai participar ativamente da eleição, que se o partido decidiu, e ele faz parte do partido, ele vai trabalhar para o grupo sair vitorioso.

O Senador Democrata, Jayme Campos, juntamente com o candidato a Senador Júlio Campos assumiram o compromisso de atender os interesses municipalistas, para atender as pessoas que moram, e fazem os 141 municípios do Estado de Mato Grosso funcionarem.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Quando surgirá um líder em Mato Grosso para combater o vírus com medidas extremas?

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Destaques

Lucimar: “Saúde Pública é “prioridade” em Várzea Grande”

Publicados

em

A Saúde Pública já foi ate mesmo tema da “Campanha da Fraternidade”, e representa o desafio principal dos gestores públicos, com um direcionamento direto para as administrações municipais, das quais são cobradas ações que possam melhorar a qualidade dos serviços desenvolvidos e prestados.

O Sistema Único de Saúde (SUS) teoricamente é o melhor Plano de Saúde do planeta, serve de exemplo até mesmo para os países desenvolvidos. Nos últimos 15 anos houve muito avanço, principalmente com a criação do Programa de Saúde da Família (PSF), porém, falta mais investimento financeiro. A melhoria da Saúde Pública no município de Várzea Grande é o desafio principal desta administração.

Uma rápida enquete realizada pelo equipe do Blog do Valdemir aponta os investimentos na Saúde estão sendo como prioridade número 1, foram 61% dos votantes; em segundo lugar vem as melhorias da Educação, para 18%; as melhorias no trânsito para 12% e a pavimentação de ruas para 9%.

Nesta semana, a Prefeita da Cidade Industrial, Várzea Grande, a Democrata (DEM), Lucimar Sacre de Campos, reafirmou seu compromisso em dobrar os recursos destinados a Saúde e a Área Social neste ano de 2020 em meio a Pandemia da COVID-19.

A chefe do Executivo Municipal apresentou o relatório resumido de prestação de contas do primeiro quadrimestre deste ano entre Janeiro a Abril, quando foram investidos na área de Saúde quase 22% das Receitas Correntes Municipais no que tange a receitas próprias.

A Lei prevê que os gestores públicos municipais devem aplicar até 15% de suas receitas em Saúde e os Estados até 12%, e nós enquanto Várzea Grande aplicou somente nos quatro primeiros meses deste ano quase 22%, ou seja, 7% a mais e vamos chegar a 30% até o final do ano, repetindo os índices dos anos anteriores”, explicou a prefeita sinalizando que a prioridade continuará sendo as áreas essenciais, como Saúde, Social, Educação, Segurança e Obras.

Citando os princípios constitucionais da Administração Pública, o LIMPE, Legalidade; Impessoalidade; Moralidade; Publicidade e Eficiência, a Prefeitura de Várzea Grande quer demonstrar a população que vem cumprindo além do que a Lei determina em torno das receitas próprias do município de Várzea Grande para as áreas essenciais principalmente a Saúde, Social e Segurança que tem sido muito utilizadas neste momento.

Com base na arrecadação de impostos apuradas de 1 de janeiro até 30 de abril, incluindo as transferências obrigatórias do Governo Federal, se tem uma receita da ordem de R$ 230.824.172 milhões, dos quais R$ 150.284.377 milhões são referentes as transferências.

Já o secretário de Saúde de Várzea Grande, Diógenes Marcondes, apontou que foram aplicados em Saúde Pública de Várzea Grande, nos quatro primeiros meses de 2020, recursos da ordem de R$ 24.642.739 milhões, R$ 7.233.283 milhões a mais do que o previsto na Lei para ser aplicado no setor e frisou que se descontar do total de receitas arrecadadas as transferências obrigatórias do governo federal se terá mais de 30,6% aplicados em Saúde Pública.

Aqui nestes valores estão demonstrados os compromissos da atual administração com a Saúde Pública e pode apostar que iremos fechar o ano com mais de 30% das receitas aplicadas neste que se tornou o mais importante setor da economia e da vida das pessoas, frisou o titular da pasta.

Além da Saúde que atingiu 21,23%, a Educação que tem previsão constitucional de até 25% das receitas públicas em Várzea Grande recebeu 25,55%.

Estes índices demonstram o compromisso da gestão da prefeita Lucimar Campos, pois ainda estávamos nos quatro primeiros meses do ano e já havíamos cumprido os percentuais que eram do ano inteiro, disse a secretária de Gestão Fazendária, Lucinéia dos Santos Ribeiro.

Lucimar Sacre de Campos assinalou que semana passada o Hospital Pronto Socorro Municipal de Várzea Grande abriu 10 novos leitos de UTI para casos não COVID-19 com recursos próprios municipais e ajuda do Governo Estado e ponderou que mesmo no Plano de Contingência, a estrutura de Saúde da cidade ter ficado como não COVID-19, o atendimento ambulatorial para os casos COVID são realizados nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) IPASE e Dr. Farid Seror (Grande Cristo Rei) e no Hospital Pronto Socorro para triagem e transferência dos casos de Coronavírus para as unidades referências que são muitas no Estado e que na Região Metropolitana são o Hospital Estadual Metropolitano em Várzea Grande, o Hospital Estadual Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá, o antigo Pronto Socorro Municipal de Cuiabá e o Hospital São Benedito.

O titular da Saúde lembrou que novas medidas estão sendo adotadas e podem ser anunciadas em breve.

Temos mais ações sendo planejadas e implementadas, mas só serão anunciadas quando se tiver certeza absoluta das mesmas. Neste momento de pandemia dependemos de uma série de fatores externos, como mais servidores da Saúde, mais equipamentos, mais medicamentos e mais insumos e como estamos fazendo tudo dentro do devido processo legal com licitação, compras em valores corretos e transparentes, por isso precisamos adotar e colocar em prática protocolos que buscam resultados neste momento, explicou Diógenes Marcondes.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  26 municípios configuram na classificação com risco “muito alto” para o "Coronavírus"
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA