Destaques

Em Mato Grosso tudo o que o vírus precisa para atacar: classe alta sai da festa para os braços da Covid-19

Publicados

em

Alô viventes do Estado de Mato Grosso, como andam o controle da epidemia do Coronavírus? Aqui é uma “festa da contaminação“, as pessoas estão se contaminando em festas de casamento, reuniões, confraternização. Nestes locais onde as pessoas bebem, estão sem máscaras conversam e fica muito tempo em contato.

É a mais triste realidade. Na capital de todos os mato-grossenses o aumento da Covid-19 é grande, e se deve porque as pessoas da alta classe social, que no início da Pandemia se cuidavam. Agora estão se aglomerando, gerando contaminação. Essas classes estavam respeitando o Isolamento Social, diferentes das classes C e D.

Este novo comportamento é nítido com o aumento de números de casos em hospitais particulares, no qual vem gerando uma nova onda.

Mas, como é de costume de alguns gestores públicos, este aumento tem como responsabilidade as autoridades que flexibilizaram para pequenos eventos, barzinhos, boates, suspensão do toque de recolher e, o maior número de contaminados tem sido entre jovens que ajudam da situação.

E lá vamos nós do Blog do Valdemir, bater na mesma tecla: a alta contaminação desses jovens é um grande problema, eles não apresentam sintomas e acabam por transmitir o vírus para pessoas do seu ciclo de relações.

É bom ressaltar que, estamos recebendo o que deixamos de fazer e, não se assustem depois do dia 15, os números duplicaram de novos casos. E, saiba que cada cidade vai agir da forma que achar melhor, porém, devemos prezar pelas medidas de segurança, contrário teremos péssimos resultados.

Os números alertam para a necessidade de manutenção das medidas de prevenção: usar máscaras em qualquer ambiente fechado ou ao ar livre, respeitar o distanciamento social sempre, não participar de aglomerações e realizar a higienização das mãos com frequência.

Classe A e B

Foram seis meses trancados dentro de suas casas. Em outubro a situação da crise sanitária em Mato Grosso parecia estar melhorando, o número de casos e mortes diminuindo semana a semana. As eleições muitos nem saíram para votar, porém, ao chegar o mês de dezembro festas e mais festas e as pessoas das classes A e B perderam o medo, se sentem mais a vontade para ir a restaurantes, ficar sem máscaras e se aproximam, se visitam, o resultado: em sete dias 8.218 de pessoas infectadas pelo Coronavírus uma média de 1.174 por dia.

Estes números da Secretaria Estadual de Saúde põem em xeque discurso das autoridades municipais de que a Pandemia está tudo sob controle.

236 internações em UTIs e 267 em enfermarias públicas com uma taxa de ocupação em 58% UTIs adulto e em 30% para enfermaria.

E de acordo com o virologista procurado pelo Blog do Valdemir, um repique de casos, com aumento “aumento substancial”, é esperado ate o final de janeiro.

O que a gente viu foram aglomerações, proximidade social, festas. A gente já aprendeu por tudo o que vivemos no ano passado e também pelos exemplos do exterior que quando isso acontece inexoravelmente a gente vai ver um repique de um aumento do número de casos num período que varia de duas a três semanas, destacou.

Nota da redação

Em Mato Grosso, a primeira vez da epidemia foi em março, começou com pessoas que estavam voltando de outros Estados, via aeroportos. Depois foi a classe C e D que não tinham condições de ficar em isolamento. Agora a classe alta está saindo para confraternizações.

A equipe do Blog do Valdemir está vendo festinhas acontecendo dentro de casas, em alguns bares e restaurantes as aglomerações é grande, e o desrespeito ainda é maior, em alguns locais, as aglomerações são grandes que ate brigas estão acontecendo.

Segundo pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a mudança de hábito desta parcela da população é um canal direto para o aumento na incidência de casos.

Estejam cientes: Mato Grosso, principalmente Cuiabá, vem recebendo nos últimos sete dias o resultado do Natal e Ano Novo, no qual as pessoas realizaram festas, passeios, baixa no isolamento e nas medidas de biossegurança recomendados.

Então ficamos assim: enquanto Mato Grosso vivência o aumento de casos Covid-19, enquanto infectologista alerta que estão aumentando a internação em hospitais particulares da Capital, enquanto você faz apelo para seu vizinho, amigo e familiares para que as pessoas voltam a intensificar os cuidados, a secretaria Municipal de Cuiabá diz que o número de casos do Covid está controlado, vão dizer que os números de internações em hospitais privados nos últimos sete dias foram estáveis e caíram em relação ao mês passado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Emanuel Pinheiro diz que só fara avaliação de Pedro Taques em 2018
Propaganda

Destaques

PGE-MT reverte decisão no TJMT que permitiria transporte precário de passageiros

Publicados

em

Atendendo pedido feito pela Procuradoria-Geral do Estado de Mato Grosso (PGE-MT), o Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso (TJMT) reformou decisão liminar proferida pela 5ª Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá, que garantiu à empresa Solimões Transportes de Passageiros e Cargas Eireli, que pudesse atuar no Estado sem licitação ou chamamento público.

A decisão do TJMT considerou argumentos apresentados pelo procurador André Xavier Ferreira Pinto, vice-presidente da Associação dos Procuradores do Estado de Mato Grosso (Apromat) e membro da Subprocuradoria Geral de Defesa do Patrimônio Público e Ações Estratégicas da PGE-MT, que demonstrou que as alegações da empresa para garantir sua atuação nas linhas de transporte coletivo intermunicipais, a partir de seccionamento de linha federal, são inconstitucionais, ilegais, ofendem o TAC celebrado com o MP/MT, bem como provocam “desordem administrativa e financeira” no Estado de Mato Grosso.

Ademais, registre-se que a decisão interlocutória expedida pelo juízo a quo ameaça causar grave lesão ao Estado e, inclusive, ao povo mato-grossense, além de provocar séria desordem administrativa e financeira, uma vez que a decisão ora vergastada autoriza a perpetuação da tão combatida exploração precária do transporte público intermunicipal do Estado de Mato Grosso, sem qualquer controle e suporte legal, em nítido prejuízo fiscal, aos usuários e aos contratos administrativos válidos e vigentes para operar nos mercados que abrangem o decisum vergastado”, pondera em trecho da petição do agravo, protocolizado no começo dessa semana.

O pedido da empresa de transporte ao Poder Judiciário se deu após a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager/MT) ter negado a solicitação feita pela Solimões. A agência argumentou que já existem contratações emergenciais vigentes no Estado, que atendem à área que a empresa pretende atuar.

A Ager argumentou ainda que também já se encontra em fase final o processo licitatório para a exploração do serviço principal e integrante do sistema de transporte coletivo rodoviário intermunicipal de passageiros.

Ao dirimir sobre o agravo, o juiz convocado Alexandre Elias Filho, da Segunda Câmara de Direito Público e Coletivo (TJMT), considerou que a liminar que permitiu a Solimões de atuar de forma precária viola “a autonomia estadual na medida em que supõe que a autorização concedida pela ANTT à agravada prestar-se-ia a suprir a necessidade de concessão ou equivalente em âmbito estadual; e viola a obrigatoriedade de licitação ao ignorar os trâmites de observância cogente estabelecidos pela legislação de regência da matéria e pela AGER/MT”.

O magistrado pontuou ainda que ao subsidiar juridicamente aatuação precária da agravada, a decisão afeta sobremaneira os contratos já em vigor. Tais contratos, embora também precários, encontram lastro de legitimidade no TAC firmado entre o Estado de Mato Grosso e o Ministério Público Estadual, em especial no Termo Aditivo de 2018, em cujo bojo se autoriza a contratação emergencial de empresas, por meio de chamamento público, garantindo-se fiel cumprimento aos princípios insculpidos no art. 37, caput, da CRFB, pontua.

A liminar da primeira instância permanecerá suspensa até que seja julgado o mérito do recurso.

Atualmente a empresa Solimões Transportes de Passageiros e Cargas Eireli atua em 23 Estados do País, além de 2 países sul-americanos: Venezuela e Bolívia.

A nova empresa rodoviária do Grupo Eucatur, a empresa Solimões Transportes de Passageiros e Cargas LTDA, era autorizada pela ANTT a operar as linhas da Viação Nova Integração.

Agora lhe foram transferidas todas as operações da empresa “mãe” do grupo, a Eucatur. São 28 linhas que eram operadas pela empresa e agora fazem parte do quadro de linha Solimões. E não se sabe se esse será o fim da Eucatur, empresa tradicional no transporte rodoviário de passageiros, presente no mercado há 51 anos. Comenta-se que seria uma estratégia para um retorno num futuro próximo após correções de problemas administrativos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  TCE-MT se une a órgãos de controle interno para debate sobre atuação durante "Pandemia"
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA