DISPUTAM A PREFERÊNCIA DO ELEITOR

Abílio e Pinheiro; É tudo ou nada no 2º turno

Publicados

em

Com o segundo turno marcado para o dia 29 de novembro, e com a alteração no calendário eleitoral aprovada pelo Congresso Nacional diante da Pandemia do novo Coronavírus, fará com que os municípios onde vai acontecer o segundo turno de votações mais curto da história, com apenas duas semanas de intervalo entre o primeiro e segundo turno de votação.

A Constituição Federal estabelece o primeiro domingo de outubro como data para o primeiro turno das eleições. Já o segundo turno é realizado no último domingo do mesmo mês nos municípios com mais de 200 mil eleitores em que nenhum dos candidatos tenha atingido mais da metade dos votos válidos na primeira etapa da disputa.

Pela regra, o intervalo para realização do segundo turno costuma variar entre três semanas (como ocorreu nas eleições municipais de 2012) a quatro semanas (caso da votação de 2016).

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 95 municípios do país estão aptos a ter segundo turno. Entre as capitais, a exceção é Palmas, no Tocantins. Em 2016, a votação adicional foi realizada em 55 municípios.

A propaganda eleitoral gratuita em Rádio e TV voltará a ser transmitida a partir desta sexta-feira (20) e segue até dia 27 de novembro.

Serão dois blocos fixos de 10 minutos cada, divididos igualmente entre os dois candidatos no Rádio (7h às 7h10min e 12h às 12h10min) e na televisão (13h às 13h10min e 20h30min às 20h40min), além de 70 minutos diários divididos em propagandas de 30 e 60 segundos distribuídos ao longo da grade das emissoras.

Na Capital de todos os mato-grossenses, Cuiabá, com 100% dos votos apurados, os candidatos Abílio Junior da Coligação “Cuiabá para Pessoas do Podemos, que alcançou 90.631 votos, 33,72% da intenção de votos, e Emanuel Pinheiro (MDB) com a chapa A Mudança Merece Continuar, 82.367 votos, 30,64%, vão disputar o segundo turno da eleição municipal em Cuiabá.

Veja o resultado para Prefeito de Cuiabá 2020:

Urnas apuradas100 %
Comparecimento – 294.861 – 77,99%

Abílio Junior (Podemos) – 90.631 votos – 33,72 %
Emanuel Pinheiro (MDB) – 82.367 votos – 30,64 %
Gisela Simona (Pros) – 52.191 votos – 19,42 %
Roberto França (Patriota) – 25.523 votos – 9,49%
Julier Sebastião (PT) – 8.409 votos – 3,13%
Aécio Rodrigues (PSL) – 5.659 votos – 2,11 %
Paulo Henrique Grando (Novo) – 2.815 votos – 1,5%
Gilberto Lopes (Psol) – 1.216 – 0,45%

Abstenção – 83.236 – 22,01%
Brancos – 9.881 · 3,35%
Nulos – 16.169 · 5,48%

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), também informou os gastos de campanha dos candidatos neste primeiro turnos das eleições municipais de 2020 em Cuiabá.

A Coligação “A Mudança Merece Continuar, do atual Prefeito de Cuiabá, o emedebista Emanuel Pinheiro, gastou R$ 4,7 milhões e possui R$ 1,4 milhão arrecadado.

O vereador da Coligação “Cuiabá para Pessoas do Podemos, Abílio Júnior teve um gasto bem menor na sua campanha, R$ 332 mil, com um total de R$ 411 mil arrecadados.

Os candidatos que estarão no segundo turno, Emanuel Pinheiro e Abílio Junior, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), possuem um limite legal de gastos de R$ 4,1 milhão, enquanto no 1º turno os candidatos podiam gastar até R$ 10,2 milhões.

Segundo os analistas políticos procurados pelo Blog do Valdemir, neste segundo turno, os dois candidatos vão para o tudo ou nada. Eles estão se referindo aos ataques que estarão por vir entre Pinheiro e Abílio Junior.

O vereador Abílio Junior é o candidato a prefeito da Coligação “Cuiabá para Pessoas, e tem apoio do PSC, Cidadania e Podemos. Ele tem 36 anos e cumpre mandato de vereador na capital de Mato Grosso. À Justiça Eleitoral, Abílio declarou bens no valor de R$ 92,5 mil.

O atual Prefeito de Cuiabá, o emedebista Emanuel Pinheiro tem 55 anos e lidera a Coligação “A Mudança Merece Continuar, composta pelos partidos PMB, PTC, Solidariedade, PV, Republicanos, PL, PSDB, MDB, PTB, PP, PCdoB. Ele declarou um total de R$ 2,9 milhões em bens.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Energia fica mais cara para os mato-grossenses
Propaganda

Destaques

Covid-19: Gostaram prefeitos de Mato Grosso? Afrouxaram o isolamento agora vem as consequências

Publicados

em

Apesar de configurar na classificação de risco baixo de infecção pelo Coronavírus, conforme mostra o documento a partir da página 12, do Boletim Informativo com o panorama epidemiológico da situação em Mato Grosso.

Apesar de esse status por trinta dias, 2 de novembro, Ribeiraozinho foi a última cidade classificada com risco “moderado“.

Apesar da “média móvel de 7 dias” demonstrar tendência de queda, dos casos de Covid-19.

Apesar de que nunca tenha existido de fato um isolamento da população, o que temíamos aconteceu: os cuidados essenciais para prevenção da Pandemia da Covid-19, foi deixado de lado por uma grande parcela da população.

Os mato-grossenses vivem um clima de “acabou a pandemia”, os registros de aglomerações em eventos sociais e familiares tem sido frequentes, além das atividades comerciais e indústrias.

Os frutos desse comportamento têm refletido diretamente no número de pessoas diagnosticadas com Coronavírus e consequentemente na taxa de ocupação de leitos hospitalares. A situação vem preocupando autoridades, entidades médicas e órgãos de saúde pública.

A população mato-grossense começa a ficar angustiada. É preciso que cada um tenha consciência, entretanto, é de suma importância que seja feita uma Lei ou Decreto. Assim com a consciência de cada um e medidas por parte dos prefeitos, será possível aguardamos o mês de março, quando a população brasileira começará a ser vacinado contra a Covid-19.

PS: só para registrar aí na sua memória, os casos  estão aumentando não é por culpa do Flamengo que foi eliminado da Copa Libertadores da América 2020, mas sim, do relaxamento da população e principalmente dos prefeitos dos municípios do Estado de Mato Grosso que,  por causa das eleições municipais, abriram, liberaram tudo, menos aglomerações em suas casas.

O índice do distanciamento está de 37,2%, segundo levantamento da empresa do Software InLoco.

O número está abaixo do verificado no dia 23 de março (52,4%), quando foram estabelecidas as primeiras medidas restritivas em Cuiabá. Bem inferior ao considerado ideal pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que é 70%.

O distanciamento social é apontado como uma das medidas mais importantes e eficazes para reduzir o avanço da Pandemia da Covid-19, que ainda não acabou.

Nesta semana inclusive um grupo de pesquisadores brasileiros alertou para o que eles identificaram como o começo da segunda onda da Pandemia no país.

De acordo com informações do Jornal Nacional, o estudo traz assinatura de seis especialistas, de cinco universidades e institutos de pesquisas do país.

Dados

Foram notificados 744 novas confirmações de casos de Coronavírus e 10 mortes nas últimas 24 horas. Dos 159.726 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 2.698 estão em isolamento domiciliar e 152.392 estão recuperados.

A taxa de ocupação está em 34,99% para UTIs adulto e em 15% para enfermaria adulto. Em oito meses de Pandemia foram registrados 4.142 óbitos.

Teste em Mato Grosso

Cerca de 500 mil pessoas em Mato Grosso já passaram por algum teste para diagnóstico da Covid-19, desde o início da Pandemia. Os resultados positivos representam 30% dos testados. Os números na Pnad Covid-19, foram divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As mulheres são o público mais frequente com 240 mil testes e os homens com 236 mil exames. As pessoas que receberam resultado positivo para o contágio passou de 119 mil em setembro, para 132 em outubro.

Elas eram até outubro 3,9% da população de Mato Grosso.

Se considerados os dados de julho, o grupo que já adoeceu quase dobrou. No mês de aceleração para o pico havia 79 mil com resultado positivo.

Os casos de Covid-19, em menores de idade tiveram  um aumento na capital entre 22 e 28 de novembro. O Boletim da Prefeitura de Cuiabá aponta um crescimento de 534% nos casos em crianças e 751% em adolescentes. Apesar do aumento da incidência, felizmente, as mortes estão em queda.

Toque de recolher

O Estado de Santa Catarina anunciou toque de recolher para todas as cidades do Estado. A decisão, que vai valer durante a madrugada, foi tomada no final da tarde desta quarta-feira (2), em reunião entre o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) e representantes da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), e no mesmo dia em que 15 das 16 regiões foram classificadas com risco gravíssimo para Coronavírus.

A decisão tem como objetivo frear o avanço da doença ao mesmo tempo em que mantém as atividades econômicas do Estado. 

A velocidade de ação das autoridades é fundamental no combate ao novo coronavírus.

Vacinação? Só em março de 2021.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputado propõe emendas de R$ 10 milhões para recuperar Pantanal e prevenir incêndios
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA