AJUDA EM BOA HORA

17 hospitais filantrópicos de Mato Grosso recebem ajuda emergencial

Publicados

em

Hospitais filantrópicos de Mato Grosso receberam nesta sexta-feira, 22, a primeira parceira de auxílio financeiro emergencial para ação coordenada no combate à “Pandemia da Covid-19“.

Os recursos, segundo informou o Senador do Partido Liberal pelo Estado de Mato Grosso (PL/MT), Wellington Antonio Fagundes, serão distribuídos para 17 unidades sem fins lucrativos, que participam de forma complementar do Sistema Único de Saúde (SUS) em 14 municípios do Estado. Expectativa é de que a segunda parcela seja disponibilizada em uma semana

Líder do Bloco Parlamentar Vanguarda, Fagundes lamentou a demora entre a aprovação do projeto e a liberação dos recursos e que, segundo ele, exigiu ações de cobrança constante junto ao Governo. O Projeto de Lei que deu origem ao auxílio emergencial havia sido aprovado no Senado no dia 31 de março e 19 de abril pela Câmara. Porém, só foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 4 de maio

Esperamos agora, com a liberação, que os hospitais e santas casas possam trabalhar de forma articulada com o Ministério da Saúde e os gestores do SUS para oferecer mais serviços, principalmente leitos de terapia intensiva“, frisou.

Ao todo, foram assegurados R$ 2 bilhões de ajuda aos filantrópicos de todo país.

Em Cuiabá, receberam a ajuda emergencial o Hospital Santa Helena (R$ 256.884,17), Hospital de Câncer de Mato Grosso (R$ 136.879,89) e Hospital Geral (R$ 386.263,80).

Em Rondonópolis, terão recursos a Casa de Saúde Paulo de Tarso (R$ 153.755,49) e Santa Casa de Rondonópolis (R$ 982.063,42).

Também foram beneficiadas unidades em Cáceres, Campo Novo dos Parecis, Diamantino, Dom Aquino, Lucas do Rio Verde, Vila Bela, Nova Mutum, Poconé, Pontes e Lacerda, Rosário Oeste, Sinop e Sorriso.

De acordo com a portaria do Ministério da Saúde, a segunda parcela da ajuda deverá ser liberada dentro de mais uma semana e o critério de distribuição será será com base na análise da evolução da pandemia no País, utilizando-se como critério de rateio dos recursos os indicadores que evidenciem a situação epidemiológica.

Os recursos transferidos às entidades beneficiadas, ainda de acordo com a portaria do MS, deverão ser aplicados, obrigatoriamente, na aquisição de medicamentos, suprimentos, insumos e produtos hospitalares para o atendimento adequado à população.

Também poderão ser usados na aquisição de equipamentos e na realização de pequenas reformas e adaptações físicas para aumento da oferta de leitos de terapia intensiva, bem como no respaldo ao aumento de gastos que as entidades terão com a definição de protocolos assistenciais específicos para enfrentar a Pandemia da Covid-19 e, ainda, com a contratação e o pagamento dos profissionais de saúde necessários para atender à demanda adicional.

Do recebimento do auxílio financeiro independe da eventual existência de débitos ou da situação de adimplência das instituições filantrópicas e sem fins lucrativos em relação a tributos e contribuições na data do crédito pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS).

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputado propõe emendas de R$ 10 milhões para recuperar Pantanal e prevenir incêndios
Propaganda

Destaques

Emanuel, eleição acabou e chegou a hora de pagar as faturas dos aliados, com cargos públicos

Publicados

em

Quando o prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro do MDB diz que não irá agregar os derrotados, se referindo aos vereadores que não conseguiram renovar o mandado, que não existe o toma lá dá cá, tá certíssimo, Mato Grosso precisa de políticos com outras mentalidades.

Um político assim do naipe do alcaide cuiabano que a população necessita. Um político que mesmo recebendo menos votos no segundo turno de 2020, realizado dia 29 de novembro, do que havia obtido em 2016 (perdeu 22.006 votos entre um segundo turno e outro caiu de 157.877 para 135.871), diz que a equipe do seu staff não tem compromisso com derrotados, isso que é político.

Calma Pinheiro…, as eleições já terminaram, tudo bem que Cuiabá pareceu dividir-se ao meio a diferença entre vitorioso e derrotado foi minúscula, mas sela nosso destino por mais quatro anos.

O ruim é que esse meio a meio dá uma ideia (verdadeira ou falsa), de que existem duas metades: a dos ricos e a dos pobres. A dos ilustrados e a dos desinformados. A dos dependentes de benesses do Governo do Estado e a dos que se viram por si.

Calma Nenel, a campanha acabou e sabemos muito bem, o que resta da campanha.

Pinheiro, por favor né, 32 anos na vida pública não precisa jogar para a plateia. A população lhe absolveu, você será o nome para 2022, mas para de subestimar o povo cuiabano. Dizer que não tem compromissos? O que existe Emanuel é uma fatura que precisa ser para nos próximos 12 meses, com quem fez no primeiro turno e no segundo turno, ou está querendo tentar enganar a si mesmo? Venha me dizer que os 12 partidos lhe apoiaram por causa da sua administração?

Discurso de quem ajuda

Nenhum apoiador meu tem Secretaria prometida…agora, é claro que quem ajuda ganhar, ajuda governar. Isso é lógico e eu sou sincero para falar: quem me ajuda a ganhar, vai me ajudar governar e vou optar pelos melhores quadros para Cuiabá continuar avançando, Emanuel Pinheiro dia 17 de novembro no programa Tribuna da Rádio Vila FM.

Para sustentar a afirmação, Nenel citou o trabalho de Vinicius Hugueney na secretaria do Trabalho no qual classificou o trabalho do seu secretário como “ótimo”.

Na entrevista, Emanuel Pinheiro disse que não via problema em nomear algum dos seus apoiadores, se o perfil técnico e condições de contribuir com políticas públicas para determinadas secretarias.

Tenham certeza que com este perfil encontrarás nos seus apoiadores.

Mas segura essa Nenel, como anda as conversações com a base para eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Cuiabá? A ida do vereador Mario Nadaf do Partido Verde (PV) para sua equipe de secretariado é uma das faturas que começa a ser paga?

E a nomeação publicada no Diário de Contas do ex-candidato a vice-prefeito de Várzea Grande na chapa do deputado federal Emanuel Pinheiro Neto da Coligação “Um Novo Tempo Para Várzea Grande, do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Wilton Coelho Pereira, o Wiltinho Coelho.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Abstenção nas eleições municipais foi o mais alto em 20 anos
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA