Artigos

Toninho de Souza: – Jovem e sonhador

Publicados

em

 

                                  Jovem e sonhador

Por: Toninho de Souza –

Esta quarta-feira amanheceu quente, como de costume na minha querida Cuiabá. Como sempre faço assim que acordo, às 05h da manhã, orei e depois olhei pela janela por alguns instantes refletindo sobre como seria o meu dia antes mesmo de sentir o cheiro do café vindo da cozinha. Meus pensamentos se voltaram para uma situação que preocupa o país e não apenas Mato Grosso. Não poderia ter sido diferente. O Dia Internacional do Jovem Trabalhador, comemorado hoje, foi a motivação para a meditação de rotina.

Tive que retornar no tempo para compreender o que ocorre atualmente com parte dos nossos jovens. Quando deixei Planalto da Serra, há cerca de 40 anos, o choque da mudança não foi tão impactante, pois, Cuiabá ainda era pacata, os carros pernoitavam nas frentes das casas e passar o fim da tarde sentado numa cadeira na calçada era quase que obrigação. Outros tempos aqueles. Com apenas 16 anos, mal havia desfeito as malas e eu já iniciava a minha carreira na comunicação como repórter esportivo de rádio.

A afinidade pela política nasceu com o Jornalismo e começou na metade dos anos 1990 quando ocupei o cargo de Secretário de Comunicação da Prefeitura de Várzea Grande no mandato do ex-prefeito Nereu Botelho. Já a experiência na Câmara de Cuiabá não começou como vereador, como alguns acreditam. Foi bem antes, quando assumi a Secretaria de Comunicação a convite do até então presidente da Casa, o ex-vereador Luiz Marinho, que posteriormente também se elegeu deputado estadual.

Desde janeiro de 2009 me tornei um dos 25 parlamentares da Câmara Municipal com grande visibilidade. Por conta disso fui aplaudido e também questionado. Ser enquerido não me incomoda. Sempre respeitei oposições e as críticas até ajudam. O triste é receber ofensas, principalmente pelo anonimato das redes sociais. Enfim, como disse Nelson Rodrigues, “toda a unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar“. Com base nessa premissa me mantive com o espírito sempre aberto ao diálogo.

Certamente, esses foram alguns dos requisitos que me mantiveram firme com três mandatos de vereador. Em 2016 fui o mais votado da capital e de todo o estado, com quase 6 mil votos, confirmando a minha escolha. Foi a votação mais expressiva para uma vaga na Câmara Municipal. Em 2018, obtive mais de 17 mil votos para uma vaga na Assembleia Legislativa. Agora, distante daqueles 16 anos de idade me considero vencedor.

Se tivesse que fazer tudo de novo eu o faria. Aqui está o nó que se formou em meus pensamentos. Talvez, pela imersão, o café tenha descido pelando a garganta, mas não atrapalhou seguir além imaginando como será o amanhã. Fiz parte do contingente de jovens não beneficiados pelo cenário de recuperação do emprego formal e de redução da informalidade, característico dos anos 2004 a 2008. Não me importei. Sonhei e busquei o meu lugar, apesar de sentir fortemente as dificuldades que todos os jovens da minha época sentiram com as mudanças econômicas e sociais das décadas de 1980 e 1990. Mas venci, com determinação e persistência.

Penso que para a juventude a exposição contínua à violência de todas as formas, o acesso ao emprego e educação escolar e profissional são alguns dos desafios da atualidade. É lógico que esse cenário não é exclusividade do mais jovens, mas é entre eles que a situação se aprofunda e compromete o presente e o futuro. Há, ainda, as desigualdades que também preocupam. Em 2010, segundo o IBGE, a taxa de analfabetismo entre jovens negros (3,4%) era duas vezes maior do que entre os brancos (1,4%). A disparidade também era grande entre os alunos de 15 a 17 anos: somente 43,5% dos jovens negros nessa idade frequentavam o Ensino Médio, contra 60,3% dos brancos. Pouco coisa mudou na última década.

Fiz parte dessa juventude caracterizada por heterogeneidade e desigualdades, mas não desisti. Só consegui colar grau no Ensino Superior em 1991, aos 28 anos. Atualmente, como deputado estadual em exercício na vaga do deputado licenciado Eduardo Botelho (DEM), refiz a minha trajetória antes do último gole de café, já quase frio. Afinal, foram quase dez minutos olhando a xícara e pensando. Já são mais de 30 anos trabalhando como jornalista e não penso em parar tão cedo. A Comunicação Social amadureceu a minha compreensão sobre a vida, a rotina urbana, sobre os desafios de uma Cuiabá que não para de crescer e sobre a sociologia tão miscigenada que moldou a nossa gente.

Enquanto deputado estadual, estou assumindo bandeiras como a segurança pública, agricultura familiar e saúde, principalmente. No entanto, apesar do avanço observado nos últimos anos em relação a juventude, o tema passou a constar na minha agenda parlamentar, especialmente quando considerada a juventude de origem simples, além de fatores de gênero e cor. Vejo a questão do emprego como uma demanda pública de grande envergadura e vou defender essa bandeira, pois o mercado de trabalho só é competitivo para os profissionais qualificados.

Em 2019, aos 52 anos de idade, os sonhos continuam mantendo o desejo de alcançar aquilo que almejo e que pode nos trazer alegria. Penso que um sonhador tem que ser persistente e só se contentar quando ver seus sonhos realizados. A própria Bíblia me ensina: “Há esperança para o teu futuro” (Jeremias 31:17). Deus gosta dos sonhadores. Eu gosto de Deus!

Toninho de Souza é Jornalista, vereador por Cuiabá pelo terceiro mandato consecutivo pelo PSD e deputado estadual em exercício

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Caroline Weber de Miranda : - Depressão de fim de ano?

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Artigos

A primeira consulta ao ginecologista

Publicados

em

 

Autora: Giovana Fortunato –

Ir ao ginecologista regularmente é um dos cuidados essenciais para a saúde de mulheres de praticamente todas as idades, pois ajuda a detectar doenças e evitar problemas futuros. Mas você sabe com que idade uma menina deve ir na primeira consulta ao ginecologista?

O ideal é que a partir dos 9 aos 12 anos a menina já tenha uma consulta com o ginecologista ou com a ginecologista da mãe. Por quê? Porque logo ela vai menstruar. Então essa consulta serve como uma orientação sobre esse período que está para chegar com sua primeira menstruação.

A partir deste momento a menina se torna fértil, ou seja, torna-se capaz de engravidar e ter um bebê. Por isso deve aprender sobre o funcionamento de seu corpo, como é a ovulação, como são as cólicas menstruais, como se prevenir de uma gravidez indesejada e como se cuidar para não contrair doenças sexualmente transmissíveis, entre elas o HPV, HIV entre outras.

A ideia de que uma menina vá começar, em algum momento de sua história, a ter vida sexual ativa é algo que assusta muitos pais. Por isso, adiam a primeira visita ao ginecologista. Porém, mesmo sem uma vida sexual ativa, a menina deve ter um acompanhamento especializado com um médico ginecologista. É normal a adolescente sentir vergonha e pedir para ir ao especialista apenas quando está prestes a ter relações sexuais, mas o ideal é que a visita aconteça após a primeira menstruação.

Vale ressaltar que é muito importante que seja um médico de confiança. Sua filha precisa se sentir segura e confortável com o ginecologista.

A primeira consulta muitas vezes é apenas uma conversa para saber um pouco mais sobre a paciente: hábitos da rotina, problemas de saúde da infância, ciclo menstrual, se há histórico de doenças como câncer de mama na família, entre outras.

O exame preventivo ginecológico no primeiro encontro com o ginecologista é bem simples e vai depender do histórico de cada menina.

Quando a menina iniciou a sua vida sexual é importante que ela vá pelo menos uma vez ao ano ao seu ginecologista para fazer um exame preventivo, para ver como está sua saúde em geral.

O principal deles é o Papanicolau, que é um rastreamento de câncer de colo, além do exame das mamas. Também é importante avaliar fazer um ultrassom transvaginal, ou ultrassom pélvico para ver como é que está o útero, o ovário. Ou seja, para fazer um check-up ginecológico.

Endometriose

Quando surge na adolescência, a endometriose é de difícil diagnóstico, pois muitos dos sintomas como as cólicas frequentes, podem ser confundidos com problemas intestinais ou serem considerados normais da fase de vida da adolescente.

Muitas meninas que tem endometriose ainda não entraram na idade reprodutiva e não iniciaram sua vida sexual, portanto, não apresentam sintomas da doença que se manifestam nessa fase como dor durante as relações sexuais e dificuldade para engravidar, o que pode dificultar ainda mais o diagnóstico. Estudos comprovam que é importante realizar uma investigação adequada, já que entre o início dos sintomas e a confirmação da doença em adolescentes pode decorrer até 12 anos, tempo suficiente para comprometer a fertilidade da paciente.

Se a sua filha está na puberdade ou menstruou recentemente, marque uma consulta com o ginecologista, especialista indicado para orientar as adolescentes nessa fase de mudanças no copo e muitas dúvidas sobre a saúde da mulher.

  • Giovana Fortunato é ginecologista e obstetra, especialista em endometriose e infertilidade, professora da UFMT, coordenadora de Residência no HUJM.
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Caroline Weber de Miranda : - Depressão de fim de ano?
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA