Artigo

Sua empresa está preparada para um futuro sustentável?

Publicados

em

Autora: Cristhiane Brandão –

Os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS e as práticas ESG “Environmental, Social and Governance” (Ambiental, Social e Governança) estão fortemente conectados. Se as organizações trabalharem para implantá-las corretamente, isso contribuirá para que essas metas mundiais sejam alcançadas. Sua empresa já apoia esses objetivos para um futuro mais sustentável?

Neste mês em que os grandes líderes globais participam da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP 26 da Dinamarca e Escócia, é importante levar a mensagem do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) de que as empresas têm papel essencial no cumprimento da Agenda 2030 e que esta deve ser uma meta “de todos nós”:

Desenvolver soluções para desafios globais, redefinir seu sucesso com base em propósito e promover uma liderança centrada no ser humano. Temos uma década de ações em que todos podemos gerar impactos positivos nas nossas atividades, basta um olhar atento e uma análise cuidadosa de cada decisão de negócio, como bem ensinou Clarissa Sadock, CEO da AES Brasil Energia.

Somente por meio da parceria com empresas poderemos efetivamente enfrentar a crise climática, as desigualdades, o racismo sistêmico, a confiança decrescente nas instituições e outros desafios antigos que a pandemia intensificou, disse o secretário-geral das Nações Unidas, Antônio Guterres.

Isso quer dizer que as empresas precisam ampliar sua visão de negócio. Não é mais apenas uma questão de gerar “lucro”, mas desenvolver ações que promovam o bem-estar social e impactem positivamente o mundo. Os 17 ODS passam pela erradicação da pobreza, fome zero e agricultura sustentável, saúde e bem-estar, educação de qualidade, igualdade de gênero, água limpa e saneamento.

Também pela energia limpa e acessível, trabalho de decente e crescimento econômico, inovação e infraestrutura, redução das desigualdades, cidades e comunidades sustentáveis, consumo e produção responsáveis, ação contra a mudança global do clima, conservação e uso sustentável dos oceanos, paz, justiça e instituições eficazes, bem como de parcerias e meios de implementação desses objetivos.

O Brasil pode ser protagonista em relação às soluções baseadas na natureza, já que apresenta a maior biodiversidade e a maior floresta do planeta. E Mato Grosso, além de ser o maior produtor mundial em diversas commodities (soja, algodão, carne, milho, etc), possui hoje mais de 62% do seu patrimônio natural conservado, mas, deve avançar na implementação das outras metas, para ser exemplo em outras áreas.

Desenvolvimento sustentável significa “não deixar nenhum cidadão para trás”, portanto, não combina com miséria, desemprego, trabalho degradante, consumo irresponsável, poluição e assoreamento dos nossos rios e córregos. Quando iríamos imaginar uma crise hídrica nas proporções que vivemos este ano, em que o Rio Paraguai, no Pantanal, chegou ao seu menor nível em 50 anos?

Infelizmente, estamos aprendendo da pior forma que os recursos naturais não são “infinitos” e que impactam a vida e a economia. Com a pandemia, houve mudança muito rápida na mentalidade da sociedade, que tem a expectativa de que as organizações tenham um propósito atrelado ao seu papel social.

Uma pesquisa recente feita pela Pacto Global no Brasil mostrou que mais de 90% dos consumidores acham entre “muito importante” e “importante” as empresas terem um propósito que abranja contribuição social, solidariedade, defesa de causas importantes, cuidado com as comunidades e o meio ambiente.

A decisão de compra da população já sofre influência de quesitos como comportamento ético, tratamento dos funcionários, autenticidade, diversidade e inclusão, impacto ambiental em toda linha de produção da empresa e a afinidade com os valores. O desafio é compreender como isso afeta o seu negócio e o entorno e incluir o quanto antes os ODS na sua estratégia, porque isso é se preparar para o futuro.

Cristhiane Brandão, Conselheira de Administração em Formação, Consultora em Governança & Especialista em Empresas Familiares. Sócia fundadora da Brandão Governança, Conexão e Pessoas

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Cristhiane Brandão: - Perpetuando o negócio na empresa familiar
Propaganda

Artigos

Surto de Hepatite Infantil Aguda deixa países em alerta

Publicados

em

 

Autora: Mayara Meotti*

Você provavelmente já ouviu falar do surto de hepatite infantil aguda de causa desconhecida, que está ocorrendo em pelo menos 25 países, inclusive no Brasil, e vem causando preocupação.

Vamos começar explicando que a hepatite é uma inflamação do fígado causada por uma variedade de vírus infecciosos e agentes não infecciosos, existindo 5 cepas principais do vírus referidas como tipos A, B, C, D e E e que podem levar a sérios problemas de saúde, podendo ser fatais em alguns casos.

Estes casos de hepatite aguda de causa ainda desconhecida, ocasionam uma inflamação do fígado de forma abrupta, com enzimas hepáticas acentuadamente elevadas. Conforme o Instituto Butantan, o adenovírus foi detectado em pelo menos 74 casos; sendo que em 18 casos, testes moleculares identificaram a presença do adenovírus F tipo 41 e em 20 foi identificada a presença do SARS-CoV-2. Além disso, em 19 houve uma co-infecção por SARS-CoV-2 e adenovírus.

Segundo a OMS, os vírus comuns que causam hepatite viral aguda (vírus da hepatite A, B, C, D e E) não foram detectados em nenhum desses casos. Viagens internacionais ou conexões em outros países não foram identificados como fatores da doença. Sua real causa ainda está sob investigação pela OMS.

Por isso é fundamental que as vacinas contra alguns tipos de hepatite estejam em dia. Assim é possível descartar os vírus que a pessoa está imune e pesquisar a verdadeira causa da hepatite aguda.

Dados da OMS mostram que cerca de 4,5 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas em países de baixa e média renda até 2030 por meio de vacinação, testes de diagnóstico, medicamentos e campanhas educativas.

A estratégia global da OMS, endossada por todos os Estados Membros, visa reduzir as novas infecções por hepatite em 90% e as mortes em 65% entre 2016 e 2030.

Portanto pais e mães não deixem de completar o ciclo vacinal de seu filho, você estará preservando a vida dele e a de vocês e ajudando o país a exterminar tipos de doenças que só com a prevenção podem ser evitadas.

*Mayara Meotti, enfermeira da Saúde Livre clínicas de vacinação

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Américo Tângari Jr.: - NESSE INVERNO, CONVÉM CUIDAR DO CORAÇÃO
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA