ARTIGO

Roberta Züge: – Covid e alimentos: o leite como importante fonte de suprimentos para o combate

Publicados

em

 

Covid e alimentos: o leite como importante fonte de suprimentos para o combate

Autora: Roberta Züge

Em tempos de pandemia, muitas dúvidas surgem em relação à como fortalecer o sistema imunológico, aquele que ataca os microrganismos causadores de doenças, como o vírus da Covid-19. Um sistema de defesa robusto tem mais chances de combater tais agentes com muito sucesso.

Muitos estudos estão sendo realizados, em diversas partes do planeta. Um grupo de cientistas australianos, do Doherty Institute, anunciou que identificou como o sistema imunológico do corpo combate a Covid-19. Nesta publicação, eles puderam descrever o aumento da defesa imunológica e das células de anticorpos, e descobriram que essas células são muito semelhantes às ativadas em pacientes com influenza, que é a gripe comum.

Neste estudo, que foi conduzido testando a resposta imunológica em quatro momentos diferentes da infecção por Covid-19, podem-se identificar tipos diferentes de células imunológicas. É como se o pelotão de combate fosse composto de diferentes armamentos, cada fase utilizando uma arma diferente.

Como o corpo precisa se armar, ele depende dos insumos para produzir o arsenal. Basicamente, o corpo humano transforma o que é ingerido em armas. Se a matéria prima não for de qualidade, ou se faltar algum insumo, estas respostas também não serão adequadas. Afinal, o pelotão pode não estar armado adequadamente, caso falte os suprimentos.

A maior parte destes insumos são os alimentos que ingerimos. No entanto, o sistema imunológico não é invencível: não há nenhum alimento mágico, suplemento ou outra vitamina que pode torná-lo inatacável. É um sistema muito intricado que envolve distintas células e moléculas cujas reações precisam de regulação.

Claro, o alimento certamente não é a única resposta, um estilo de vida saudável contribui para o combate às infecções, fortalecendo o sistema imunológico. Quanto aos alimentos a serem favorecidos, é preciso lembrar, acima de tudo, que é essencial evitar deficiências. Uma dieta equilibrada fornece a grande maioria de todos os nutrientes que o corpo precisa.

Certos nutrientes foram identificados para promover a resposta imune ‌pelo aumento da proliferação de linfócitos (as células de combate), é o caso da arginina (aminoácido presente em certas proteínas, como a whey) e do zinco, que é um mineral com melhor absorção quando oriundo de produtos de origem animal.

Neste contexto atual, para combater o coronavírus, é essencial otimizar as funções do sistema imunológico e, assim, combater melhor as infecções bacterianas e virais. Para fortalecer as defesas imunológicas e melhorar a saúde, os alimentos devem ser diversificados‌. Será especialmente direcionado a certos alimentos para fornecer os nutrientes que mais especificamente desempenham um papel no sistema imunológico.

Para fortalecer o sistema imunológico, a dieta deve ser diversificada. É necessário favorecer alimentos que contenham: antioxidantes, ômega 3, aminoácidos, fibras, magnésio, probióticos de zinco e prebióticos.

Quais alimentos? Todos os legumes e frutas frescas, sementes oleaginosas; carnes magras e miudezas; peixes e crustáceos; cereais e legumes; leite e derivados; e óleos ricos em ômega 3 e 6.

Infelizmente, há divulgação tendenciosa indicando que leite e derivados não devem ser consumidos, o que é exatamente ao contrário. Ele fornece suprimentos para confeccionar as armas deste combate. O leite é um alimento muito rico e, acima de tudo, realmente muito barato frente aos nutrientes que pode oferecer. Neste momento de incertezas e de muitas fake news, é importante manter o organismo bem nutrido e, nada melhor, que um alimento completo, que tenha fácil absorção de seus nutrientes.

Roberta Züge; Diretora Administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); Diretora de Inteligência Científica Milk.Wiki; Médica Veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP); Sócia da Ceres Qualidade

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Julio César dos Santos: - Uma reflexão sobre o papel da Arte em nossas vidas
Propaganda

Artigos

Manoel Vicente de Barros: – Cuidar dos profissionais da saúde salva vidas

Publicados

em

 

     Cuidar dos profissionais da saúde salva vidas

Autor: Manoel Vicente de Barros

Com o afastamento de médicos, enfermeiros e fisioterapeutas contaminados pelo novo Coronavírus, fomos lembrados de um chocante fato: profissionais da saúde são feitos de carne e osso e também adoecem.

Um médico doente contaminando pacientes seria inimaginável.

E aqui vai outro fato, por vezes ignorado: esses trabalhadores também têm emoções, precisam cuidar da saúde mental e às vezes ficam deprimidos e fragilizados em seu cotidiano forte.

Muito antes da pandemia, isso já era realidade.

Levantamentos apontam sintomas de depressão e ansiedade em mais de um terço da categoria, que também têm risco significativamente aumentado de suicídio.

Esse cenário se relaciona com outra causa crescente de mortalidade: a que ocorre em decorrência de cuidados hospitalares.

A última divulgação do Instituto de Estudos sobre Saúde Suplementar, que avalia as ocorrências no Brasil, revelou que em um ano mais de 50 mil pessoas faleceram por complicações de procedimentos como colocação de cateteres ou cirurgias.

A maioria por erro ou má habilidade de quem realizou.

São seis vítimas por hora.

Assim como um profissional infectado prejudicaria pacientes de forma inaceitável, um médico, enfermeiro ou técnico de enfermagem com a saúde mental comprometida também se torna risco ao paciente.

Comete mais erros diagnósticos, mais lesões cirúrgicas e falhas por desatenção.

Um médico com depressão não tratada tem 95% mais chance de cometer erros potencialmente fatais, segundo a Associação Médica Americana. Isso mostra que o assunto não é preocupação apenas dos profissionais, mas caso de saúde pública.

Zelar pelo emocional do elemento humano certamente salva vidas e melhora a eficiência dos investimentos em saúde.

Assim como queremos máscaras, luvas e equipamentos de proteção que previnam o adoecimento físico dos nossos cuidadores, também são urgentes ações efetivas de prevenção de adoecimento mental.

Melhorar vínculos empregatícios seria um dos remédios com impacto positivo.

Ainda que vinculados a instituições públicas ou privadas (e muitas fazem questão de negar relação empregatícia), a remuneração em regime de plantões imputa a pressão como a de um trabalhador autônomo – “Se você adoecer, ficará sem salário”.

Como resultado, mesmo adoecidos, a maioria continua atendendo pacientes.

Essa situação ainda pressiona o profissional a atuar em diversos hospitais, fazer cargas horárias supra fisiológicas a espécie humana (24 ou 36 horas contínuas de plantão), sem tempo para lazer, sem tempo para descanso, sem tempo para viver.

São pessoas que não se acovardam ao atender de quem precisa, mas acabam deixando de lado seu próprio bem estar.

Aproveitando as lições da pandemia, vamos assimilar que a prevenção tem muito mais efeito que tratar um problema instalado.

Esperar a infecção, esperar a depressão, a estafa mental, a crise de ansiedade ou adoecimento para cuidar de quem cuida é o caminho que leva inevitavelmente ao erro.

Manoel Vicente de Barros é Psiquiatra em Cuiabá e atua no tratamento de Depressão e Ansiedade, CRM 8273, RQE 4866.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Wilson Pires: - HÁ 80 ANOS NASCIA ARY LEITE DE CAMPOS UM HOMEM IMPULSIVO E DEMASIADAMENTE FRANCO
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA