Artigos

Maria Augusta Ribeiro: – A Era da Assistência

Publicados

em

                                 A Era da Assistência

Por: Maria Augusta Ribeiro – 

À medida que o consumidor tem acesso à informação, mais sofisticada fica a expectativa ao adquirir um produto e um serviço. E você sabe como as empresas estão buscando alternativas para melhorar seus serviços e ser mais competitivas para atender a este mercado?

Para se ter ideia do nível de conexão do consumidor moderno, a Google deixou de ser um site de buscas para se tornar inspirador, linkando nossos momentos de desejo por um produto, quando desejamos encontrar um lugar, ou mesmo compreender a News na nossa timeline.

Sim, estamos mais complicados, e o mercado está com dificuldades em nos atender. Agora não basta ser bom como o papa Francisco, Bonito como a Angelina Jolie e gostoso como um sorvete. Tem que dar assistência.

O grau de exigência do consumidor não se satisfaz mais com pouco, e o que antes era chamado de pós-venda, ganhou um upgrade, e passou a ser suporte para se consumir. Isso significa que queremos ir ao banco de madrugada e contar com o apoio da empresa em caso de problemas ou dúvidas.

Leia Também:  José Luiz Tejon Megido: - E o PIB do Brasil?

Isso acontece porque os smartphones deixaram de ser um aparelho para falar com outros e passaram a ser tudo o que precisamos para realizar nossos momentos de consumo.

Eles vão de babás eletrônicas de nossos filhos, nossa TV, até se tornarem as respostas para nossos problemas em segundos. E isso significa dizer que, de 5 anos para cá, 60% do nosso  tempo é utilizando um celular.

Com esse aparelhinho elevamos nossa exigência do tempo de resposta aos nossos anseios. E a empresa que apoia o cliente recebe qualificação positiva na Google, engaja nas redes sociais, e vende.

O nível de satisfação do consumidor para qualquer coisa hoje vem acompanhando de um complicado e exigente grau de expectativa em ser atendido. Assim, aqueles antigos momentos de frisson de consumo pelo iphone somente porque ele é Apple não existem mais.

Hoje compramos porque nos identificamos com a marca, e com isso ela compreende que, com o produto, vem a assistência contínua para que continuemos a consumir aquele produto.

Foi mal atendido, não recebeu assistência técnica, ou se app não funcionou, reclame. Isso mesmo, a era da assistência também consiste na colaboração do consumidor com as empresas. Elas, com isso, podem transformar a experiência ruim em uma satisfação melhor ainda.

Leia Também:  Início das sanções da LGPD: antes tarde do que nunca

Recentemente, uma amiga verificou que as papinhas de bebes que a filha dela consome estavam com uma coloração diferente da habitual. De pronto ela fez uma reclamação via site, e a empresa, ao buscar o produto alterado, a retribuiu com uma cesta de outros produtos.

Sem entender muito bem o gesto de gratidão, novamente entrou em contato com a empresa, já que muitos daqueles produtos recebidos não se destinavam à sua família. E, três dias depois, ela recebeu novamente uma cesta em sua casa, com uma carta de agradecimento, e solicitando a ela que os ajudassem a co-criar um novo produto que atendesse às suas expectativas, além da entrega gratuita da cesta de papinhas e iogurtes durante um ano em sua casa.

Sabem quando minha amiga vai deixar de consumir os produtos dessa empresa? Quando ela não proceder com um suporte adequado ao que vende. Afinal, quem não dá assistência, abre concorrência, certo?

Maria Augusta Ribeiro. Profissional da informação, especialista em Netnografia, escreve para o Belicosa.com.br.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Artigos

Surto de Hepatite Infantil Aguda deixa países em alerta

Publicados

em

 

Autora: Mayara Meotti*

Você provavelmente já ouviu falar do surto de hepatite infantil aguda de causa desconhecida, que está ocorrendo em pelo menos 25 países, inclusive no Brasil, e vem causando preocupação.

Vamos começar explicando que a hepatite é uma inflamação do fígado causada por uma variedade de vírus infecciosos e agentes não infecciosos, existindo 5 cepas principais do vírus referidas como tipos A, B, C, D e E e que podem levar a sérios problemas de saúde, podendo ser fatais em alguns casos.

Estes casos de hepatite aguda de causa ainda desconhecida, ocasionam uma inflamação do fígado de forma abrupta, com enzimas hepáticas acentuadamente elevadas. Conforme o Instituto Butantan, o adenovírus foi detectado em pelo menos 74 casos; sendo que em 18 casos, testes moleculares identificaram a presença do adenovírus F tipo 41 e em 20 foi identificada a presença do SARS-CoV-2. Além disso, em 19 houve uma co-infecção por SARS-CoV-2 e adenovírus.

Segundo a OMS, os vírus comuns que causam hepatite viral aguda (vírus da hepatite A, B, C, D e E) não foram detectados em nenhum desses casos. Viagens internacionais ou conexões em outros países não foram identificados como fatores da doença. Sua real causa ainda está sob investigação pela OMS.

Por isso é fundamental que as vacinas contra alguns tipos de hepatite estejam em dia. Assim é possível descartar os vírus que a pessoa está imune e pesquisar a verdadeira causa da hepatite aguda.

Dados da OMS mostram que cerca de 4,5 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas em países de baixa e média renda até 2030 por meio de vacinação, testes de diagnóstico, medicamentos e campanhas educativas.

A estratégia global da OMS, endossada por todos os Estados Membros, visa reduzir as novas infecções por hepatite em 90% e as mortes em 65% entre 2016 e 2030.

Portanto pais e mães não deixem de completar o ciclo vacinal de seu filho, você estará preservando a vida dele e a de vocês e ajudando o país a exterminar tipos de doenças que só com a prevenção podem ser evitadas.

*Mayara Meotti, enfermeira da Saúde Livre clínicas de vacinação

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Paulo Mello: - Um esclarecimento dos servidores públicos concursados à população
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA