OPINIÃO

Lorena Lacerda: – Inteligência emocional e o futuro do trabalho

Publicados

em

 

Inteligência emocional e o futuro do trabalho

Autora: Lorena Lacerda

As emoções humanas são forças poderosas do planeta. Elas são capazes de criar opostos: iniciar guerras e estabelecer paz, assim como despertar o amor e incentivar uma ruptura. Embora inevitáveis, as emoções também são fontes indispensáveis de orientação e nos conduzem a agir – seja no âmbito pessoal ou profissional. O perigo está justamente quando não há identificação e nem gestão dessas emoções.

Mas, diferente do Quociente de Inteligência (QI), a inteligência emocional pode ser desenvolvida e/ou aprimorada. Ela envolve componentes que vão desde a autogestão e o gerenciamento de relacionamento (interpessoal) até a autopercepção e a autoexpressão – que podem ser traduzidas como a nossa capacidade de perceber nossas emoções e entender nossas tendências de agir e se expressar de determinadas maneiras em determinadas situações.

Tanto que até mesmo a famosa iniciativa do Google, o Projeto Aristóteles, ressaltou que uma equipe de alto desempenho precisa de três itens: uma forte consciência da importância das conexões sociais, um ambiente onde cada pessoa fale igualmente e segurança psicológica onde todos se sintam seguros para trabalhar sem medo das consequências negativas. Contudo, esse cenário é pouco amplificado se não existir uma liderança emocionalmente inteligente.

Para além disso, as taxas crescentes de solidão, depressão e preocupações com a saúde mental dos colaboradores representam uma oportunidade para as empresas adotarem a inteligência emocional a fim de engajar novamente as pessoas tanto no trabalho quanto na vida. Afinal, entre as principais necessidades humanas de trabalho (e vida) constam: sobreviver, pertencer e se tornar parte.

Uma vez atendidas as necessidades básicas, as pessoas procuram ser aceitas por quem são para, finalmente, aprender e crescer para se tornarem o que têm de melhor. Colaboradores que se sentem cuidados são mais leais, engajados e produtivos. Eles têm mais probabilidade de se envolver no trabalho, permanecer na empresa e recomendá-la como um bom lugar para trabalhar e menos chance de sofrer de estresse ou burnout.

Sem contar que à medida que o mundo avança, mais e mais necessidades de sobrevivência estão sendo atendidas de forma consistente, fazendo com que a força de trabalho volte sua atenção para o próximo nível de necessidades, mais imediatamente pertencendo. Líderes emocionalmente inteligentes são capazes de estender o pertencimento para suas equipes.

A propósito, conforme tecnologias mais sofisticadas surgem, como inteligência artificial e 5G, habilidades humanas como compaixão e empatia irão definir a vantagem competitiva dos colaboradores e das organizações em que atuam. Existe um mito de que as emoções não pertencem ao ambiente de trabalho, mas as fronteiras entre vida profissional e pessoal continuam a se cruzar. Afinal, as emoções viajam conosco e, portanto, é preciso realizar uma boa gestão delas.

Se a Revolução Industrial exigiu colaboradores fortes e a Era da Informação exigiu trabalhadores experientes, a futura era do trabalho exigirá colaboradores emocionalmente inteligentes.

Lorena Lacerda é CEO do Grupo Valure, Coach e Mentora de Executivos, Sócia-fundadora da StepU

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Patrícia Cavalcanti: - A PGM e a defesa do Meio Ambiente
Propaganda

Artigos

Onofre Ribeiro: – Além do programa eleitoral

Publicados

em

 

                    Além do programa eleitoral

Autor: Onofre Ribeiro

A partir de eleição do presidente Fernando Collor de Mello em 1989, o marketing político foi introduzido na política brasileira em tempos de eleições. Naquela eleição criou-se um modelo de propaganda desconhecida no Brasil, que deu aos candidatos a cara de um produto de consumo. Collor contratou o marqueteiro Chico Santa Rita, fortemente influenciado pelo marketing recente na eleição nos EUA. Apresentou ao país um super-herói, vestido com camisetas esportivas, olhar duro firme no horizonte, e palavras duras.

Pois bem. Estamos diante do segundo turno nas eleições de prefeito de Cuiabá. O programa eleitoral gratuito, garantido por lei, parece uma prateleira de supermercado. Ideias vendidas em gôndolas com açúcar, sem açúcar, dietéticas, com gordura trans, com álcool e sem álcool. Na prateleira o produto é um. Na vida real é outro para os próximos quatro anos. Rótulos antigos.

Digo isso, porque Cuiabá é uma cidade dupla. Numa, moram 603 mil cidadãos, dos quais 378 mil são eleitores. Tem endereço e pagam IPTU na cidade. Mas tem a outra Cuiabá, a política. Ela é sede do poder político que governa Mato Grosso: governo do Estado, Legislativo, Judiciário, etc.

Na prática isso funciona na forma de prestação de serviços políticos e de apoio aos negócios de todo o Estado. Muitas grandes empresas estão sediadas na capital justamente por isso. O tem isso a ver com a eleição deste próximo domingo? O futuro de Mato Grosso é cristalino como um grande receptor de investimentos nos próximos anos. Quatro anos perdidos representam uma eternidade. O crescimento do interior refletirá na capital. Ela precisará ser cada vez mais uma cidade moderna e preparada para o mundo dos negócios do futuro próximo.

Aqui encerro. Os programas do horário eleitoral gratuito desta eleição não foram além das prateleiras de um mercadinho de bairro. Desconsiderou-se o futuro da cidade e do Estado. Programas pobres de ideias. Pobres de conteúdo. Pobres de propósitos. Pobre Cuiabá!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

[email protected]
www.onofreribeiro.com.br

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Sady Ivo Pezzi Júnior: - Radares visíveis: estamos preparados?
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA