Artigos

Francisney Liberato: – Seja organizado

Publicados

em

 

                            Seja organizado

Por: Francisney Liberato

O hábito da organização é fundamental para alcançar êxito na vida, em todos os aspectos. Exercite essa habilidade, introduzindo pequenas ações no dia a dia e, com o tempo, você estará livre de imprevistos e mal presságios.

No dia 17/09/2019, tive a oportunidade de assistir ao jogo de futebol da Champions League, na cidade de Lisboa, em Portugal.

O jogo foi entre o time do Benfica, de Portugal, e o time alemão, Leipzig, que aliás, jogou muito bem, e se mostrou extremamente organizado e disciplinado. O resultado era de se esperar, o time português saiu derrotado dentro do seu estádio por 2X1.

Desde a compra do ingresso, até o dia jogo, percebi a excelente organização dos promotores do evento, a começar pelo ingresso, que era numerado, e cada torcedor poderia escolher a sua cadeira, para assistir àquela partida.

Cheguei no estádio, faltando menos de uma hora para o início do jogo. A adrenalina estava em alta, pois não queria perder o início da partida. Imaginei que pegaria uma fila grande, mas para a minha surpresa, encontrei a mesma organização percebida no dia da compra do ingresso.

Havia muitos policiais fazendo a segurança do local, inclusive, da torcida adversária. Câmeras por todos os lados, atendentes dispostos a colaborar com os torcedores e catracas eletrônicas. Por incrível que pareça, não houve tumulto para chegar até a minha cadeira reservada.

A palavra que resume tudo que estou dizendo neste texto é: organização.

Imergindo para o aspecto comportamental, deduz-se que sem organização, os resultados são pífios ou inexistentes. Com a vida organizada, passamos a ser melhores e mais eficientes, em todos os aspectos.

Quem sabe você seja uma pessoa que não gerencia o seu tempo, e fica igual a um “cachorro correndo atrás do rabo”, sem sucesso para conseguir alcançar o que deseja e, os imprevistos e urgências, vivem constantemente perturbando a sua vida.

A dica para você é: seja organizado. Comece utilizando uma agenda, quer seja física ou eletrônica. Insira todas as suas tarefas na agenda e revise-a diariamente. Estabelecer metas para os seus sonhos e objetivos para quaisquer áreas da vida, com prazos para término.

Assim como no jogo de futebol, a ordem aplicada no aspecto da vida diária, poderá ser fundamental para proporcionar a você uma vida que vale a pena ser vivida, sem correrias, leve e transformada para melhor.

Os promotores do evento confiaram na organização, o time apoiou essa atitude, e sobretudo, os torcedores sabiam que o jogo, dentro e fora do campo, funciona perfeitamente. Quando temos organização, passamos a confiar no nosso desempenho e as pessoas com quem nos relacionamentos, passam a confiar em nós, e nos enxergam como pessoas organizadas, executivas e que geram resultados positivos.

Francisney Liberato Batista Siqueira é Secretário de Controle Externo, Auditor Público Externo do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, Palestrante Nacional, Professor, Coach, Mentor, Advogado e Contador. Autor do Livro “Mude sua vida em 50 dias”.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Francisney Liberato: - Qual é o seu foco?

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Artigos

Laura Petraglia: – Quando o amor não resiste à Pandemia

Publicados

em

 

          Quando o amor não resiste à Pandemia

Autora: Laura Petraglia

Não sou nenhuma especialista comportamental, muito menos em relacionamentos (ironicamente minha vida amorosa que o diga), mas, desde que começou a Pandemia da Covid19 e a recomendação de distanciamento/isolamento, como jornalista curiosa em comportamento humano, ouvinte atenciosa de desabafos dos amigos e bela observadora que sou, comecei a notar diversos relacionamentos desabando ao meu redor nos últimos 40 dias, isso sem falar dos famosos que anunciaram a separação neste período.

Diante disso, meu objetivo com esse artigo é que façamos juntos, uma reflexão sobre a volatilidade e fragilidade das relações que temos cultivado e por que, cada vez mais, nos tornamos uma multidão de sozinhos. Nunca antes dessa quarentena a frase ‘cuidado com o vazio de uma vida cheia demais’ fez tanto sentido para mim. A gente liga o piloto automático e vai passando por cima daquilo que devíamos tentar entender e consertar nas relações. Vai preenchendo os problemas e a ‘solidão a dois’ dos relacionamentos com compromissos sociais, trabalho, consumo e outras condutas que não nos faça ter tempo para o cultivo.

Meus pais foram casados pela vida toda e, assim como no casamento dos meus avós, só existia para eles a opção do o ‘até que a morte os separe’. Passei vida ouvindo-os dizer que eram de uma época em que se as coisas quebravam, buscava-se consertar e não jogar fora. Mas usei esse contexto para dizer que maioria das narrativas dos casais com quem tenho conversado e que decidiu se separar durante a quarentena, diz que a convivência diária ‘forçada’ durante esse período trouxe à tona as mazelas que vinham colocando embaixo do tapete ou que foi a gota d’água que fez o copo transbordar. É óbvio que não somos obrigados a viver infelizes, mas por que nos tornamos tão preguiçosos e impacientes no cultivo das relações?

O fato é que amparados sempre na justificativa da falta de tempo e pela vida corrida demais, preferimos ir ‘passando por cima’ de comportamentos que nos incomodam em nossos parceiros ou, ainda, não ‘desgastar’ a relação com longas conversas. Mas o problema é que amor é cultivo diário, é como planta que precisa ser regada, na maioria das vezes aparada, podada para poder crescer no formato certo e florir e, quando a vida parou durante esse isolamento social, quando a gente se viu com tempo e obrigado a olhar para si mesmo e para a pessoa que está ao nosso lado, percebemos que há tempos talvez venhamos regando ‘plantas mortas’ e que tempo de salvar a relação infelizmente já passou.

Então, ao final desse artigo deixo duas reflexões: durante a pandemia, quantas plantas mortas você já descobriu que tem regado? E, foi a pandemia que adoeceu as relações ou falta de cultivo que as fez morrer há tempos? Com a palavra você, leitor!

Laura Petraglia é jornalista, especialista em gerenciamento de crises e Marketing Político Digital, estudante de Direito e curiosa sobre o comportamento e as relações humanas

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Lúdio Cabral: - Covid-19: o exemplo que vem da Argentina
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA