Artigos

Fábio de Oliveira: – Em meio ao caos é hora da união e do esforço

Publicados

em

 

            Em meio ao caos é hora da união e do esforço

Autor: Fábio de Oliveira

Momentos difíceis exigem muito de cada um de nós. Inegavelmente, vivemos tempos dos quais nos lembraremos, ou sentiremos os efeitos, por muitos anos. A disseminação do “Coronavírus“, reconhecida como uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mudou drasticamente nossas rotinas e, do ponto de vista filosófico, a forma como encaramos a vida.

Cidades fechadas, pessoas isoladas em suas casas, apenas serviços essenciais funcionando são algumas das mudanças que já fazem parte do cotidiano de muitos brasileiros. Os prognósticos, ainda que otimistas em alguns casos, não são positivos e preveem que o quadro se estenderá ainda por um longo período.

Mesmo diante do cenário caótico, é preciso que resistamos. Que nos transformemos. Que nos modifiquemos. Cada um de nós tem que ser um agente de segurança sanitário! É nossa responsabilidade adotarmos as boas práticas sanitárias e cobrar de cada um o mesmo comportamento. A nossa saúde e a do nosso próximo são sim nossa responsabilidade.

Não é momento de achismos, não há espaço para encontrarmos culpados. É hora do máximo cuidado, porque não há notícia de que a doença escolha pessoas por cor partidária, classe social, religião ou orientação sexual. O momento requer seguirmos exemplos e modelos indicados por especialistas. Um achismo, um palpite, pode resultar na sua morte ou na morte de alguém próximo. Não há margem para erro.

Enquanto isso, milhares de profissionais da Saúde, milhares de pesquisadores, trabalham noite e dia em busca de medicamentos que consigam combater o vírus que já matou milhares de pessoas e, infelizmente, matará outros milhares em um curto período de tempo em todo o planeta.

Dentre os muitos caminhos trilhados pelos pesquisadores, há um que tem se mostrado promissor que é o uso de um medicamento sem patente, usado no combate à malária e que também é ministrado aos pacientes com lúpus. Nos resta torcer para que esta pesquisa, que este trajeto chegue enfim à cura do coronavírus e à redução deste momento de pânico a uma lembrança.

Outro efeito deletério desta pandemia se dá na economia. Desemprego em massa, falência de diversos negócios, sobretudo os de menor porte, são realidades bem próximas que precisam ser combatidas.

Deixar de tirar dinheiro na economia é a melhor medida que o governo pode tomar nesse momento. Prorrogando prazos para o pagamento dos impostos, liberando recursos para fomentar os negócios, criar mecanismos para proteger aqueles que vivem na informalidade, 4 em cada 10 no nosso país, são algumas das ações que devem ser tomadas.

Sem pânico, mas reconhecendo a gravidade do problema, com esforço e algumas restrições, enfrentaremos mais esta crise e sairemos dela mais fortes. A história demonstra que a cada nova dificuldade, a humanidade encontra uma saída e segue em frente. Então, tenho a certeza de uma coisa: nós seguiremos!

Fábio de Oliveira é advogado, contador e mestre em ciências contábeis

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  JUACY DA SILVA: - IGNORÂNCIA E INCOMPETÊNCIA: GRANDES ALIADAS DO CORONAVÍRUS

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Artigos

José Wenceslau de Souza Júnior: – Toda crise traz mudanças!

Publicados

em

 

                  Toda crise traz mudanças!

Autor: José Wenceslau de Souza Júnior

Em 2020, estamos vivendo um divisor de águas, pois a Covid-19 está fazendo todos se reinventarem, e consequentemente, o comércio também.

O comerciante deve preparar a loja para receber o cliente, e se atentar ao comportamento, já que ele está menos consumista, mais exigente e cuidadoso.

O cliente mudou a percepção sobre as marcas, em destaque estão as empresas que possuem boas ações, atendimento diferenciado, tanto na forma presencial, quanto on-line (WhatsApp, Chatboot, Instagram, Facebook, site e e-mail marketing).

O que consumir também entrou nas indagações do cliente, pois o supérfluo deixou o lugar para o essencial, desde a alimentação, viagens, cabeleireiro, vestuário, até móveis, eletrodomésticos e veículos.

Já para o comerciante, o desafio é se adequar às normas sanitárias e de distanciamento sem perder a qualidade no atendimento, manter o preço competitivo da loja física, em relação às lojas virtuais.

De acordo com pesquisa realizada por uma empresa especializada em inteligência de mercado, 51% dos consumidores brasileiros comprarão mais pela internet ou por aplicativos, sendo que 45% das compras realizadas nos últimos três meses foram feitas pela primeira vez, ou seja, até os mais receosos perderam o medo de utilizar o cartão de crédito no universo digital.

E o comércio, gerador de cerca de 66% da arrecadação do ICMS em Mato Grosso, e empregador de mais da metade dos trabalhadores com carteira assinada – precisa de atenção. Não me refiro apenas ao gestor do negócio, mas atenção do poder público.

Com o aumento das compras pela internet, o consumo nas lojas físicas já diminuiu, e uma readequação dos impostos deve ser feita, para evitar uma competição desigual entre lojas físicas x virtuais.

Por outro lado, há 40 anos atuando no comércio mato-grossense, já vivenciei outras crises e tenho certeza que vamos superar mais essa. O consumo retraído neste período de isolamento e recessão econômica, vai se estabilizar, talvez não na velocidade que desejamos, mas no último trimestre deste ano, os consumidores voltarão a realizar as compras – sem receios.

E mais uma vez ressalto, o comércio é importante para o desenvolvimento social, porque por trás de um CNPJ, existem muitos CPFs.

José Wenceslau de Souza Júnior, comerciante há mais de 40 anos e presidente da Fecomércio, Sesc e Senac em Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Daniel Medeiros: - A inteligência do caraco
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA