ARTIGO

Diversidade é essencial para o crescimento da empresa e dos colaboradores, mas esse valor não pode apenas ficar no discurso

Publicados

em

 

Autora: Niviani Rudek –

Nos últimos tempos, você pode ter ouvido muito falar sobre temas relacionados à diversidade, especialmente por conta da luta por direitos para as minorias e o combate ao racismo, homofobia e outros preconceitos. O debate sobre a importância de contar com um ambiente inclusivo ultrapassou as barreiras da sociedade de modo geral e chegou ao ambiente corporativo nas pequenas e grandes empresas.

O tema ganhou grande espaço na mídia com a notícia de que a Magazine Luiza só selecionaria negros para a sua próxima etapa de seu programa de trainee. Apesar de gerar algumas polêmicas, a decisão foi celebrada como uma tentativa de aumentar a presença de negros no mercado de trabalho e em cargos de liderança. Esse é um movimento que vem ganhando cada vez mais força e deve se tornar uma condição essencial para que as empresas se mantenham competitivas no mercado nos próximos anos. Um estudo da consultoria Mais Diversidade, publicado pela revista Você RH, apontou que 97% das empresas pesquisadas pretendem ampliar o orçamento direcionado para a diversidade em 2021. Mas por que isso é algo tão importante e como fazer com que, de fato, a empresa incorpore a diversidade em seu DNA?

O primeiro fator de grande importância é que uma equipe diversa, que conte com pessoas de diferentes formações, experiências, idades, classes sociais, culturas e raças, é mais produtiva. Você combina diferentes possibilidades de solução para um problema e consegue um resultado completo e viável e, a depender do projeto, mais rápido e rentável. Uma pesquisa da consultoria McKinsey apontou que empresas com equipes plurais alcançam resultados até 21% maiores em relação àquelas em que tal fator não é prioridade. E não apenas isso. A diversidade pode causar impactos profundos a ponto de oferecer à empresa uma mudança de posicionamento, de atuação ou da criação de novos produtos e serviços.

O segundo fator também diz respeito aos benefícios para a própria empresa. Lutar por diversidade e inclusão se tornou um fenômeno global tão valorizado que o indicador ESG (que aponta para a valorização a questões, ambientais, sociais e de governança), está se tornando essencial para a realização de negócios. O banco Goldman Sachs, a bolsa de valores Nasdaq e a Comissão de Valores Imobiliários (CVM), ainda em etapa inicial, já consideram o indicador como um elemento decisivo para as negociações nas empresas.

Mas não há como deixar de abordar o fator social envolvido nessa questão. Incluir na cadeia de trabalho populações que sofrem com a exclusão, seja por conta de sua raça, opção sexual, sexo, nacionalidade ou condição social significa corrigir uma injustiça social que ainda persiste no país. São fatores políticos, econômicos, sociais e até mesmo crenças pessoais e preconceitos por parte de quem está no controle dessas empresas que impedem milhões de pessoas de progredir em suas carreiras. É preciso encarar essas mudanças como um propósito e um compromisso com a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Para além dos benefícios financeiros e comerciais, investir em diversidade significa contribuir para um mundo menos desigual e, consequentemente, melhor para todos. Com uma conscientização no cenário corporativo em relação ao tema e ao colocá-lo como um de nossos propósitos, o mundo só tem a ganhar.

Em alguns casos, as empresas precisarão atuar na capacitação e preparação de alguns desses profissionais, mas a longo prazo isso será extremamente benéfico não apenas para o colaborador. Se uma empresa atua diretamente para a evolução desse colaborador no ambiente de trabalho o resultado será uma pessoa motivada com as oportunidades e, para a empresa, isso significará a descoberta e retenção de novos talentos em seus quadros. Em um mercado como o da tecnologia, em que a mão de obra tem se tornado cada vez mais escassa, isso poderá fazer toda a diferença no futuro.

Mas com a consciência de que a diversidade é um fator importante, é preciso fazer um outro alerta. Muitas empresas se dizem preocupadas com as causas sociais, mas o que se percebe é que há um descolamento entre o discurso e a prática. O caso do assassinato de um negro cometido em novembro de 2020, no Carrefour, uma empresa que contava com comitês de inclusão e diversidade, foi o caso mais emblemático nesse sentido. A pesquisa da Mais Diversidade apontou que 65% das empresas não tem um pensamento estratégico que direcione às práticas voltadas a essa questão. O grande problema é que muitas empresas visam implementar políticas de diversidade por meio de seu Departamento de Recursos Humanos, mas, como não há uma cultura favorável ao tema na empresa, muitas ações não surtem o efeito esperado. Um estudo do site Vagas.com mostrou que, para 62% dos profissionais de RH, suas empresas não estavam preparadas para lidar com o tema.

O resultado disso é o enfraquecimento e o fracasso das políticas propostas. Afinal, sem que o tema esteja incluído verdadeiramente no DNA da empresa tudo fica mais difícil. A concepção de cada funcionário sobre uma empresa se dá pela combinação entre o ambiente e o conjunto de suas crenças pessoais, criando uma visão única para cada pessoa. Para que mais pessoas se sintam incluídas nesse ambiente, a diversidade é um valor de grande importância e sua necessidade tem que ser reconhecida e valorizada pelos líderes. A começar pelo próprio presidente e diretores da empresa.

Para isso, é preciso implementar um processo real de gestão de mudança organizacional (GMO), conduzido por pessoas de fora da empresa e que visa transformar a cultura e a incorporar conceitos essenciais de transformação. Essa gestão acontece através de um projeto estruturado, com metas, atividades, cronograma e objetivos bem definidos, que permitirá identificar as motivações e queixas dos funcionários entre os mais e menos envolvidos com a empresa e buscar a resolução de problemas. Para isso, serão trabalhadas políticas de comunicação para fazer com que medos, inseguranças e frustrações sejam enfrentados. No contexto atual, a busca pela adaptabilidade se torna uma capacidade cada vez mais essencial e é isso que a gestão de mudanças procurará despertar na cultura da empresa.

O objetivo final é que haja uma transformação no ambiente da empresa, buscando o engajamento e a conscientização dos colaboradores. Fazê-los entender que as diferenças não vêm para desagregar, desmotivar ou prejudicar determinada pessoa e sim promover um processo de transformação benéfico para todos. Vivemos em uma sociedade multicultural e as empresas que entendem e incorporam esse conceito de fato entendem a realidade onde atuam e se diferenciam no mercado. E os profissionais envolvidos nesse processo também se transformam, se tornam mais tolerantes, agregadores e obtêm melhores resultados.

Niviani Rudek é diretora de operações da Gateware

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Levy Seiya Maeda: - Exemplo de hoje, atitude de amanhã
Propaganda

Artigos

O Dia Nacional da Advocacia Pública

Publicados

em

 

Autor: Igor Veiga Carvalho Pinto Teixeira

No dia sete de março é comemorado o Dia Nacional da Advocacia Pública. A escolha da data nos remete a sete de março de 1609, ainda no Brasil colônia, quando foi criado o cargo de “Procurador dos Feitos da Coroa, da Fazenda e do Fisco”, sendo um antecessor das funções atualmente exercidas pela Advocacia Geral da União e Procuradorias dos Estados, Distrito Federal e Municípios.

Em 2011 foi proposto o PLC 103/2011 na Câmara dos Deputados visando transformar em lei o Dia Nacional da Advocacia Pública, a ser comemorado anualmente dia sete de março. Após a regular tramitação no Congresso Nacional, foi sancionado o projeto pela presidenta Dilma Rousseff criando a Lei ordinária nº 12.636/12, que instituiu a data comemorativa.

Apesar da aparência de ser apenas mais uma data comemorativa, a referida Lei é uma grande vitória para todos os membros da advocacia pública, bem como da sociedade que é direta e indiretamente beneficiada pelos advogados e advogadas públicas que trabalham incansavelmente por todo país com objetivo de viabilizar políticas públicas e orientar os gestores para o caminho da legalidade em suas ações.

De acordo com a Seção II do Capítulo IV da Constituição Federal de 1988, a Advocacia Pública pertence às funções essenciais à Justiça, ou seja, órgãos permanentes que são indispensáveis para o regular funcionamento do sistema judiciário brasileiro, ao lado do Ministério Público, da Advocacia e da Defensoria Pública.

Ademais, a Advocacia Pública vem sendo muito atuante no combate à pandemia de coronavírus, sendo que em junho de 2020, no auge da denominada “primeira onda” a Procuradoria do Estado de Mato Grosso garantiu a entrega e instalação de 50 (cinquenta) ventiladores pulmonares aos hospitais mato-grossenses, o que ajudou a salvar milhares de vidas. Recentemente, o referido órgão garantiu a aplicação do Decreto 836/2021 a capital do Estado que havia editado uma normativa mais flexível em relação ao funcionamento de estabelecimentos comerciais e ao toque de recolher. Com efeito, as medidas adotadas apesar de severas, são essenciais para a proteção da população, tendo em vista a grande taxa de transmissão do vírus e altos níveis de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva – UTI e de enfermaria.

Em nível nacional, a Advocacia Pública vem sendo imprescindível nas ações governamentais contra a Covid-19, com a viabilização de contratações em massa para a construção de hospitais de campanha, ampliação de leitos em tempo recorde, compra de medicamentos e a contratação de profissionais de saúde para atuar nas novas estruturas.

Outrossim, os membros das procuradorias foram essenciais para a manutenção das medidas preventivas impostas pelos entes federativos através da defesa judicial em processos em que se buscava o cancelamento do lockdown e de medidas restritivas impostas pelo Poder Público. Nas milhares de ações questionando as referidas medidas, foi necessário muito estudo e empenho para convencer os órgãos do Poder Judiciário, pois havia conflito de direitos fundamentais em jogo.

Destarte, em relação à vacinação, a atuação da Advocacia Pública também foi fundamental, pois a escassez do ativo fez com que os laboratórios realizassem exigências para comercialização, que muitas vezes iam de encontro com as legislações que versam sobre licitações e contratos administrativos.

Mais uma vez, foi necessária uma resposta rápida e eficiente desta função essencial à justiça, que apesar das dificuldades, ajudou o Brasil a figurar entre os seis primeiros no ranking geral de vacinação e com previsão de adquirir milhões de doses nos próximos meses.

Por oportuno, a maioria dos órgãos da Advocacia Pública em nível federal, estadual e municipal tem déficit de servidores em relação ao total de cargos da carreira, o que gera uma grande carga de trabalho, que se soma à enorme responsabilidade do exercício da função pública.

Sendo assim, utilizo este artigo como homenagem a todos os membros da Advocacia Pública por este dia especial e me sinto orgulhoso e feliz por integrar os quadros desta carreira.

Igor Veiga Carvalho Pinto Teixeira é Procurador do Estado de Mato Grosso, advogado, Ex-Procurador do Estado da Bahia, Especialista em Direito Tributário e Constitucional, Membro da Comissão do Advogado Público da OAB/MT e Membro da Diretoria da Associação dos Procuradores do Estado de Mato Grosso – Apromat.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Levy Seiya Maeda: - Exemplo de hoje, atitude de amanhã
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA