Artigos

Antonio Marcos Rodrigues: – Congresso Nacional indo na contramão até no combate do Coronavírus

Publicados

em

 

Congresso Nacional indo na contramão até no combate do Coronavírus

Autor: Antonio Marcos Rodrigues

Recentemente, o Brasil iniciou sua batalha à pandemia do Coronavírus que tem desafiado a capacidade de resposta do Estado e seus sistemas de saúde.

Mesmo envolvidos em diversas frentes de trabalho para o enfrentando da doença, mais uma vez, os servidores públicos novamente travam uma batalha com a desvalorização pleiteada pelo Congresso Nacional.

Na contramão do reconhecimento internacional vivenciado durante a crise instalada, o Governo Brasileiro sinaliza através de uma Proposta de Emenda a Constituição a redução salarial para o servidorismo público.

Aproveitando-se do caos, a PEC Emergencial caminha a passos longos no Congresso e visa reduzir a jornada de trabalho e o salário em 25% dos servidores públicos do Poder Executivo.

Enquanto, os servidores dos Poderes Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas, foram dispensados de suas jornadas ou mantém-se trabalhando em casa (Home Office), os servidores do Poder Executivo serão penalizados mesmo sendo responsáveis por serviços decretados como essenciais à população pelo Governo Federal.

A exemplo de Mato Grosso, os servidores do executivo estão com salários congelados, incluindo lei de carreiras e a Revisão Geral Anual (RGA com perdas acumuladas de 10,3%, até agora), diferentemente dos colegas dos demais poderes que receberam a correção da inflação normalmente.

Só nos resta nos mobilizarmos e não deixarmos que sejamos desvalorizados desta maneira pelo simples argumento que, como as empresas privadas estão autorizadas a reduzir até 50% a jornada e os salários de seus funcionários, o poder público também deve dar o exemplo.

E como tudo que vem de mal exemplo do poder executivo federal é adotado pelos estaduais como foi a alíquota da previdência de 14%, então não é difícil imaginar o que pode acontecer com os servidores estaduais.

Vale lembrar que, com a redução dos vencimentos dos servidores em 25%, o setor d e comércio e serviços será diretamente atingido, uma vez que serão menos alunos em escolas particulares, menos produtos adquiridos, entre outros.

Antonio Marcos Rodrigues é Engenheiro Agrônomo, atuando como Fiscal Estadual de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Mato Grosso do INDEA-MT, desde 2003, e servidor público há 19 anos.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Wilson Pires de Andrade: - 16 ANOS SEM O IMORTAL UBALDO MONTEIRO, O MAIOR HISTORIADOR DE VÁRZEA GRANDE

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Artigos

Paulo Bellincanta: – A escolha, o conflito e o erro

Publicados

em

 

                       A escolha, o conflito e o erro

Autor: Paulo Bellincanta

Quando estou em um bar, concordo com aquele que estiver falando mais alto.

Quando estou ouvindo discussão sobre time de futebol ,concordo com os mais insanos.

Quando vejo briga entre o forte e o fraco, concordo com o fraco, ao mesmo tempo, que não tiro a razão do forte.

Quando ouço briga de marido e mulher, concordo com os dois.

Quando vejo a radicalidade conflitar com interesses escusos, não posso concordar com nenhum dos dois.

Se a vida é feita de escolhas, está em minhas mãos concordar com isto ou aquilo, contudo existem conflitos que nos obrigam a concordar com coisas que não aceitamos, ou nos forçam a tomar partido sem nos consultar, e há os que não concordamos sequer com a existência deles.

Se por um lado as escolhas são opcionais, por outro os conflitos são intrínsecos ao ser humano. Ouso pensar que não haveria evolução sem uma boa dose de conflitos, pois dele nasce a necessidade da articulação para o convencimento e do pensamento. O raciocínio se desenvolve a partir da exigência e da necessidade de resposta ao conflito entre o desconhecido e a razão.

O ser humano, portanto, é um ser que a partir de sua origem, está em permanente conflito.

O fato é que existem pessoas abençoadas outras, nem tanto, que estão em permanente conflito. Difícil dar ou tirar a razão delas, apenas pelo fato do permanente estado de conflito. Metidos em embates estão aqueles que puxarão a evolução da espécie humana, e aqueles que querem negar a necessidade de raciocinar. De qualquer maneira não podemos lhes tirar o direito da liberdade de expressão.

Quero passar rapidamente pelos espectadores, que incapazes de criar e desenvolver raciocínio próprio, juntam-se a torcida de um dos lados, e fogem dos conflitos pelo simples fato de não precisar se incomodar ou raciocinar. Assim, por conveniência não dão razão para nenhum dos lados e tomam partido do que lhes convenha para beneficio próprio.

Discordar com os dois lados de um conflito exige opinião própria e enfrentamento, não apenas de um dos lados, mas dos dois ao mesmo tempo. Indicar erro, requer confiança, ao mesmo tempo que chama para si o destino de um conflito, do qual se poderia muitas vezes, passar despercebido.

O Brasil, se não fosse a pandemia que nos entristece, estaríamos vivendo um momento de ouro. A história deverá contar, mas com certeza havia muitas décadas que não experimentávamos um momento tão próspero e tão rico para nossa evolução. O conflito de ideias com a participação maciça de personagens cultos e ignorantes, honestos e corruptos, inteligentes e medíocres, honrados e presidiários, bandidos de toga e de cela, trabalhadores formais ou informais, jovens e aposentados. Enfim uma sociedade em ebulição e confronto de ideias que sem qualquer dúvida nos levaria a uma evolução.

O triste neste momento é que o conflito ganhou força, tamanho e entusiasmo tais que empalideceram a razão, e no instante que ele se instala, surge um mal maior e comum a todos, uma pandemia que coloca a sociedade em risco, contudo, o combate continua, a pandemia fica em segundo plano e é nessa hora que todos perdem a razão.

Surgem os amigos do rei interessados apenas com seus negócios e criam o dilema: morrer pela doença ou pela fome? A partir disso é criada a narrativa do desemprego, da falência das empresas, da insegurança, da catástrofe econômica que prevalecem sobre a morte. Embaralharam –se as premências e ignora-se a questão da pandemia. Há dezenas, centenas e milhares de opiniões, que emanam nas redes sociais como verdades absolutas, criando uma insegurança na população, ao mesmo tempo em que dão razão a quem “possa interessar”.

Interesses pessoais afloram em personagens que almejam o poder tornando-os cegos, na busca de oportunidades que possam alçá-los a postos mais altos. Grupos que se criaram à sombra dos poderes, tornam-se sanguessugas destes e veem na catástrofe a sua tábua de salvação. Poderes constituídos perderam a moral e passaram a ser usados como verdadeiros balcões de negócios, tomando parte em um dos lados e induzindo a um desfecho pela eliminação do lado oposto.

Neste momento o foco do combate ao mal comum é perdido e se acirram picuinhas às margens do problema maior.

Na tentativa de prejudicar um dos lados do conflito, votações foram feitas, não para ajudar, mas pelo contrário, para criar embaraços. Decisões emanadas da corte maior, proferidas como sentenças acusatórias, não emanam da luz da constituição, mas sim da cabeça do sentenciador. Aqueles , que deveriam cobrir de informações e orientações na prevenção da pandemia, estão preocupados com o conflito em si, e em outros campos de batalha.

Onde estão as preocupações com a pandemia? Com as vidas perdidas que poderiam ser poupadas? Com um plano nacional de contingência?

A história deverá mostrar muito claramente o erro deste nosso momento. Com certeza nos colocará muito próximos aos escravocratas e déspotas dos desprotegidos e pobres do nosso país. Seremos apenas os senhores que viraram as costas para um mal maior e se ativeram ao poder, a manutenção do status e de suas corporações em detrimento aos mais vulneráveis. Uma população inteira que se deixa levar como manada entretida em disputas fúteis perante o valor da vida.

Quando vejo a radicalidade conflitar com interesses escusos, não posso concordar com nenhum dos dois.

Paulo Bellincanta é pecuarista em Mato Grosso. Email: [email protected]

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Paulo Bellincanta: - A escolha, o conflito e o erro
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA