ARTIGO

Andréa Ladislau: – “A Zona do Desconforto que se instalou em nossas vidas nos últimos tempos”

Publicados

em

 

A Zona do Desconforto que se instalou em nossas vidas nos últimos tempos

Autora: Andréa Ladislau

Nos últimos dias tem sido frequente ouvirmos afirmações do tipo: “A pandemia me tirou da zona de conforto”; “ Estou produzindo mais e me reinventando no isolamento social”. Refletindo sobre essas questões e sobre o que chamamos de Zona de Conforto, vamos voltar o olhar para todas as mudanças que estamos vivendo e buscar entender qual o real sentido da reviravolta, interna e externa, que está sacudindo e alterando nosso dia-a-dia.

A angústia causada pelo “novo” movimenta nossas emoções e atiça sentimentos diversos. Mas foi preciso uma situação de desconforto geral para fazer com que alguns de nós se atrevesse a encarar as mudanças da vida. Mas é bem verdade que muitos ainda estão estacionados, esperando a roda girar, receosos de encarar os desafios e os seus conflitos internos. Utilizando suas próprias limitações e sofrimentos psicológicos como álibis para utilizar o mal-estar na justificativa da sua falta de vontade, falta de coragem e de êxito para buscar e desenvolver novos projetos de vida. E, em muitos casos, utilizando o próprio discurso para não se envolver com a sua essência.

O que chamamos de Zona de Conforto é também descrito pela ótica psicanalítica como “Zona de Desconforto”, já que nela podemos nos sentir tão habituados às situações desfavoráveis que nos trazem dor e limitações, criando uma certa intimidade com as sensações que causam medo do “novo”, medo de se reinventar. Cega nossos olhos para as novas possibilidades. Incorporamos esse sentimento psicológico e promovemos a perfeita sintonia com nosso ego, gerando a falsa sensação de que, apesar do barulho causado, os prejuízos são aceitáveis. Dentro dessa concepção, nasce também o desejo fantasioso de que um dia alguém virá nos salvar, ou seja, depositamos no outro a responsabilidade por nossas escolhas e nossas possíveis mudanças de atitudes e pensamentos, atrasando benefícios por conta de uma proteção imaginária.

E de que forma podemos mudar esse vício de ação punitiva? Se o futuro eu não controlo, como posso diminuir a angústia causada pelo “novo” que bate a minha porta? Simples, através do entendimento de que qualquer mudança ou inovação, por mais difícil que seja, precisa acontecer. Do contrário, poderá ser fatal para qualquer campo de sua vida. É necessário encontrar o equilíbrio nas escolhas e no fortalecimento das suas estratégias. Permanecer na “Zona de Desconforto” só alimenta a ação de sabotagem inconsciente. O incômodo e o medo são o que chamamos de “maus necessários”, pois podem promover a tomada de atitudes e dar sentido aos processos e as suas mudanças. Nunca é demais pensar que devemos ser os protagonistas de nossas escolhas – elas são livres, mas as consequências, não.

Portanto, não espere outras tragédias, dores ou pandemias para entender que a mágica que você precisa para transformar sua vida não está no externo – está e sempre esteve disponível dentro de cada um de nós. É a mágica da ressignificação, transformando os problemas em forma de oportunidades de alinhamento. Criar as novas estratégias de trabalho, inovar seu segmento de negócio, se reinventar na forma de se relacionar com o outro ou desenvolver novas adaptações no convívio com os amigos ou com a própria família sem dúvida são os novos desafios que se apresentam nos últimos tempos. Estamos sendo obrigados a nos adaptar e a viver novos hábitos em todos os sentidos. E é muito natural, quando alguma nova experiência não nos parece muito positiva, que racionalmente tendemos a evita-la. Optamos por seguir numa mesma rotina, sem muitas alterações, limitado ao conhecido. Mas algumas situações têm nos exigido esforços para romper essas barreiras. Se por um lado é bom e seguro trilhar os mesmos caminhos, por outro nos deparamos com um mundo novo cheio de possibilidades atrás dos muros das nossas rotinas.

Enfim, chegou a hora de olhar para nossas escolhas, trazendo o desafio de fazer diferente e ser diferente. Descobrindo em si mesmo forças para aceitar mudanças e se inovar, se desprendendo de modelos gastos e até mesmo percebendo habilidades e gostos antes nunca experimentados. A ousadia está em abandonar os medos, a rigidez e desbravar caminhos novos. Fugir do ciclo do auto boicote que mascara nossos sentimentos e não permite que possamos perceber oportunidades reveladoras no meio do caos, das últimas adversidades que, independente de nossa vontade, surgiram para nos colocar em ação, nos tirando da “Zona do Desconforto” e nos arremetendo para a “zona do nosso confronto”. Eliminando a fragilidade que nos impede de ver oportunidades de fortalecimento, de autoconfiança, da autoestima e do nosso próprio crescimento pessoal. Importante aprendermos a fugir do papel de vítima das adversidades inerentes ao ser humano e sermos protagonistas de nossas soluções, acreditando em nosso potencial com força e coragem. Sempre aliando saúde mental com equilíbrio emocional. Afinal, ostra feliz e acomodada não produz pérolas.

Dra. Andréa Ladislau – Psicanalista * Doutora em Psicanálise * Membro da Academia Fluminense de Letras – cadeira de numero 15 de Ciências Sociais * Administradora Hospitalar e Gestão em Saúde * Pós Graduada em Psicopedagogia e Inclusão Social * Professora na Graduação em Psicanálise * Embaixadora e Diplomata In The World Academy of Human Sciences US Ambassador In Niterói * Membro do Conselho de Comissão de Ética e Acompanhamento Profissional do Instituto Miesperanza * Professora Associada no Instituto Universitário de Pesquisa em Psicanálise da Universidade Católica de Sanctae Mariae do Congo. * Professora Associada do Departamento de Psicanálise du Saint Peter and Saint Paul Lutheran Institute au Canada, situado em souhaites.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Thomaz Barcellos: - "Encare a realidade da forma correta"
Propaganda

Artigos

Qual o meu desconto para pagar as dívidas do FIES?

Publicados

em

 

Autora: Gisela Simona –

No finalzinho de dezembro de 2021 muita gente comemorou a Medida Provisória de n. 1.090/2021 que garante a regularização de débitos vencidos e não pagos do Fundo de Financiamento Estudantil – FIES, mas existem dúvidas sobre quem verdadeiramente será beneficiado com a medida e qual o percentual de desconto de cada um.

Vale o registro que o FIES é um programa do Governo Federal destinado a concessão de financiamento a estudantes regularmente matriculados em cursos superiores de universidades privadas, com avaliação positiva pelo MEC.

Assim, é importante saber que a medida beneficia alunos que aderiram ao FIES até o segundo semestre de 2017 e os benefícios significam descontos e até perdão dos juros e das multas, parcelamentos e abatimento no valor principal da dívida.

O maior desconto será para os estudantes com débitos vencidos e não pagos há mais de 360 dias, contados da publicação da MP n. 1.090 de 30/12/2021, que estejam no Cadastro Único de Programas Sociais – CadÚnico ou que tenham sido beneficiários do Auxílio Emergencial 2021, com desconto de 92% do valor consolidado da dívida, inclusive principal, por meio da liquidação integral do saldo devedor.

Na sequência será concedido um desconto de 86,5% para os estudantes com débitos vencidos e não pagos há mais de 360 dias, contados da publicação da MP n. 1.090 de 30/12/2021, que não estejam no CadÚnico ou que não tenham recebido o Auxílio Emergencial em 2021.

Também terão descontos os estudantes com débitos vencidos e não pagos há mais de 90 dias, contados da publicação da MP n. 1.090 de 30/12/2021, sendo esse desconto da totalidade dos encargos e 12% do valor principal, para pagamento à vista ou mediante parcelamento em até 150 parcelas mensais e sucessivas, com redução de 100% de juros e multas.

A Medida Provisória irá beneficiar cerca de um milhão de contratos, sendo 548 mil de inadimplentes inscritos no CadÚnico ou que tenham recebido o Auxílio Emergencial em 2021 e mais 524,7 mil contratos dos demais inadimplentes.

Referida medida está vigente desde sua publicação e para aderir à renegociação da dívida do Fies, o estudante terá que procurar os canais de atendimento agentes financeiros, ou seja, do banco que fez o seu respectivo financiamento.

Para saber mais sobre seus direitos nos siga nas redes sociais @giselasimonaoficial.

  • Gisela Simona é advogada, especialista em Direito do Consumidor.
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Fabio Garcia: Não aos impostos, sim ao emprego
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA